[ editar artigo]

O processo de Prochaska e DiClemente

O processo de Prochaska e DiClemente

Desde que o mundo é mundo, os seres humanos passam por mudanças, sejam elas evolutivas, físicas, psicológicas ou comportamentais.

Durante esse momento de quarentena que estamos vivendo, o simples fato de termos diminuído nossa correria diária (com exceção dos profissionais que estão como linha de frente para o tratamento e contenção do COVID-19, e a eles, toda a nossa gratidão!), muitas pessoas estão tendo tempo de fazer uma autorreflexão, se conhecer mais, avaliar coisas positivas e negativas do seu entorno, e de seus comportamentos.

Diante disso, para que ocorra uma mudança em nossos comportamentos, é preciso passar por estágios de motivação, que foram descritos pelos psicólogos James Prochaska e Claro DiClemente no ano de 1982. Eles elaboraram o Modelo Transteórico de Mudança (MTT), que visa compreender como ocorre a mudança de uma determinada conduta viciante.

As redes sociais e outras mídias têm tomado grande parte do nosso dia a dia, principalmente dos acadêmicos que estão sem aulas ou que estão com aulas online e/ou com com carga horária diminuída.

E com esse tempo, muitas vezes ocioso, conseguimos avaliar muitas atividades que não fazemos, como por exemplo, exercícios físicos. Atualmente o comportamento e as atitudes para uma vida mais saudável têm sido amplamente divulgados, o que é ótimo! A maioria das pessoas sabe da importância e dos benefícios que a atividade física e uma alimentação equilibrada.

Um dos pontos mais importantes a ser evidenciado é que a população, nas ultimas décadas, principalmente a população brasileira, está em processo de envelhecimento, e junto a esse fato há a mudança na exposição a fatores de riscos relacionados às doenças crônicas não transmissíveis, principalmente as doenças cardiovasculares[3].

As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte e incapacidade na maioria dos países. Possui origem multifatorial e fatores não-modificáveis, como idade, sexo e individualidade biológica; e também, fatores modificáveis, relacionados ao estilo de vida, como tabagismo, inatividade física, consumo abusivo de substancias como álcool, e consumo alimentar inadequado.

No Brasil, os fatores modificáveis são responsáveis por 80% dessas comorbidades [3].

Além das mudanças relacionadas à saúde física do corpo, outras são relacionadas aos diferentes hábitos, também estão fazendo parte da nossa nova rotina, como por exemplo: leitura, cozinhar receitas novas, meditação, aprender uma dança, atividades manuais como crochê, e no meu caso, aprender inglês (já escrevi a importância do conhecimento deste idioma, acesse por aqui).

Esse momento de autoconhecimento e reflexão nos possibilita criar um leque de oportunidades novas, e com isso é preciso entender como ocorre psicologicamente essas mudanças.

Dentre todas as mudanças, a estabilidade psicológica é uma condição muito cobiçada por todos, principalmente no caso dos acadêmicos. O ingresso na faculdade gera tanto desafio e quanto dificuldades, o que acaba afetando diretamente a saúde psicológica dos alunos.

A faculdade exige muitas habilidades e muita cobrança sobre ser bem sucedido, alcançar notas boas e fazer um currículo ímpar. Toda essa adaptação é desafiadora, e o sofrimento e adoecimento psicológico nos acadêmicos acabam sendo destaque [4].

Por isso que nesse momento, entender e pesquisar sobre meios de diminuir a ansiedade e outras comorbidades psiquiátricas, é um bom método para aproveitar a quarentena e preparar seu psicológico para as dificuldades vivenciadas na trajetória universitária.

Claro que não é só na faculdade que essas alterações fazem-se presente. No meio profissional, o estresse e a correria diária, metas a cumprir, carga horária exaustiva e outros agravantes, também corroboram com danos psicológicos. Frente a isso tudo, a importância do autoconhecimento e da busca por mudanças que podem contribuir na qualidade de vida, é essencial.

Quem nunca ouviu um conhecido dizer: “a terapia mudou minha vida, faça!”. Acredito que muitos já se depararam com essa situação. Eu mesma fiz por um bom tempo, e sei que me ajudou muito a controlar a ansiedade, medos e angústias. Além disso, contribuiu para a minha aprovação tão sonhada no vestibular.

Para tal mudança comportamental, é preciso que a pessoa passe por estágios. O tempo em que cada um precisa para evoluir de um estágio para outro é dinâmico e individual, porém, as tarefas que devem ser realizadas, não.

