[ editar artigo]

Os médicos são humanos, não heróis

Os médicos são humanos, não heróis

O texto a seguir foi adaptado do blog KevinMD e é de autoria da Dra Jordana Rothschild que é especialista em medicina preventiva nos EUA. Esperamos que você aproveite a ótima reflexão que ela fez.

Todo mundo morre. E os médicos não podem mudar essa realidade.

Mas criamos um sistema em que levamos as pessoas a acreditar que a imortalidade é possível. Esperamos respostas claras às questões de saúde. Fomos treinados para procurar questões de múltipla escolha com uma chave de resposta que nos indica as soluções corretas. Como médicos, espera-se que sejamos sobre-humanos e altruístas que sempre sabem as respostas e se sacrificam para beneficiar todos os outros. E este sistema que criamos está nos pressionando até nosso ponto de ruptura.

A pandemia da COVID lançou uma luz forte sobre essa expectativa. Quando a pandemia começou, todos esperavam que os médicos, a ciência e a medicina tivessem respostas imediatas e soubessem como agir imediatamente, como o super-herói que salva o dia. O mundo esperava isso de nós e, pior, nós esperávamos isso de nós mesmos.

Mas não é assim que a vida funciona. A vida não tem respostas certas e erradas. Quando esperamos ter as respostas e estamos errados, experimentamos uma profunda sensação de vergonha.

A pesquisadora, Brene Brown, descreve a vulnerabilidade como incerteza, risco e exposição emocional. Ela faz a pergunta: "Estamos dispostos a aparecer e ser vistos quando não podemos controlar o resultado?"

Mas para os médicos, esse tipo de exposição emocional pode nos deixar arrasados ​​e envergonhados quando o inesperado acontece. Sentimos que falhamos com nossos pacientes, com nossos colegas e com nós mesmos. Nós nos vemos como “ajudantes”, como os consertadores. Nosso maior medo é não saber a resposta, errar. E é um medo verdadeiro, porque quando erramos as coisas, as consequências podem ser catastróficas.

Como médicos, somos treinados para acreditar que a medicina tem todas as respostas e que, se fizermos o trabalho de detetive certo, poderemos resolver todos os casos.

Eu também acreditava que, se médicos e pacientes trabalharem juntos, eles poderiam resolver todos os mistérios da saúde. Sempre podemos encontrar o diagnóstico certo, o tratamento certo e a cura certa para que todos possam viver felizes para sempre. Este mundo utópico idealizado está cheio de pacientes gratos elogiando os médicos heróicos.

Mas o que vejo hoje é um mundo onde os médicos estão exaustos, os pacientes perderam a confiança em seus médicos e muitos médicos nem mesmo confiam uns nos outros.

Não estamos apenas cansados, estamos esgotados. Não temos mais nada para dar. E, de alguma forma, quanto mais trabalhamos, menos realizamos.

Mas não é apenas a carga de trabalho que está nos esgotando. Também fomos ensinados a nos distanciar de nossos pacientes e de nosso trabalho.

Estamos acima dos pacientes. Especialistas. Solucionadores de problemas. Nós sabemos todas as respostas e podemos simplesmente consertar tudo.

Passamos por décadas de educação e treinamento para que possamos saber mais do que todos sobre tudo. E sabemos - realmente sabemos muito sobre ciência, medicina e fisiologia humana. Nós tentamos tanto e nos importamos muito. Portanto, quando dizemos a nossos pacientes o que eles precisam fazer para melhorar, isso vem de um lugar realmente bom - um lugar de cuidado, conhecimento e experiência.

O problema é que também estamos quebrados e queimados, e não há ninguém lá para nos consertar.

Por baixo de tudo, não somos super-heróis. Somos apenas pessoas. Pessoas inteligentes, dedicadas, apaixonadas, exaustos, assustados, emocionais, como todo mundo. A realidade é que a vida humana não é um teste de múltipla escolha e não existe uma resposta certa.

Nós nos cercamos de uma armadura emocional. Nós agimos duramente. Escondemos nossos medos com mais e mais fatos científicos. Nós nos afastamos e nos separamos. Ouvimos nossos pacientes, mas escondemos nossos próprios corações atrás de paredes, mantendo bastante distância entre nós e eles.

