[ editar artigo]

Parto domiciliar: quando 1% é igual a 100%

Parto domiciliar: quando 1% é igual a 100%

Começo este texto com um disclosure: não sou obstetra; não sou pediatra! Sou apenas uma pessoa que vê o quanto a ignorância pode ser sedutora, mesmo quando é travestida de humanização, principalmente quando o assunto é "parto domiciliar".

É óbvio que não concordo com os índices de cesarianas no Brasil. Mas não é neste texto que irei falar o porquê de aqui no Brasil atingimos proporções tão grandes de partos por via cirúrgica (fica o convite se um colega obstetra quiser postar a respeito). Mas acredito que aqueles que utilizam esses parâmetros para justificar o parto em domicílio são de uma canalhice sem precedentes. 

Uma gravidez sem riscos, não significa um nascimento sem risco. Apesar da natureza concluir o seu papel em 99% dos casos, brincar com o 1% de possibilidades daquele nascimento complicar em nome da "naturebisse" do parto domiciliar com doulas, sem assistência médica ou de um suporte intensivo mínimo, se necessário, é de uma ignorância muito perigosa.

É claro que o nascimento é um momento lindo e deve ser feito da maneira menos traumática possível. Também é lindo assistir a pessoas ricas e famosas falando que o parto em domicílio é maravilhoso, mas esquecem de mostrar que estas estavam, sim, com todo o suporte intensivo preparado, caso fosse necessário utilizá-lo.

Muitos podem falar que defendo o mercado de minha classe. Não me importa a opinião destes. Essa é apenas uma forma de deturpar a possibilidade de intercorrências e de defender os ganhos de doulas e parteiras, que cobrarão seus 2 ou 3 mil reais para apenas rezar, caso algo vá por caminhos não previstos. 

Falo em nome dos 1% dos nascidos que infelizmente sofrerão com a hipóxia, com a falta de suporte. Não importa se 99% dos partos ocorrem bem. Se o seu filho — ou o filho da sua paciente — está naqueles 1% que tiveram problemas no nascimento, isso é igual a 100% de certeza que você condenou uma vida a dificuldades, para todo o resto daquela vida. 

Não sei o que significa sofrer uma adversidade destas e nem estou pautando este texto em orientações de sociedades de especialidades ou associações de médicos. Escrevo aqui, indignado pela quantidade de pessoas que acreditam que um parto domiciliar é livre de riscos.

Para estes, gostaria de compartilhar este vídeo que me tocou pela força que a mãe teve ao relatar todos os processos de escolha que a levaram a optar por um parto domiciliar e as consequências que ela teve de enfrentar quando as coisas não andaram tão bem quanto era previsto:

Parabéns a Julie Cristine Vieira Soares pelo depoimento e também pela dedicação ao filho. Sentimos pelo que aconteceu e desejamos o melhor para você e sua família. Sua coragem pode ajudar muita gente.

Aos médicos que estão lendo este post, por favor, marque aquele paciente no vídeo da Julie. Principalmente se estiver optando por um parto domiciliar sem a possibilidade de assistência intensiva. Talvez isso ajude em uma opção mais segura, na qual as possíveis intercorrências possam ser contornadas. Tente evitar ao máximo que o sonho de um parto domiciliar se transforme numa vida de dificuldades para a família e para a criança que recém chegou ao mundo.

Comente, refute ou apoie esse texto. Não sou especialista da área, mas gostaria que os colegas obstetras sedimentassem melhor a maneira sobre como trabalham com estes pacientes. Assim podemos aprender com a experiência de todos. Para publicar na Academia Médica, siga as instruções deste video, clicando AQUI

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Inovação é sua forma de exercer a medicina. Em 2012 criou a Academia Médica, comunidade dedicada a "FALAR O QUE A FACULDADE ESQUECEU CONTAR". Membro Comissão do Médico Jovem do CFM, especialista em Bioética

Ler matéria completa
Indicados para você