[ editar artigo]

ELMO: Capacete produzido no Ceará e aprovado pela Anvisa reduz em 60% necessidade de internação em UTI

ELMO: Capacete produzido no Ceará e aprovado pela Anvisa reduz em 60% necessidade de internação em UTI

De acordo com a mitologia Grega, Hércules (ou Herácles) iniciou sua grande carreira no Olimpo enfrentando um grande Leão no fundo de uma caverna, o Leão de Neméia. Depois de uma grande luta, Hércules venceu o animal, arrastou-o para fora da caverna, arrancou seu pelo e fez uma grande túnica, e da sua cabeça fez um elmo (capacete) que passou a usar em todas as suas tarefas, para lembrar que força nunca deveria superar a razão (1).  Assim, elmo se tornou uma proteção utilizada no ambiente bélico, fazendo parte do equipamento de guerra antiga e medieval, destinada a defender a cabeça dos guerreiros, e se apresenta das mais variadas formas.

Assim como Hércules usou do seu inimigo para se reinventar e, inspirar os guerreiros antigos a usarem a força do inimigo em seu favor, no mundo real dos tempos modernos, observamos diversos heróis na luta contra o coronavírus inovando e trazendo grandes expectativas para a sociedade atual, como é o caso da equipe de criação do capacete de respiração assistida no Ceará.

Não à toa, os pesquisadores cearenses batizaram de Elmo, o capacete de reprodução assistida, produzido no Brasil, para tratar pessoas com quadro de moderado a grave da covid-19, que começou a ser testado em Junho no Hospital Leonardo Da Vince, e atualmente fora aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para produção em larga escala devido sua eficácia comprovada em diminuir em 60% as necessidades de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) (2, 3 e 4).

O Projeto

O protótipo do Elmo foi desenvolvido no Instituto SENAI de Tecnologia em Eletrometalmecânica, e testado no Laboratório do SENAI da Jacarecanga, a partir de uma ideia apresentada pelo superintendente da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE), Marcelo Alcântara, e através de uma força tarefa envolvendo o Governo do Ceará, por meio da Secretaria de Saúde (SeSa), a própria ESP/CE, a Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP), a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/Ceará), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (UniFor), com o apoio do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH) e Esmaltec (2, 3 e 4) .

Fonte: CEARÁ, 2020c.

Após idealizado e produzido, o protótipo passou por ajustes finos e foi submetido a testes de usabilidade em voluntários no mês Maio de 2020. Em seguida, foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisas da ESP/CE para avaliação e aprovação antes de entrar em ensaios clínicos. Uma vez aprovado pela comissão, foi iniciado os testes em pacientes com insuficiência respiratória pela Covid-19, no Hospital Leonardo da Vinci (HLC), requisitado pelo Governo do Ceará para dar suporte aos pacientes no estado. O ensaio clínico era um pré-requisito para sua aprovação pela ANVISA para ser produzido em larga escala. Com a eficácia comprovada, o aval foi concedido no dia 29 de outubro à Esmaltec, empresa que vai fabricá-lo e comercializá-lo. Já a patente do dispositivo foi registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) em julho (2).

Para o professor Vasco Furtado, diretor de Pesquisa e Inovação da Universidade de Fortaleza, da Fundação Edson Queiroz, “todas as etapas foram feitas com muita agilidade dada a urgência que a pandemia exige” e a autorização da Anvisa é o reconhecimento de todo o trabalho do grupo técnico multidisciplinar, que atuou em tempo recorde desde o desenho do equipamento até a validação clínica do Elmo. Além disso, Furtado afirma que “Quando a gente trouxe a Esmaltec para a equipe de trabalho, a empresa começou a se preparar na articulação do processo industrial, para que ele fosse antecipado. A estimativa é que no começo de dezembro já tenha capacete Elmo saindo da fábrica para a entrega” (5).

