[ editar artigo]

Como um médico dá más notícias é tão importante quanto a má notícia em si

Como um médico dá más notícias é tão importante quanto a má notícia em si

Olá queridos leitores, o texto de hoje foi retirado do blog KevinMD e trata das experiências de comunicação de más notícias do médico pneumologista e intensivista Dr Rizwana Khan. É um depoimento enriquecedor e esperamos que traga muitos valores para a sua prática clínica. Aproveite!

A medicina é uma arte. Pode-se aprender sobre sintomas, diagnósticos e planos de tratamento para várias doenças, em livros e artigos de periódicos. No entanto, é mais difícil estudar empatia, compaixão e conexão humana com recursos acadêmicos convencionais. A arte da medicina é descoberta, adquirida e absorvida no trabalho, interagindo e conectando-se com os pacientes e suas famílias, fazendo parceria com eles em sua jornada da doença para a saúde ou mesmo para o além.

Descobri uma importante lição de ética médica em meu primeiro ano como assistente. Eu sou um graduado em medicina estrangeiro. Isso significa que fui para a faculdade de medicina em um país estrangeiro, mas concluí minha residência de pós-graduação e treinamento de bolsa nos EUA.

As normas culturais do meu país estavam fora de sincronia com a filosofia e os valores americanos. O paternalismo na medicina era a norma estabelecida em meu país, esperada e aceita por pacientes e familiares. A família carregou o fardo das más notícias e manteve o paciente no escuro, com banalidades e pretensões de que tudo ficará bem: "É a vontade de Deus." A palavra C (câncer) nunca foi articulada na frente do paciente. Os médicos foram cúmplices do engano. Quando chegou a hora de dar más notícias, o paciente foi obrigado a sair da sala. Membros da família do sexo masculino, marido, irmão, filho, tio, amigo da família do sexo masculino, foram os primeiros a receber informações pessoais de saúde. Era seu critério, julgamento e responsabilidade dar essas más notícias ao paciente ou optar por reter as informações inteiramente. As decisões relativas aos planos de tratamento são tomadas pela família, com o paciente geralmente felizmente inconsciente e desinformado.

Quando eu estava estudando para o USMLE (um exame de admissão de equivalência médica para se qualificar para o treinamento de pós-graduação nos EUA), devorei o capítulo de ética médica. Foi um capítulo curto, mas eu queria ter certeza de que estava bem informado sobre os padrões éticos para a prática da medicina nos EUA. Aprendi sobre a autonomia do paciente, beneficência, não maleficência e justiça.

  • Autonomia: o paciente tem o direito de recusar ou escolher seu tratamento.
  • Beneficência: um médico deve agir no melhor interesse do paciente.
  • Não maleficência: o médico não deve causar danos.
  • Justiça: a distribuição justa de recursos de saúde escassos.

Percebi que as práticas culturais e a ética médica estão interligadas. Em minha cultura doméstica, havia mais ênfase nos valores familiares e a autonomia do paciente era minimizada. O principal princípio defendido e praticado nos EUA, por outro lado, era a autonomia do paciente. Houve igual ênfase na confidencialidade do paciente e consentimento informado.

Aprendi uma lição memorável no meu primeiro ano como assistente sobre valores éticos e culturais e sobre a arte da medicina. Eu havia consultado um homem de meia-idade hospitalizado com uma massa pulmonar. Dei uma má notícia a ele sobre sua biópsia de pulmão, confirmando o diagnóstico de câncer. Ele estava sozinho em seu quarto quando fiz minhas rondas. Eu havia iniciado minha conversa perguntando se ele preferia que sua família fizesse parte dessa conversa. Ele recusou. Não pressionei o assunto, pois ele era competente para tomar suas próprias decisões. Eu havia dado a notícia de maneira prática, delineei as próximas etapas do tratamento e toquei no prognóstico.

Recebi um telefonema de sua filha mais tarde naquele dia. Ela estava indignada, lívida, enfurecida; ela não se conteve. Ela declarou apaixonadamente que eu deveria ter contado as más notícias com o apoio da família presente. Que eu era "sem coração, insensível e cruel". Expliquei que tinha dado a seu pai a opção e escolha, mas ele recusou, e eu respeitei sua vontade. Afirmei ainda que ele era capaz de tomar suas próprias decisões médicas, que era minha responsabilidade como médico proteger seus desejos acima de todos os outros. Ela não estava disposta a aceitar minha explicação.

Essa conversa me deixou profundamente perturbado. Eu contemplei, refleti e considerei suas palavras, tom de voz e sentimento por dias. Eu não acreditava que tivesse agido errado com meu paciente - e ele não era minha prioridade máxima? Eu havia aderido ao princípio ético padrão da autonomia do paciente. Eu havia oferecido ao paciente, que era competente para tomar suas próprias decisões, a opção de ter a família presente enquanto eu dava a má notícia. Cheguei a sugerir que depois ligasse para a família e explicasse o diagnóstico para eles. Ele declinou em todas as frentes.

Depois de muita reflexão, discuti esse incidente com colegas que já atuavam na área há anos. Percebi que, embora respeitasse a autonomia do paciente, não havia considerado os valores culturais da comunidade rural em que vivia. Era uma comunidade pequena, com fortes laços familiares. Embora a autonomia do paciente fosse importante, os valores familiares tinham importância igual.

Ainda tenho dificuldade em dar más notícias dez anos depois. Eu me esforço para ser mais empático. Procuro ter sensibilidade cultural na minha prática médica. Sou mais persistente em pedir que os pacientes tenham família/apoio ao dar más notícias. Os pacientes geralmente não esperam más notícias. Eles podem não compreender o valor de ter uma pessoa de apoio quando são confrontados com más notícias. Eles podem não querer sobrecarregar seus entes queridos com más notícias. Eles podem precisar de tempo para processar as informações antes de compartilhá-las com outras pessoas. Raramente tive um paciente recusando ter uma pessoa de apoio, se eu formular da maneira correta. Esta é a arte da medicina, e continuo a busca ao longo da vida para aperfeiçoá-la.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Texto elaborado e traduzido por Diego Arthur Castro Cabral. O texto original pode ser acessado ao clicar neste link.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você