[ editar artigo]

Empatia como base da educação médica

Empatia como base da educação médica

*Texto originalmente publicado em 11 de maio de 2018

 “Curar ocasionalmente, aliviar frequentemente, consolar sempre” – apud Barros Filho

Ao lidar com pacientes e familiares que estão sofrendo de uma doença que ameaça o bem-estar e a vida, uma das melhores intervenções do médico pode ser a empatia. A empatia é definida simploriamente como uma reação ao estado emocional de outro. Seria entender a experiência do outro. Na língua inglesa é definida pela expressão "in your shoes", que seria o "se colocar no lugar do outro". É um processo que requere esforço e vontade. Ela é, portanto, uma importante parte para uma relação médico-paciente integral.

O estudo com o título de "Empatia, relação médico-paciente e formação em medicina: um olhar qualitativo", publicado em 2010 na Revista da Associação Brasileira de Educação Médica, traz algumas definições e ponderações sobre a empatia e fatores relevantes ao desenvolvimento desse conhecimento:

  • A empatia envolve um sentimento de sensibilização pelas mudanças sentidas e refletidas, momento a momento, pela outra pessoa. Empatia é um processo psicológico conduzido por mecanismos afetivos, cognitivos e comportamentais frente à observação da experiência do outro.
  • A empatia entre médico e paciente é importante porque deixa o último mais seguro e disposto a informar com mais desenvoltura seus problemas, sintomas e dúvidas. A familiaridade, a confiança e a colaboração do paciente têm importância fundamental para a efetividade dos processos diagnósticos e terapêuticos, indispensáveis ao resultado da arte médica.

A possibilidade de ensinar a ser empático aparece como uma alternativa para amplificar a perspectiva médica. A empatia seria uma ferramenta útil para transformar o paciente propriamente dito” em um ser autônomo.

Muitos estudos feitos com estudantes de medicina indicam que a empatia é deficiente. Um estudo publicado no Academic Medicine em 2009 indica que a empatia, de fato, diminui durante o terceiro ano de medicina (quando começa o acesso do acadêmico ao hospital). Nesse estudo, 456 estudantes foram acompanhados e responderam a escala de Jefferson, que avalia a Empatia médica, em diferentes épocas de sua formação médica. Durante os dois primeiros anos os scores se mantiveram homogêneos, porém a partir do terceiro ano um declínio significativo foi observado. Esse declínio persistiu até a formatura. Não houve diferenças de gênero ou de especialidades de escolha. Que paradoxo, não? Depois de 2 anos em aulas essencialmente teóricas como a anatomia, fisiologia e a farmacologia, a empatia diminuiu após o início do contato com o paciente pela primeira vez.

Empatia deveria ser a base para o atendimento de todos os pacientes e pedra fundamental da relação médico paciente. Temos que achar uma maneira de cultivar a empatia na educação médica. Na faculdade de medicina, deveria haver um ensino para que o médico realmente se importe com o doente. Na escola, professores e demais médicos do hospital devem implantar a boa relação médico paciente como base do currículo. Há a necessidade de preparar o estudante para um mundo cheio de desafios e mudanças constantes. Os pacientes enfrentam inúmeros stresses como perda do emprego, falência financeira,, adição para drogas e álcool e crise familiar. Esses pacientes apostam sua confiança em seus médicos. Nós, como médicos,  devemos fornecer algo além do diagnóstico correto. Devemos fornecer humanidade também

Há várias desculpas para o não ensino da empatia na educação médica - todas muito boas:

  • Falta de modelos empáticos
  • Experiencias negativas nas enfermarias
  • Grade curricular que proporcionam falta de tempo para o acadêmico para desenvolver outras atividades
  • Confiança excessiva em testes laboratoriais e exames de imagem (vale lembrar que 80% dos diagnósticos são feitos com uma boa anamnese e um bom exame físico)

A competição por melhores notas dentro da escola entre os próprios estudantes também pode ser um fator. E sabemos que as seleções na faculdade e nas vagas de residência médica são feitas por esse parâmetro. Infelizmente não há maneira praticável de correlacionar empatia e conhecimento entre os candidatos a residência. Hoje a seleção é feita com notas cada vez menores para a entrevista e currículo. Infelizmente

Apesar disso devemos sempre lembrar que um médico melhor é um médico que se importa. Deve-se portanto, dar mais ênfase no contato com o paciente e com os familiares do doente. Na próxima vez que você for passar visita atente-se para conversar com o paciente e familiares para perguntar verdadeiramente e se colocar no lugar do paciente para entender a questão: "Como você está se sentindo hoje?"

Você pode se interessar por:

fontes: http://medxforum.com , Fabrício Donizete da Costa e Renata Cruz Soares de Azevedo

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você