[ editar artigo]

Ministério da saúde admite viabilidade para carreira de estado para médicos

Ministério da saúde admite viabilidade para carreira de estado para médicos

Para a classe médica esta proposta é a que realmente poderia interiorizar o profissional nas regiões mais longínquas do país. Ter o MS discutindo tal assunto, com certeza nos cria esperanças.

Ministério da saúde admite viabilidade para carreira de estado para médicos

Uma das soluções para a má distribuição dos médicos pelo Brasil, a criação de uma carreira de Estado para o médico do Sistema Único de Saúde (SUS), pode ser realidade ainda este ano. O secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), Mozart Sales, deu este informe ao Conselho Federal de Medicina (CFM), durante sessão plenária realizada nesta quarta-feira (20). Durante o encontro, o gestor do Ministério da Saúde também assistiu à apresentação dos resultados do estudo Demografia Médica no Brasil 2, o qual classificou como "fundamental" para entender o atual cenário da força de trabalho disponível. "Ainda não vislumbramos a construção de uma carreira federal para os médicos, mas já discutimos no Ministério como induzir a criação de carreira de abrangência intermunicipal ou regional na atenção básica, numa articulação entre estados e municípios, com suporte do Governo Federal", explicou Sales. De acordo com o secretário, esse processo aconteceria por meio de seleção pública, com possibilidade de gratificação e de reconhecimento pelas diferenças de localização, com premiação ao desempenho e avaliação, inclusive, da qualificação e da formação dos profissionais. "Lançamos recentemente um edital de convocação para projetos de planos de cargos, carreiras e salários e, além disso, trabalhamos com algumas experiências estaduais – especialmente as da Bahia, Distrito Federal e Pernambuco –, as quais queremos que sejam implementadas ao longo de 2013", completou. Mozart Sales se comprometeu a, futuramente, dar mais informações e debater a proposta com o CFM. Demografia Médica – Na conversa com os conselheiros, o secretário elogiou o segundo volume do estudo Demografia Médica no Brasil. "Para que formulemos políticas públicas com exatidão, é preciso ter dados que nos instrumentalizem e essa iniciativa nos ajuda muito. Com certeza esta pesquisa traz elementos que serão analisados, confrontados e complementados com informações que o próprio Ministério da Saúde está produzindo sobre a força de trabalho no SUS", disse Sales, acompanhado do secretário adjunto da SGTES, Fernando Menezes. O coordenador-geral da Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (Denem), Vinícius Neves, que também participou da reunião, ressaltou a seriedade e a qualidade do estudo. "São dados realmente interessantes, especialmente os que tratam das escolas médicas". Na oportunidade, também foi discutida a abertura de novas escolas médicas. Os representantes do Ministério da Saúde alegaram que os novos critérios do Ministério da Educação para a abertura de cursos de medicina, anunciados em fevereiro, deverão direcionar a formação de profissionais para os vazios assistenciais. "Tivemos a coragem de fechar o balcão de negócios para as escolas médicas", afirmou o secretário da SGTES, admitindo que os interesses econômicos e políticos de alguns grupos prevaleceram durante anos. O presidente do CFM, Roberto d’Ávila, também elogiou a iniciativa do MEC, a qual considerou um avanço histórico ao tornar o processo mais transparente e criterioso. No entanto, ele lembra que o estudo Demografia Médica no Brasil 2 demonstrou que a abertura de escolas médicas no interior não confirmam a expectativa de fixação dos médicos ali graduados. Além disso, declarou que "é preciso pensar na qualificação do corpo docente para o interior de alguns estados e, além disso, garantir acesso dos estudantes a hospitais de ensino com infraestrutura adequada". Além da criação de uma carreira de Estado para o médico no SUS, os conselheiros do CFM defenderam uma política de interiorização da assistência em saúde para garantir a fixação de profissionais nas áreas de difícil provimento. Também acreditam grande parte dos problemas do Sistema passa pelo subfinanciamento. No Brasil, embora a rede pública atenda potencialmente a toda população, os gastos dos governos federal, estadual e municipal representam apenas 44% do financiamento total da saúde. Mais sobre o assunto:

Fonte : CFM Mais sobre o assunto:

Plano de carreira estatal para médicos?

Panorama da profissão desanima médicos e estudantes de medicina

 

Apenas à beira do abismo evoluímos

 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você