[ editar artigo]

Menos é mais - Será que não estamos solicitando exames demais?

Menos é mais - Será que não estamos solicitando exames demais?

Dra. Roberta Fittipaldi é médica pneumologista, pesquisadora em ventilação mecânica, que trabalha nas principais UTIs da cidade de São Paulo e é professora da curso Ventilação Mecânica Online na Academia Médica.

 

Desde a faculdade aprendemos que, durante a avaliação do paciente, a sequência anamnese, exame físico e exames complementares vai nos acompanhar para o resto de nossas vidas, principalmente como clínicos. Aprendemos também que exames complementares são necessários para confirmar, identificar e direcionar diagnósticos e tratamentos.

Porém, em consequência do avanço tecnológico da medicina, a mecanização da prática médica e a formação irregular de profissionais com tendência a desvalorização dos achados semiológicos e a supervalorização da solicitação de exames laboratoriais tornou-se um verdadeiro problema de saúde pública.

A maior causa de aumento nos gastos em saúde, sem dúvida, resulta da incorporação de refinamento diagnóstico em exames laboratoriais, muitas vezes desnecessários. Nos Estados Unidos, o National Health Found, em 2012 estimou um gasto de 16 bilhões de dólares em exames complementares de pacientes de média e alta complexidades, internados ou não, e sem dúvida este número só aumenta.

O uso excessivo de testes laboratoriais e exames diagnósticos é particularmente comum nas unidades de terapia intensiva. Fato esse, atribuído à complexidade dos pacientes, à necessidade de um diagnóstico rápido e preciso e, porque não dizer, às questões culturais e psicológicas dos intensivistas. O medo de processos, de represálias de familiares, gestores e até de outros médicos, nos torna cada vez mais "laboratoristas" do que realmente médicos.

Uma pesquisa conduzida na Universidade de Campinas com pacientes internados e ambulatoriais mostrou a alta incidência de pedidos de exames que não possuíam alterações. Em números: 56% em pacientes internados e 70% em pacientes ambulatoriais. Obviamente, em um país como o nosso, com tantas diferenças em recursos destinados aos cuidados em saúde, a tendência nos faz pensar que em lugares com mais estrutura e recursos tecnológicos esses números venham a ser maior. Porém, estudos desse tipo ainda são escassos por aqui.

Um estudo interessante, publicado em 2107 na revista Chest, instituiu a utilização de um protocolo de coleta de gasometria arterial como uma estratégia educacional na equipe das unidades de terapia intensiva, coletando gasometria arterial somente a cada mudança clínica aguda do paciente e previamente a decisão médica de qualquer intervenção associada a mudança de quadro clínico.

Dessa forma houve redução em quase 50% da coleta de gasometrias arteriais. Resultando em redução de custos totais em UTI, perdas sanguíneas e em ausência de impacto negativo nas condução das alterações clínicas dos pacientes. Sendo assim, vários guidelines e protocolos vêm surgindo para conter essa enxurrada de solicitação de exames, muitos deles sem necessidades .

É imprescindível hoje, no contexto de redução de custos e na busca de investimentos que realmente importam para melhora os cuidados dos pacientes, que mais estudos divulguem práticas racionais na utilização de exames complementares. O empenho da equipe médica em desenvolver protocolos que ajudem e conscientizem o time de profissionais envolvidos na assistência ao paciente também é fundamental. Não só em UTIs, mas em todo processo de cuidados da saúde.

Nunca fez tanto sentido resgatar o olhar semiológico ao doente, a visita à beira do leito, a observação atenta aos detalhes na história clínica para a tomada de decisão mais acertada aos nossos pacientes.

 

Para acompanhar mais textos como este, siga a Dra. ROBERTA FITTIPALDI e as tags TERAPIA INTENSIVA e PNEUMOLOGIA

 


Referências:

  • JAMA Intern Med 2017 Nov 13. Andrew S. Parsons, MD, MPH reviewing Valencia V et al.
  • Chest. 2017 An Educational Intervention Optimizes the Use of Arterial Blood Gas Determinations Across ICUs From Different Specialties: A Quality-Improvement StudyMartínez-Balzano CD et al.

 


Curso de Ventilação Mecânica Online com Dra. Roberta Fittipaldi

Roberta Fittipaldi é colaboradora da Academia Médica e professora do curso Ventilação Mecânica Online, uma um curso para se manter atualizado e ainda aprender de vez Ventilação Mecânica, com o intuito de melhorar a qualidade e segurança do paciente, intensivo ou não, que necessita de suporte ventilatório. 
É também doutora em Ventilação Mecânica pela FMUSP, especialista em Educação Medica pela Harvard TH Chan e médica intensivista das UTIs respiratórias do HIAE e Incor.

Quer participar do Curso que ela lidera? Clique aqui!

 

Academia Médica
Roberta Fittipaldi Palazzo
Roberta Fittipaldi Palazzo Seguir

Medica pneumologista Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Professora da Pós graduação em Terapia Intensiva HIAE. Cursando doutorado em Pneumologia FMUSP. Médica Assistente UTI Respiratória FMUSP.

Ler conteúdo completo
Indicados para você