É como se as pessoas devessem passar por uma “roda da mudança”, e o indivíduo devesse ir girando ao redor dessas etapas, várias vezes, para que assim alcance uma mudança estável.

Além de ser usado para modificação do comportamento, o MTT pode ser usado e tem grande potencial benéfico para a organização da vida diária [2].

 

ESTÁGIOS DE MUDANÇA

-Pré-Contemplação: o indivíduo não tem intenção de mudança e não tem consciência de que tem um problema. Por exemplo: ele não aceita que tem um vício. Para que ele possa evoluir para a próxima fase, ele precisa reconhecer seu problema e aumentar a consciência com relação aos seus aspectos negativos.

-Contemplação: nessa etapa, o indivíduo já tem consciência de quem tem um problema e está pensando em superá-lo. Porém, ainda não houve um compromisso em tomar medidas. Ele está começando a se preocupar com seu problema e se questionar. Começa pensar mais nos aspectos negativos e positivos sobre a mudança.

OBSERVAÇÃO:

Durante os estágios de pré-contemplação e contemplação é preciso que o indivíduo passe por processos cognitivos de mudança. Para isso, um psicólogo que vai intervir nessa mudança, precisa promover a problematização da situação, e para isto, ele faz uso dos seguintes processos cognitivos:

  • Conscientização: sensibilizar o problema através da observação, confrontação, interpretação, feedback e materiais informativos.
  • Catarse: nesse momento, o profissional estimula e capacita o indivíduo para experimentar a expressar seus sentimentos sobre os problemas.
  • Avaliação Socioambiental: avaliação sobre como o problema afeta um ambiente físico.
  • Auto Avaliação: abordagem com foco em como o indivíduo se sente e pensa sobre si mesmo, a respeito de seus comportamentos.
  • Liberação Social: focada em aumentar o leque de alternativas para comportamentos não problemáticos.

-Preparação: momento em que já ocorre pequenas mudanças comportamentais, e o indivíduo se apresenta pronto para mudança, e com isso as atitudes e comportamentos o levam a buscar uma ajuda, seja por si mesmo ou profissional.

-Ação: já há mudança no comportamento, experimentos e ambientes, cujo objetivo é superar seus problemas. As mudanças são mais evidentes, e exigem compromisso de tempo e energia.

-Manutenção: momento de prevenir recaídas e de consolidação dos ganhos adquiridos durante toda a ação.

-Recaída: esta etapa encerra o estágio de ação ou manutenção e ocorre um movimento cíclico de volta, através de estágios iniciais como pré-contemplação ou contemplação.

-Término: o problema pode não ter desaparecido completamente e ainda pode haver recaídas. Ao chegar nesta etapa, não importa a situação que o indivíduo enfrente, ele não irá ceder à tentação de retornar ao comportamento antigo.

Enfim, seja através de terapia, ou individualmente, buscar a mudança que você quer para melhorar sua qualidade de vida é essencial!

Aproveite este tempo para fazer algo que sempre quis, mas que não tinha tempo, ou para aprender um novo idioma, meditar e praticar exercícios em casa ( há diversas vídeo-aulas na internet que ensinam atividades para serem feitas em casa, mas lembre-se de respeitar seu limite e a qualquer sinal de dor, interrompa o exercício imediatamente).

A Organização Mundial da Saúde, define a saúde como:

“um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”

Seja através da terapia, ou algo do seu jeito, tudo é válido quando queremos buscar a mudança nas nossas vidas.

 

“Seja a mudança que você quer ver no mundo” - Mahatma Gandhi

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 175 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências Bibliográficas

  1. LIMA, Ivanildo Inacio de. Modelo Transteórico de aconselhamento (MTT) no período de pré-adaptação de Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI). 2011. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.
  2. SUSIN, Nathália. O modelo transteórico de mudança aplicado às organizações. 2015.
  3. FERRARI, Tatiane Kosimenko et al. Estilo de vida saudável em São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00188015, 2017.
  4. RAMOS, Fabiana Pinheiro et al. Intervenções psicológicas com universitários em serviços de apoio ao estudante. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 19, n. 2, p. 221-232, 2018.

 

Academia Médica
Lara Gandolfo
Lara Gandolfo Seguir

Acadêmica de Medicina em Pato Branco-PR, no Centro Universitário de Pato Branco-UNIDEP medicina por amor...pela cura...pela vida!❤

Ler matéria completa
Indicados para você