O Ensaio Clínico

As pessoas tratadas com o Elmo para fins da pesquisa, tinham entre 37 e 76 anos e possuíam comorbidades. O estudo para avaliação dos pacientes ocorreu nos últimos cinco meses no HLV, unidade requisitada pelo Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde do Estado durante a pandemia. Com os testes, foi possível validar as funcionalidades e usabilidade do capacete, bem como sua eficácia no tratamento de insuficiência respiratória causada pelo coronavírus.

Ao utilizar um mecanismo de respiração artificial não invasivo, o Elmo foi fundamental para evitar a intubação de pacientes, reduzindo em 60% a necessidade de internações em leitos de UTI. Apenas quatro das dez pessoas que usaram o capacete no HLV precisaram ser transferidas para UTIs. O dispositivo trata quadro clínico moderado e também auxilia casos em início de gravidade. (2).

https://www.esp.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/78/2020/11/photo4981255817126848763.jpg

Fonte: CEARÁ, 2020c.

De acordo com Marcelo Alcântara, Superintendente da ESP/CE, o capacete:

“Melhora a oxigenação, diminui a sensação de cansaço, diminui o trabalho respiratório, pois a pessoa gasta energia com o trabalho respiratório, e tudo isso para prevenir que a doença evolua/piore e ele (paciente) precise ser intubado, colocado num respirador, e talvez usar um leito de UTI por dias ou semanas” (6).

 

O Equipamento e o funcionamento

Inspirado em modelos já utilizados na Itália, trata-se de um mecanismo de respiração artificial não invasiva, por meio de uma cápsula de PVC e silicone com conexões, com a grande vantagem do baixo custo, que garante facilidade de produção em larga escala. Enquanto uma máquina de ventilação mecânica custa em média R$ 70 mil, o capacete respirador sai a um custo de cerca de R$ 300,00 a unidade. O equipamento pode ainda ser desinfectado e reutilizado (3).

https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2020/11/photo5163393869637855352.jpg

Fonte: Ceará, 2020a. Imagem: Viktor Braga/UFC

O capacete possui uma acomodação para o pescoço feita em silicone, para evitar incômodo ao paciente e o escape de ar, e mantém 03 conexões, onde uma serve para fornecer oxigênio, a outra para retirar o CO2, e uma para dar acesso ao paciente, permitindo, por exemplo, sua alimentação via oral.

Acomodado ao pescoço do paciente, hermeticamente fechado por um colar macio, o Elmo permite ofertar oxigênio a uma pressão definida ao redor da face, sem necessidade de intubação. Dessa forma, a pessoa consegue respirar com auxílio da pressurização e oferta de oxigênio. O sistema possibilita, portanto, a melhora na respiração e pode ser utilizado fora de leitos de UTI.

Marcelo Alcântara comenta ainda que: “você usa durante uma, duas horas, para um pouco e coloca outro dispositivo para descansar do uso do aparelho. Depois reinstala o Elmo, conforme a evolução do paciente”. De forma geral, o equipamento pode ser usado para quadros em que há dificuldade de respiração, mas que não necessite de um respirador de UTI (7). A oxigenoterapia fornecida pelo Elmo faz com que o paciente respire oxigênio puro, e não re-inale o CO2 expelido, que por sua vez não é descartado no ambiente, evitando assim a contaminação da equipe.

Sobre os capacetes de ventilação assistida, André Nathan, pneumologista do hospital Sírio Libanês afirma que é uma interface entre o paciente e o aparelho de ventilação mecânica. Acoplado ao ventilador ou ao fluxo do oxigênio com pressão positiva de oxigênio, é um jeito de fazer com que o ar chegue ao paciente de forma não invasiva, diferente da intubação, que necessita um tubo orotraqueal. (8).

Outro benefício é o custo inferior em relação aos respiradores mecânicos e a maior segurança para os profissionais de saúde, já que, por ser vedado, não permite a proliferação de partículas de vírus. Além disso, o equipamento será um legado da pandemia para a saúde e pode tratar outras enfermidades que comprometem o funcionamento dos pulmões, como pneumonia e H1N1. Se o Elmo era o nome do capacete que garantia a proteção dos guerreiros medievais, nos tempos atuais irá proteger e preservar a vida de pacientes na batalha contra a Covid-19 (2, 3 e 4).

https://www.ceara.gov.br/wp-content/uploads/2020/05/elmo-1.jpg

Fonte: Ceará, 2020b. 

