[ editar artigo]

O Exame de Ordem para Medicina será realidade?

O Exame de Ordem para Medicina será realidade?

Por Emerson Wolaniuk

A discussão mais acalorada do COBEM 2012, até agora, ocorreu nesta manhã, no Auditório Rebouças. O tema do debate foi "A avaliação do egresso pelo CREMESP" e contou com o Dr. Renato Azevedo, presidente do CREMESP, o Dr. Maurício Braz Zanolli, coordenador da regional de São Paulo da ABEM, Dr. Carlos Vital Corrêa, vice-presidente do CFM e Klaus Nunes Fisher, representando o Direção Executiva Nacional de Estudantes de Medicina - DENEM.

O presidente do CREMESP, Dr. Renato Azevedo, iniciou seu discurso dizendo de antemão que "um exame de ordem deve ser decidido pela sociedade e levado ao Congresso Nacional e requer uma grande transformação nas leis que regulamentam a profissão. Isso está longe de acontecer."

Em 2005, o CREMESP realizou o primeiro exame, que não tinha caráter obrigatório. Hoje, sete anos depois, o exame tem caráter obrigatório de ser realizado para que se obtenha a licença para exercer a profissão. Não é um exame classificatório e nem é necessária a aprovação nele para poder trabalhar como médico, é preciso apenas realizá-lo. O que movimenta a polêmica é o fato de que um teste como esse, ao final do curso e simplista, não tem a capacidade de avaliar de forma fidedigna a situação dos novos profissionais e também não proporciona melhorias ao ensino médico.

Renato Azevedo expôs sua análise em relação aos principais problemas encontrados nas escolas médicas do Brasil: projetos pedagógicos inadequados, corpo docente insuficiente e despreparado, campo de ensino sucateado, turmas com grande número de alunos, ausência de vagas de residência médica para todos, escolas que cobram até 8 mil reais de mensalidade e não retornam o serviço em forma de ensino de qualidade e a ausência de avaliação eficiente dos alunos de medicina pelas faculdades.

Em relação à cobrança de altas mensalidades e o atual panorama da educação médica, ele falou que:

"O que as escolas têm feito é uma espécie de estelionato, em que altos valores têm sido cobrados e o serviço não tem sido oferecido. Nesse sentido, o governo precisa intervir." - Renato Azevedo - CREMESP

Azevedo acrescenta ainda que há um lobby das universidades particulares junto ao MEC para aprovação de cursos de medicina feito em cima de projetos pedagógicos terceirizados, visando a criação de cursos rentáveis. Uma clara mercantilização do ensino e da saúde.

O exame

Ele é composto de 120 questões nas áreas de pediatria, ginecologia e obstetrícia, clínica médica, clínica cirúrgica, saúde coletiva e epidemiologia, saúde mental, ciências básicas, bioética e ética médica. O exame tem caráter obrigatório para a obtenção de registro no estado de São Paulo. É feito pela entidade Carlos Chagas e não tem função classificatória, visando unicamente avaliar o conhecimento dos egressos. No último exame, o índice de candidatos considerados "inaptos" foi de 46,5%, segundo Azevedo, que diz que e a prova demonstrou que existem ineficiências no ensino médico. O CREMESP considera aprovado aquele que acerta mais de 60% da prova.

Em relação à obrigatoriedade, ele diz que o exame voluntário tem suas limitações, por isso o caráter compulsório da prova foi instituido a partir de agora. Esse exame teria, segundo o presidente do CREMESP, duas funções básicas:

1. Avaliar com dados objetivos o atual estado da formação médica em São Paulo.

2. Provocar discussão na sociedade brasileira sobre a formação médica no Brasil.

O coordenador regional de São Paulo da ABEM - Associação Brasileira de Escolas Médicas, Maurício Zanolli, protagonizou o outro lado dessa discussão, dizendo que instituir a obrigatoriedade à realização do exame vai contra os princípios democráticos. Ele mostrou dados que mostram um aumento de 32% no número de médicos de 2001 a 2011 e um aumento muito maior no número de processos éticos contra médicos no mesmo período, de 128%. Porém, desbanca esse argumento dizendo que o número de médicos julgados culpados e penalizados caiu de 24% em 2001 para 14% em 2011. Dessa forma, reforçou ele, o que tem acrescido é o acesso à denúncia e não as infrações éticas profissionais. A população tem sido mais pungente em exigir do médico determinadas atitudes e, quando não atendidas, seu caminho de protesto é acessando o CRM. Isso não pode refletir o declínio da qualidade da medicina, não é um parâmetro claro.

"O médico que se forma numa faculdade ruim hoje, ainda é melhor do que aquele se formou na mesma faculdade ruim há 15 anos. O problema é a falta de atualização médica. O exame do CREMESP não fará nada em relação a esse processo." - Maurício Zanolli - ABEM.

Ele completou seu racicínio contrário à implantação do exame dizendo que testes como esse contam a habilidade factual - a memória, e não a habilidade profissional. E defendeu que exames avaliativos devem, sim, ser feitos, mas de maneira seriada ao longo do curso de Medicina, com pelos menos 3 fases, sendo uma delas de atividades práticas. Reforçando seus argumentos, apresentou um artigo do British Journal of Medicine, de autoria de Ceer Van der Vleutem. O autor diz que exames únicos ao final do curso não são capazes de avaliar a real situação do avaliado.

"Deve existir um exame que estimule o estudante a construir conhecimento e não a decorar dados para responder a uma prova." - Maurício Zanolli - ABEM

Os estudantes foram representados por Klaus Nunes Fisher, do DENEM. Ele disse que "o exame do CREMESP é uma prévia do exame de ordem". Analisando a progressão do exame, de 2005, quando era voluntário, a 2012, sendo já obrigatório, sugere que a progressão natural desse processo seria a criação do exame de ordem para medicina e que não estamos longe disso. Sobre as demandas da educação médica, referiu que:

"É necessária uma atuação mais assertiva do MEC em relação à abertura de escolas médicas. (...) É importante avaliar as escolas continuamente, devendo serem cobradas e punidas, mas terem também o direito de corrigir suas deficiências. As entidades médicas precisam se posicionar para melhorar as condições de trabalho médico e o governo precisa cumprir seu papel em avaliar a educação. " - Klaus Fisher - DENEM

O vice-presidente do CFM, Carlos Vital Corrêa Lima, quando questionado a respeito do exame do CREMESP e à possível união das entidades nesse sentido, foi pontual:

"O CFM não aprova esse projeto de união."

Leia AQUI a matéria que trata da instituição do exame para egressos de medicina.

Acompanhe os melhores momentos do COBEM 2012 no Academia Médica!

 

 

 

 

Academia Médica
Emerson Wolaniuk
Emerson Wolaniuk Seguir

Médico Responsável Técnico do Instituto Qualis - Curitiba, centro de referência no tratamento da obesidade e qualidade de vida, medicina preventiva e no processo de reprogramação de vida. Ganhador do Premio Inova Saúde PR 2017 de gestão em saúde.

Ler matéria completa
Indicados para você