[ editar artigo]

Me vi bloqueado, e agora?

Me vi bloqueado, e agora?

Me perdoem aqueles que iniciam a leitura deste texto singelo acreditando que uma miraculosa ferramenta irá surgir das entrelinhas e brilhantemente fará você descobrir quem o bloqueou no Whatsapp.

Não distante dessa realidade cibernética, sou capaz de prever que todos nós (estudantes, internos, recém-formados e até a vanguarda médica) sofremos com aquela parte da consciência que nos aponta o dedo e diz: EU SABIA! Te avisei que não era uma boa ideia fazer medicina. Estuda, estuda e não sabe nada. Você ainda vai matar alguém! O que você tem de especial? 

Vivendo o dia-a-dia onde a maioria dos indivíduos busca holofotes e compartilha apenas momentos de plena felicidade, quando não de ostentação interpretada como sucesso profissional e financeiro, aqueles que são acometidos da chamada "Síndrome do Impostor", também denominados "impostores" por alguns autores (o que parece bem cruel), subestimam a própria inteligência, acreditando que suas conquistas apenas virão da sorte ou do excesso de esforço, ainda que seja possível inferir com certeza suas habilidades e competências. Aquele que sofre com a síndrome diminui suas próprias vitórias (o que é mais cruel ainda)!

Não quero com esse texto subestimar o poder do esforço para alavancar a carreira de alguém, pelo contrário, é preciso tornar público a ideia de que podemos ser bons e estar no caminho certo. 

Internos e recém-formados parecem ser a população mais acometida pela síndrome. Uma rotina exaustiva, grande volume de estudos para dar conta, falta de experiência e cobranças diárias fazem parte do bel-prazer da escolha da carreira médica. E é aí que ela surge, quando estamos em uma posição para ter o nosso desempenho julgado.

E assim nos tornamos nosso próprio carrasco, nosso maior crítico, que nos faz sentir insuficientes e despreparados muitas vezes ao dia.  Pensamentos como “não sei se sou bom o suficiente”, “acho que não sou capaz de fazer isso” e “não sei se deveria estar onde estou” permeiam a mente vez ou outra. 

O indivíduo tem sua autopercepção distorcida e se enxerga como uma pessoa menos qualificada para exercer determinado cargo ou função. O mais interessante é que na maioria dos estudos a população mais acometida parecem ser alunos de graduação com o melhor desempenho acadêmico.

Então por que acabamos nos sentindo muitas vezes bloqueados? Nos sentindo incapazes para algo? Nos cobrando por produzir, mais e mais e mais; estudar por horas e horas e horas?

Não há uma resposta simples para essas perguntas. Mas devemos lembrar que SENTIMENTOS NÃO SÃO FATOS. 

O início do ano traz com ele a sensação de que tudo vai dar certo. Para quem ingressou em cursinhos preparatórios para residência, ou acabou de pegar a nova carteira de trabalho pós-formatura e irá enfrentar seu primeiro plantão como responsável do setor: ATENÇÃO!

Talvez o primeiro passo seja o autoconhecimento e retomar a ideia que não precisamos ser bons em absolutamente tudo, temos nossos defeitos e nossas qualidades, e devemos persistir quando confortados com algo que foge da nossa zona de conforto. Além disso, ter pessoas de confiança que possam te auxiliar em momentos de dúvida é fundamental.

Além disso, é sempre bom recordar que na medicina NEM SEMPRE, NEM NUNCA e nessa sociedade do obsoleto nem os erros nem os acertos duram muito tempo.

Academia Médica
Renata Campos Cadidé
Renata Campos Cadidé Seguir

Médica Tento unir uma paixão antiga por contar histórias à carência de difundir os conhecimentos de pesquisa científica, de forma mais palpável, para à população geral.

Ler conteúdo completo
Indicados para você