[ editar artigo]

Novembro azul: informações sobre o câncer de próstata

Novembro azul: informações sobre o câncer de próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais importante relacionado à saúde do homem, perdendo apenas para o câncer de pele não melanoma. Em 2018, cerca de 68.220 novos casos foram registrados em solo brasileiro segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Ainda analisando as estatísticas, o Sistema de Informações de Mortalidade - SUS (SIM) demonstrou que, em 2017, 15.391 homens pelo Brasil perderam a vida para uma doença com altas chances de cura quando diagnosticada e tratada em sua fase inicial, podendo chegar a cerca de 90%.

Abrangente, exigente e sempre muito interessado em informações úteis, o nosso fiel leitor aqui da Academia sempre está atento às novidades e foi pensando em VOCÊ, leitor, que escrevi este texto. A minha função como acadêmico é proporcionar à comunidade os conhecimentos que obtenho para que ela possa ter informações que ajudem perante as situações que envolvem a saúde pública no dia-a-dia.

 

Mas o que é a tal da próstata mesmo?

A próstata é uma glândula exclusiva masculina que se localiza na parte baixa do nosso abdômen, logo em baixo da bexiga. Sua forma é parecida com uma maçã e envolve uma parte da uretra masculina, secretando uma parte do sêmen que, somado aos espermatozoides produzidos no testículo, constituem o produto da ejaculação.

 

Quais são alguns dos fatores que podem aumentar o risco do câncer de próstata?

1) IDADE: a idade sim, pode ser um fator de risco, especialmente naqueles que possuem mais de 50 anos, a partir da qual se registra um aumento significativo no número de casos.

2) CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS: pacientes que possuem parentes, especialmente os de primeiro grau, como irmão ou pai, que tiveram o desenvolvimento do câncer antes dos 60 anos, devem ser observados mais cautelosamente.

3) HÁBITOS E ESTILO DE VIDA: aqui temos outro fator de peso, pois hábitos e estilo de vida, principalmente falando na louca e estressante vida dos grandes centros urbano, têm peso significativo na avaliação do paciente e no risco relativo ao desenvolvimento da doença.

4) OBESIDADE: repare que este é um fator tão importante, que está separado de hábitos e estilo de vida. Isso se deve ao fato que o excesso de gordura corporal tem relação uma certa com o câncer de próstata, sendo um importante fator de risco no possível desenvolvimento da doença.

5) EXPOSIÇÃO AOS POLUENTES: quando o paciente se encontra frequentemente exposto a poluentes como o arsênio (utilizado nos agrotóxicos), derivados do petróleo (escapamento de veículos), dentre outros. Isso pode também ser um fator de alerta para o desenvolvimento não apenas do câncer de próstata, mas de outros tipos como o de pulmão, por exemplo.

 

Sintomas e diagnóstico

Algo importante é falar sobre os sintomas, pois eles, na fase inicial, não se apresentam de forma tão evidente, ou seja, o câncer de próstata pode ter uma evolução silenciosa em sua fase inicial. Agora, quando a doença evolui para fases mais distantes, podemos encontrar sintomas como a dificuldade em urinar ou a redução no jato da urina, sangue na urina e outros sintomas associados. 

Portanto, é vital buscarmos ajuda médica quando necessário.
Crie o hábito de tirar todas as suas dúvidas com os profissionais da saúde.

Quanto ao diagnóstico da doença destacamos dois fatores: o toque retal e a análise do PSA (ou Antígeno Prostático Específico. A sigla vem do inglês "Prostatic Specific Antigen").

O toque retal tem como objetivo avaliar a anatomia da próstata objetivando buscar se ela está alterada podendo estar aumentada, observar se existem nódulos ou anormalidades que possam indicar sinal de perigo. Já o PSA pode ajudar como uma avaliação geral, nunca como diagnóstico fechado, pois existem homens com os níveis de PSA normais e que podem ter um tumor em evolução.

Por isso, vamos definir uma coisa clara:
É de fundamental importância o diagnóstico preciso com uma ajuda que vai além desses dois exames citados anteriormente.

A biópsia da próstata é o único procedimento que pode confirmar a existência do câncer, além de que, sempre quando necessário, o médico também pedirá auxílio de exames de imagem para fundamentar sua decisão clínica. Portanto, só PSA e toque retal podem não ser conclusivos sobre a possibilidade da existência do câncer, cabendo ao médico também recorrer à biópsia, tomografia e ressonância, por exemplo, quando necessitar de uma análise com mais dados.

 

Tratamento

Para uma doença local e não avançada, que só afetou a próstata e não evoluiu para outros órgãos, tratamentos como a cirurgia, a radioterapia e até a observação (em casos especiais) podem ser adotados como plano de tratamento.

Para uma doença que ainda é local, mas está em estágios mais avançados, a radioterapia ou o método cirúrgico com auxílio do tratamento hormonal podem ser uma saída.

Para as situações nas quais a doença conseguiu atingir outros locais do organismo, o tratamento a base de terapia hormonal pode ser utilizado.

 

Para finalizar, um recado: as informações que trago ao amigo leitor tem como referência o INCA (Instituto Nacional de Câncer). Para mais informações acesse: inca.gov.br, na aba à esquerda clique em "Tipos de câncer" e depois "Próstata".

O site também conta com uma versão voltada especificamente aos profissionais da saúde com informações mais detalhadas. Até breve!

 


Gostou desse artigo? Queremos saber a sua opinião.

Comente no espaço abaixo para nos enviar seu comentário ou clique em "NOVO POST" para escrever sue artigo para a comunidade Academia Médica.

Academia Médica
Gabriel Couto
Gabriel Couto Seguir

Aluno do Curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná. Gosta de ouvir em primeiro lugar e de ser ouvido e, quem sabe, futuro oncologista.

Ler matéria completa
Indicados para você