As Perspectivas do futuro

Apesar de os resultados serem positivos, o superintendente Marcelo Alcântara afirma que os estudos clínicos precisam continuar:

"A gente vai elaborar um novo projeto, talvez mais amplo, envolvendo novas unidades. Mas, pelo menos, o Elmo já está autorizado para uso. Não há necessidade de se esperar uma nova pesquisa. Isso que é o diferencial" (9).

Ressalto ainda que a autorização surge em um momento oportuno, em que uma possível segunda onda está ameaçando surgir.

  Referências

  1. Stephanides, M. Hércules. Trad. MICHAEL, M. P. São Paulo: Odysseus, 2005.
  2. Ceará. Governo do Estado. Secretaria de Saúde. Escola de Saúde Pública do Ceará. Criado no Ceará, capacete Elmo reduz em 60% necessidade de internação em leitos de UTI. Fortaleza -Ce, 2020a.  Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/2020/11/05/criado-no-ceara-capacete-elmo-recupera-pacientes-com-covid-19-e-reduz-em-60-necessidade-de-internacao-em-uti/
  3. Ceará. Governo do Estado. Secretaria de Saúde.  Ceará finaliza protótipo de capacete de respiração assistida. Fortaleza-Ce, 2020b. Disponível em: https://www.ceara.gov.br/2020/05/07/ceara-finaliza-prototipo-de-capacete-de-respiracao-assistida/
  4. Ceará. Governo do Estado. Secretaria de Saúde. Escola de Saúde Pública do Ceará. Elmo recupera pacientes e reduz em 60% a necessidade de internação em leitos de UTI. Fortaleza-Ce, 2020c. Disponível em: https://www.esp.ce.gov.br/2020/11/05/criado-no-ceara-capacete-elmo-recupera-pacientes-com-covid-19-e-reduz-em-60-necessidade-de-internacao-em-leitos-de-uti/
  5. Unifor. Fundação Edson Queiroz. Capacete Elmo: aprovação da Anvisa é resultado da integração universidade/empresa. Fortaleza-Ce, 2020. Disponível em: https://www.unifor.br/web/pesquisa-inovacao/-/capacete-elmo-aprovacao-da-anvisa-e-resultado-da-integracao-universidade-empresa#:~:text=Com%20a%20efic%C3%A1cia%20comprovada%2C%20o%20aval%20foi%20concedido%20no%20dia,Industrial%20(INPI)%20em%20julho.
  6. Alcântara, Marcelo. Entrevista para TV Ceará. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=daCsvxmGrlg
  7. Florato, Fidel.  Elmo: Capacete para tratamento da COVID-19 tem eficácia comprovada. Canaltec, 2020. Disponível em:  https://canaltech.com.br/saude/elmo-capacete-para-tratamento-da-covid-19-tem-eficacia-comprovada-confira-174132/
  8. Granchi, Giulia. Capacete-respirador: como o recurso funciona e ajuda pacientes com covid-19. Viva Bem. Saúde. UOL, 2020. Disponível em https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/05/25/capacete-respirador-como-o-aparelho-fuciona-e-ajuda-pacientes-com-covid-19.htm?next=0001H1300U11N
  9. Rocha, Daniel. Aprovado pela Anvisa, capacete reduz internações em UTI por covid-19 em 60%. Saúde. UOL, 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/11/07/aprovado-pela-anvisa-capacete-pode-reduzir-internacoes-por-covid-19-em-60.htm?cmpid

 

Academia Médica
Leandro Costa
Leandro Costa Seguir

Acadêmico de Medicina da Universidade Federal do Pará. Diretor de pesquisa da Liga Acadêmica Paraense de Neurologia (LapNeuro). Apaixonado por neurociência e entusiasmado com inovações tecnológicas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você