[ editar artigo]

Diretriz da OMS: Tratamento farmacológico da hipertensão em adultos

Diretriz da OMS: Tratamento farmacológico da hipertensão em adultos

A hipertensão é uma das principais causas de doenças cardiovasculares e mortes em todo o mundo, especialmente em países de baixa e média renda. Apesar da disponibilidade de terapias de redução da pressão arterial (PA) seguras, bem toleradas e custo-efetivas, <14% dos adultos com hipertensão têm a PA controlada para uma PA sistólica/diastólica <140/90 mm Hg. Em 1978, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma das primeiras diretrizes de prática clínica para o diagnóstico e manejo da hipertensão arterial, que foram posteriormente atualizadas em 1999 e 2003.

Em 2007, novamente a organização publicou algumas recomendações para o manejo da hipertensão em diretrizes para a avaliação e gestão do risco total de DCV. O objetivo da diretriz é facilitar as abordagens padrão para o tratamento farmacológico e o manejo da hipertensão que, se amplamente implementados, devem aumentar a taxa de controle da hipertensão em todo o mundo.

Akram Al-Makki e equipe, autores do estudo Hypertension Pharmacological Treatment in Adults: A World Health Organization Guideline Executive Summary, publicado no periódico Hypertension, relatam novas diretrizes de tratamento da hipertensão, desenvolvidas de acordo com o Manual para o Desenvolvimento de Diretrizes da OMS. As tabelas de resumo foram desenvolvidas de acordo com a abordagem de Classificação de Recomendações, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliações. Nestas diretrizes, a OMS fornece as orientações baseadas em evidências mais atuais e relevantes para o tratamento farmacológico de adultos (mulheres não grávidas) com hipertensão.

A orientação é particularmente necessária em questões como o nível limite de PA no qual iniciar o tratamento farmacológico e se os testes laboratoriais e a avaliação do risco de DCV são necessários antes de iniciar o tratamento farmacológico. Na última década, a OMS incluiu o diagnóstico e o manejo da hipertensão em uma abordagem de risco total de DCV como parte do Pacote de Intervenções Essenciais de Doenças Não Transmissíveis da OMS (OMS PEN) 2007, 2010 e 2013.

A carga global de hipertensão vem crescendo ao longo do tempo, impulsionada por mudanças no estilo de vida, crescimento populacional , tratamento inadequado e envelhecimento. As sequelas a longo prazo da hipertensão não tratada/não controlada incluem aumento de eventos cardiovasculares, danos em órgãos-alvo e mortalidade. A pressão arterial elevada também está intimamente relacionada a outros resultados adversos, incluindo DRC e comprometimento cognitivo/demência.

As diretrizes recomendam o limiar de PA para iniciar a terapia farmacológica, metas de tratamento da PA, intervalos para consultas de acompanhamento e melhor utilização dos profissionais de saúde no manejo da hipertensão. Também fornecem orientações para a escolha de monoterapia ou terapia dupla, tratamento com medicamentos combinados de pílula única e uso de algoritmos de tratamento para o controle da hipertensão.

Akram e a equipe destacam que a força das recomendações foi guiada pela qualidade da evidência subjacente, além de aspectos como compensações entre efeitos desejáveis ​​e indesejáveis; valores do paciente, considerações de recursos e custo-benefício; equidade em saúde; aceitabilidade e consideração de viabilidade de diferentes opções de tratamento.

A Lista de Medicamentos Essenciais da OMS inclui inibidores da ECA (enzima conversora da angiotensina), bloqueadores dos canais de cálcio, bloqueadores dos receptores da angiotensina e diuréticos tiazídicos para o controle da hipertensão. Em junho de 2019, medicamentos anti-hipertensivos combinados de pílula única foram adicionados à Lista de Medicamentos Essenciais da OMS.
O Estudo de Akram e equipe identifica um total de 159 revisões sistemáticas e 17 estudos primários adicionais, incluindo 9 análises de dados de pacientes individuais. Uma visão geral adicional de revisões sistemáticas foi usada para informar outros critérios de decisão na estrutura de evidência para decisão, incluindo valores, recursos, aceitabilidade, viabilidade e equidade do paciente.

O fator de risco modificável mais importante responsável pela carga de doenças cardiovasculares e mortalidade por todas as causas e hipertensão é um importante problema de saúde pública global pela OMS. Akram e a equipe observam ainda que a prevalência, o tratamento e o controle da hipertensão variam substancialmente entre os diferentes países, com a maior carga de doença devido à hipertensão e as menores proporções de hipertensão tratada e controlada em países de baixa e média renda.

Akram Al-Makki e a equipe defendem que em cenários de desastres, humanitários e de emergência, a avaliação da hipertensão e os recursos apropriados para tratá-la devem ser uma prioridade para as agências que prestam atendimento de emergência e de longo prazo para pacientes após ou durante crises humanitárias, para evitar mortalidade e morbidade significativas. O estudo aponta que mais pesquisa são necessárias para estimar com precisão a prevalência de hipertensão em populações afetadas por crises em todo o mundo e para avaliar a melhor abordagem de tratamento para essa população.

Fonte

https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/HYPERTENSIONAHA.121.18192

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você