[ editar artigo]

O caminhar do ensino médico no Brasil

O caminhar do ensino médico no Brasil

Ao começar minha leitura diária dos jornais na manhã de hoje deparo-me com um texto do atual Ministro da Saúde do Brasil , Artur Chioro.

Em tom ufanista e peculiar a todo integrante deste Governo populista, o texto para a seção "Opinião" da  Folha copia o mesmo já dito por Padilha e Dilma durante este 1 ano de Mais Médicos. Ou seja, Blablablás que não dizem em que condições querem criar as mais de 11 mil vagas nas faculdades de medicina e nas Residências Médicas. Leia este texto AQUI.

Abaixo trago o texto do professor Antonio Celso Nunes Nassif, publicado no número corrente da Revista do Médico Residente. O Doutor Nassif, há anos pesquisa a explosão do número de escolas médicas no país e a recorrente incapacidade do MEC em avaliar e controlar a formação médica. Diferentemente das atitudes impostas pelo tal governo, sua análise é pautada sim na transparência dos erros e na propagação das escolas caça-niqueis, que aumentaram exponencialmente nestes últimos 12 anos. O Texto a seguir integra o Editorial do atual número da Revista do Médico Residente.

O caminhar do ensino médico no Brasil

Antonio Celso Nunes Nassif*

Ex- professor adjunto e livre docente da UFPR. Foi presidente da Associação Médica Brasileira.

"A esperança enxerga o invisível, sente o intangível e alcança o impossível"

A década de 60 foi marcada por uma posição política inconsequente que atingiu, deliberadamente, o ensino médico, com suas repercussões desastrosas no exercício da profissão.

Eram 29 as escolas de medicina no país, passando a 73 em 1971. Ao mesmo tempo, nas escolas mais antigas, o número de vagas, praticamente, dobrava chegando a quase 9.000. No governo Collor, o então ministro Carlos Chiarelli “conseguiu” aumentar em 10% o número de vagas nos cursos superiores. Isto significou aproximadamente mais 800/ano, ou, se quiserem o equivalente à criação de 10 cursos de medicina com 80 vagas.

Ainda mais, na última semana da presidência de Itamar Franco, seis universidades novíssimas foram criadas, dezenas de cursos foram autorizados e credenciados. Assim, em fins de 1999 nosso país esbanjava 101 escolas médicas.

É como afirmou o senador Darcy Ribeiro: “O Brasil é o único país do mundo que permite ao sujeito criar uma escola – como uma padaria ou açougue – para ganhar dinheiro”.

E nos dias de hoje, ao que tudo indica, a medicina e os médicos brasileiros caminham “ladeira abaixo”. O MEC, só neste inicio de século autorizou a criação de 128 novos cursos colocando nosso país, com 229 escolas médicas, no segundo lugar do ranking mundial perdendo apenas para a Índia (381), mas, deixando para trás a China com 150 e os EUA com 141 escolas médicas.

Em 1988, no Parecer N.SR-78, o então Consultor Geral da República Saulo Ramos escreveu: “A educação, direito de todos e dever do Estado, não pode ser transformada, sobretudo nos cursos superiores, em simulacro diplomado. A sociedade deseja médico que saiba medicina, que se tenha preparado cientificamente para cuidar da saúde do povo e que não seja, pela precariedade do ensino improvisado na industrialização de diplomas, uma ameaça à vida do paciente, assim como o advogado mal formado é ameaça ao patrimônio e à liberdade individual, e o engenheiro, sem curso sério, é candidato a construir obras que desabarão.”

Pelos favores políticos feitos a alguns é que nos estão saindo médicos fabricados no afogadilho de fins de semana, médicos sem a residência em escolas que não contam com hospitais; médicos - o que é sumamente grave - a quem se confere um diploma pela simples quitação das mensalidades para com as respectivas "faculdades". Não se fala, por exemplo, sobre a ausência de habilitação do médico, que é mal muito maior para a sociedade. Por esses favores é que hoje se distribui a incompetência, a irresponsabilidade e o descaso pela vida humana.

Inexiste, no atual governo, a determinação política para o cumprimento de uma exigência mínima: o respeito pelo papel social do médico, a reclamar o máximo de escrúpulo na qualificação, e uma pequena dose de pudor, diante desse desajuste entre faculdades de Medicina em excesso e carências de saúde em constante aumento e deterioração.

O que não se pode permitir é o desabamento da estrutura do ensino brasileiro, com a criação de cursos de medicina sem mínimos recursos, sem hospital na região, sem corpo docente, sem estrutura adequada. O dever do Estado é ministrar a educação e, no curso superior, assegurar o conhecimento científico que irá, efetivamente, beneficiar a comunidade. “O simples diploma não cumpre esta finalidade, antes, seria um estelionato contra a sociedade e uma grave lesão à teologia constitucional”.

A Revista do Médico Residente é uma publicação aberta do CRM-PR, dirigida pelo Doutor João Carlos Simões, da qual tenho o prazer de integrar o corpo editorial.

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você