[ editar artigo]

Em meio a crise da COVID-19 devemos aprender a cuidar de nós mesmos e uns aos outros

Em meio a crise da COVID-19 devemos aprender a cuidar de nós mesmos e uns aos outros

As condições pandêmicas exacerbaram o esgotamento entre médicos e outros clínicos. O ressentimento alimentado pela carga administrativa elevada, o foco na produtividade, sistemas pesados ​​de registros médicos eletrônicos e a perda do senso de autonomia profissional já haviam contribuído para aumentar a insatisfação dos médicos. Vimos médicos deixando o campo da medicina, outros se desligando por conta do burnout, alguns até mesmo se automedicando ou ignorando seus emergentes problemas de saúde mental e emocional.

Com a pandemia, perdemos muitas das oportunidades que nos ajudaram a manter o contato com nossos colegas. Nossas interações informais do dia a dia se tornaram ainda mais apressadas ou desapareceram completamente. A opção de jantar com os colegas, bem, não é uma opção. Muitos de nós praticamos remotamente, aumentando ainda mais nosso isolamento e talvez até ansiando por nossas interações outrora rotineiras com pacientes, funcionários e uns com os outros. As reuniões realizadas por videoconferência não promovem a mesma colaboração que as interações presenciais.

Estamos aprendendo que - seja durante uma pandemia ou em tempos “normais” - devemos ser mais deliberados na criação de oportunidades para apoiar a nós mesmos e uns aos outros. Esses sistemas e atitudes devem estar embutidos em nossas rotinas, interações e mecanismos de suporte.

Aqui está um exemplo. Depois de um evento particularmente difícil, com que frequência ouvimos isso de nossos colegas - “Estou bem”? E com que frequência aceitamos essa garantia pelo valor de face e vamos embora? Em uma cultura baseada no apoio acadêmico, isso não é suficiente. Precisamos sondar, conversar, oferecer para ouvir. Em suma, precisamos fazer um esforço para nos conectarmos verdadeiramente.

O Dr. Vivek Murthy, que atuou como cirurgião-geral do presidente Obama e está prestes a retomar esse papel no governo Biden, descobriu por meio de pesquisas a importância da conexão humana. Em seu livro, Juntos: O poder de cura da conexão humana em um mundo às vezes solitário, ele explica brilhantemente como a solidão e o isolamento podem ser a maior ameaça à saúde das pessoas. Tirando uma lição de sua análise, podemos promover uma boa saúde mental em nossa profissão criando essas oportunidades de conexão e comunicação.

Sim, ainda existe um estigma em torno dos médicos sendo nada mais, nada menos do que um “homem de ferro (ou mulher)”. Mas e se mudássemos essa percepção e, em vez disso, víssemos as ações para preservar nossa saúde emocional e mental como uma força, não uma fraqueza? Considere a analogia com saúde preventiva e cuidados médicos para uma doença. Se alguém se exercita, se alimenta bem e evita situações em que um vírus pode infectá-lo, nós o consideramos fraco? Aconselhamos esse paciente a não ser proativo, apenas esperar até que adoeça e ajudá-lo? Não, consideramos esse comportamento como cuidado preventivo e inteligente, fortalecimento do desenvolvimento e resiliência.

Da mesma forma, devemos mudar nossa atitude sobre nossos próprios pontos fortes. Mesmo quando recuamos nas cargas administrativas, mal planejados ou cargas de trabalho irrealistas, devemos promover a aceitação da socialização, obter aconselhamento, encontrar interesses fora do trabalho e reconhecer nossos próprios sintomas de esgotamento não como fraquezas, mas como passos positivos para otimizar o funcionamento e a saúde.

Aconselharíamos nossos pacientes a tomar essas medidas, portanto, devemos fazer isso também para nós mesmos e uns para os outros.

O chamado para aumentar nossa sensibilidade às situações de nossos colegas é fundamental.

O Burnout é o primeiro passo para a doença emocional e mental, para a automedicação que pode levar ao abuso de substâncias e à depressão, levando ao suicídio.

Quando alguém parece estar se retraindo, mudando seu comportamento, ficando irritado, culpando os outros pelos erros em vez de assumir responsabilidades - esses são os sintomas do esgotamento. Se se manifestam no trabalho, já estão ocorrendo em outras áreas de suas vidas e estão piorando. Temos que falar, para chegar, para o bem de nossos colegas, para o bem de nossos pacientes e para nosso próprio bem-estar. Precisamos ir além de apenas aceitar o "estou bem" de nosso colega, quando você acha que ele não está. Pergunte, você está realmente bem? Posso ajudar de alguma forma?

Não vamos desperdiçar a crise desta pandemia esquecendo o que aprendemos sobre o poder da conexão humana e da empatia para nos manter saudáveis e funcionando, mesmo em circunstâncias extraordinárias.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Texto traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral. A publicação original está disponível no blog Kevin MD e pode ser acessada clicando neste link.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você