Damos, damos e damos. Damos nosso tempo, dedicamos nossas vidas e colocamos nossos corações e almas neste trabalho, nunca pedindo em troca um relacionamento de mão dupla. Nem de nossos pacientes e nem de nossos colegas.

Damos, mas não compartilhamos. Em vez disso, nos escondemos atrás de nossa expertise, atrás da ciência, do conhecimento.

O que não percebemos é que nossos pacientes são mais espertos do que nós. A razão pela qual eles não confiam em nós é que percebem que estamos nos segurando. Não compartilhamos e não pedimos ajuda. E um relacionamento unilateral prejudica o receptor tanto quanto o doador.

Acredito que a maneira de trazer significado de volta à nossa prática médica não apenas permitir, mas ativamente encorajar os médicos a se tornarem pessoais e vulneráveis ​​com nossos pacientes e colegas.

Precisamos reconhecer que a prática da medicina não é preta e branca e nem sempre sabemos a resposta. Podemos fazer o nosso melhor, usar todas as nossas habilidades e explorar décadas de pesquisa e as mais recentes ferramentas e conhecimentos científicos para ajudar os pacientes, mas não podemos controlar o resultado.

No final do dia, todo mundo morre. Ninguém consegue viver para sempre. O que significa que, se “consertar” e “economizar” é como medimos o sucesso, então, no final das contas, estamos todos fadados ao fracasso.

Essa visão de nós mesmos como ajudantes está tão arraigada em nossa autoidentidade que, quando somos incapazes de consertar tudo, diminui nosso próprio senso de autoestima.

Em Rising Strong, Brown escreve: “O perigo de vincular sua autoestima a ser um ajudante é sentir vergonha quando você tem que pedir ajuda”.

Recentemente, me reconectei com Jerome, um amigo e colega do meu ano de residência. Como muitos outros médicos, meus anos de residência foram um dos mais difíceis da minha vida, e lutei contra a sensação de inadequação como médica, esposa, mãe e amiga multiplicada pela constante sensação de esgotamento. Lembro-me de olhar para Jerome e pensar que ele não era apenas brilhante e divertido, mas sempre no topo de tudo. Eu estava com ciúmes de como ele parecia administrar tudo com graça e facilidade, e desejei poder ser mais como ele.

Recentemente, ele me disse que, quando pensa em mim durante esse tempo, "Você sempre parecia ter sua vida toda planejada em comparação com tantos de nós que estávamos se debatendo e reclamando."

A verdade é que estávamos todos nos afogando, sozinhos e nos escondendo atrás da imagem da perfeição. Claramente, cada um de nós secretamente pensava que os outros sabiam de tudo. Estávamos com tanto medo de admitir nossa fraqueza ou pedir ajuda, então mantivemos isso para nós mesmos e avançamos confusos, exaustos e infelizes, com medo de sermos julgados por nossa vulnerabilidade.

Quando nos julgamos negativamente por precisar de ajuda, acabamos julgando outras pessoas que também precisam de nossa ajuda.

Nossos pacientes sentem essa corrente de julgamento quando pedem nossa ajuda. Eles não querem enfrentar essa vulnerabilidade porque também se sentem julgados.

Pedir ajuda e enfrentar nossas lutas com honestidade é um sinal de coragem e compaixão. É da natureza humana precisarmos uns dos outros e sentirmos conexão.

Talvez se todos nós estivéssemos um pouco menos blindados, mais vulneráveis ​​e compartilhássemos nossas lutas uns com os outros, nosso grupo de futuros médicos poderia ter se apoiado um no outro para lidar melhor com nosso ano de residência também.

E talvez se aprendermos a aceitar nossa própria vulnerabilidade e nossa própria humanidade, nossos pacientes e colegas estarão dispostos a confiar em nós e uns aos outros e entrar na incerteza junto conosco. Eu realmente acredito que todos nós nos beneficiaremos com relacionamentos melhores, resultando em melhores resultados para os pacientes e menos esgotamento.

Não temos todas as respostas. E assim que aceitamos isso, nossos pacientes também podem. E todos nós podemos aceitar o fato de que somos todos humanos, e a vida é uma bagunça, e não é um teste de múltipla escolha.


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

  1. Doctors are humans, not heroes [Internet]. KevinMD.com. 2021 [cited 2021 Aug 17]. Available from: https://www.kevinmd.com/blog/2021/08/doctors-are-humans-not-heroes.html ‌ ‌

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você