[ editar artigo]

O médico também tem necessidades biopsicossociais. Chega de pensar o contrário.

O médico também tem necessidades biopsicossociais. Chega de pensar o contrário.

Nota do editor: texto publicado originalmente em: 14 de maio de 2019.

O sacerdócio sempre foi visto como motor do médico. Ter a capacidade de ajudar as pessoas nos seus momentos de maior desespero, incertezas e miséria pessoal, sempre foi e sempre será a atividade do médico. O alarde da visão de que o médico deve se doar integralmente para a profissão, entretanto, pode gerar uma péssima qualidade de vida ao profissional que sabe muito bem promover uma melhor qualidade de vida para as pessoas. 

A saúde dos profissionais do cuidado é um problema sério no mundo inteiro, não apenas aqui no Brasil. Os níveis de burnout nos profissionais que assistem os doentes é altíssimo. Na medicina é ainda pior (médicos têm índice de suicídio até 4x maiores que os restantes dos profissionais) e isso tem que ser mudado. Não se pode esperar que um profissional doente, desenvolva o melhor de sua capacidade junto ao seu cliente. 

Pensando nisso, a Comissão de Integração do Médico Jovem do Conselho Federal de Medicina, da qual eu faço parte, montou o 4º Fórum do CFM no intuito de apresentar os problemas que os médicos jovens (10 anos de formado ou até 40 anos de idade) enfrentam no estabelecimento de suas carreiras e da construção de sua realização profissional e pessoal. 

O fórum foi inovador como discutiu os seguintes temas:

  • A saúde mental do médico jovem
  • O médico como empreendedor 
  • A relação do médico com as novas tecnologias 
  • A carreira médica 

A metodologia utilizada foi mista. Pela manhã do primeiro dia foram dadas as palestras de médicos especialistas nos temas propostos. Representantes de todo o Brasil assistiram as palestras que embasaram a prototipação de serviços que podem facilitar a vida do médico. A metodologia do design de serviço foi utilizada para que os participantes co-criassem suas soluções embasadas no que foi exposto.

Ao incluir todos os participantes na criação de novas soluções para a vida do profissional médico, pudemos notar um engajamento bastante grande dos mais de 300 participantes do Fórum.

Ao término, redigimos a Carta de Teresina, um marco para o médico brasileiro, que deve ser visto como um profissional, dotado de direitos civis, sociais e trabalhista e que tem necessidades de realização pessoal, científicas, biológicas, que influenciam diretamente na sua saúde.

Confira na íntegra a Carta de Teresina 

CARTA DE TERESINA

O IV Fórum de Integração do médico Jovem, realizado em Teresina, no estado do Piauí, nos dias 8 e 9 de maio de 2019, reuniu mais de 300 pessoas, entre elas médicos e futuros médicos de todo o país, que buscam discutir os caminhos e desafios na jornada de integração e vivência do médico jovem.

Considerando o crescente número de egressos das faculdades de medicina; a expectativa de acrescentar anualmente 35 mil novos médicos aos mais de 450 mil já atuantes no país; a negligência e omissão governamental sobre padrões mínimos formativos; e a percepção distorcida da sociedade civil que muitas vezes não reconhece o médico como dotado de  mínimos direitos civis e trabalhistas, acarretam em adoecimento de muitos colegas médicos.

A epidemiologia dos problemas decorrentes desse cenário demonstra uma maior taxa de adoecimento do médico quanto a transtornos mentais/depressivos maior que os demais trabalhadores. Frente a isso, é fundamental que o médico tenha condições para buscar uma vida plena, com vigilância e autocuidado frente à qualidade vida, atividade física, interação social, alimentação e sono saudável, manuseio do estresse e uma rede de apoio. Vale lembrar que em situação de vulnerabilidade, qualquer profissional limita a sua capacidade de exercer a sua função social.

Durante o fórum também foi discutida a necessidade de ter o médico como um empreendedor, capaz de criar tecnologia e ferramentas que influenciam o exercício da medicina e proporcionam melhores condições de acesso à saúde, prevenção, qualidade de vida individual e coletiva. Para tanto, devem ser estimuladas as iniciativas que levem conhecimentos complementares, como: gestão de pessoas, contratos, finanças, gerenciamento e produtividade, que permitirão ao médico condições de ter maior realização de vida profissional, científica e pessoal.

O IV Fórum do Médico Jovem reitera a necessidade de criação de Comissões de Integração dos médicos jovens em todos os 27 Conselhos Regionais Medicina do País, para que estas questões sejam também discutidas e resolvidas em âmbito regional.

Teresina, 9 de maio de 2019


Não deixe de comentar logo abaixo o que achou desse texto e do conteúdo da Carta de Teresina. Conto com vocês para levar também as suas necessidades como médico à comissão do médico jovem. 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você