[ editar artigo]

Telemedicina: O case Albert Einstein de sucesso

Telemedicina: O case Albert Einstein de sucesso

1. Tecnologia: de acessório a protagonista. 

Com uma reviravolta de dar inveja em qualquer filme dirigido por Quentin Tarantino, o ano de 2020 inverteu a lógica e transformou o mundo digital, antes um mero acessório, em protagonista em nossas vidas. 

A fim de não perder o contato social e continuar performando nas atividades do dia a dia, fomos introduzidos - ou obrigados - à uma nova maneira de exercer nossas funções e nos comunicar com o mundo que também está isolado. 

Aos poucos fomos nos acostumando com o uso da tecnologia, antes envergonhados de ligar a câmera ou expor ideias ao microfone, hoje já tornou-se estranho e não eficiente ter que nos deslocarmos para realizar uma breve reunião. 

Foi assim também com a telemedicina, que ganhou espaço e voz nesta quarentena, uma vez que a pandemia impôs inúmeras barreiras ao sistema de saúde. O medo de contaminar-se com o vírus durante o deslocamento para o hospital foi um dos mais evidentes e difíceis de contornar. ¹

O senso de urgência, em busca de vias alternativas para manter o acesso à saúde, aumentou o contingente médico favorável à tecnologia e rapidamente a telemedicina ganhou muitos adeptos com o propósito de perpetuar o cuidado, mesmo à distância, de seus pacientes. ¹ Mas engana-se quem pensa que a telemedicina ganhou corpo e robustez somente agora, na verdade desde a invenção do telefone, em 1870, pelo empresário escocês Alexandre Graham Bell a consulta à distância vem sendo realizada. 

Não é preciso de muito esforço para recordamos as inúmeras consultas que ocorriam pelo telefone tarde da noite. Bastava uma mãe preocupada e um filho doente para o pediatra da família ser requisitado. Aliás, a telemedicina de hoje demonstrou-se um sucesso em determinadas situações em que a anamnese e o exame físico podem ser realizados “localmente" pelo próprio paciente - com auxílio de algumas tecnologias de monitoramento - e os achados devidamente convertidos, de forma eletrônica, para a consulta remota. ²

Assim, a prática centenária de exercer a medicina e transpor os limites geográficos através da tecnologia vem, cada vez mais, sendo aperfeiçoada para maior conforto e acessibilidade do paciente. 

2. O case Albert Einstein de sucesso. 

Na vanguarda da telemedicina de alta qualidade, o Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) iniciou suas atividades com o implemento da telemedicina em janeiro de 2012 na gestão do ex-presidente Dr. Claudio Lottenberg. ³ À época, o HIAE desenvolveu um programa, em conjunto com o Ministério da Saúde, de suporte aos hospitais públicos no pronto-socorro e unidade de terapia intensiva (UTI) com apoio em tempo real de seus especialistas. ⁴

O programa conseguiu submeter todos os pacientes admitidos no pronto-socorro com diagnóstico neurológico e elegíveis para transferência a um centro terciário, a fim de uma avaliação neurológica ou neurocirúrgica, à consulta por telemedicina com um neurologista da equipe do HIAE. ³

Mais do que isso, antes da implementação do programa a trombólise nunca havia sido utilizada em casos de acidente vascular cerebral (AVC) em um dos hospitais contemplados com a tecnologia. Após o programa, 11% dos pacientes foram submetidos ao protocolo de trombólise para AVC. ³ 

Assim, o HIAE lançou luz à telemedicina de alta qualidade no Brasil e demonstrou que a prática, mais do que possível, é eficiente na democratização do acesso à saúde de qualidade em áreas remotas e sem especialistas. 

De 2012 em diante, o hospital desenvolveu cada vez mais a tecnologia e foi aperfeiçoando a execução das teleconsultas, incorporando protocolos internacionais de Tele propedêutica e Tele Anamnese com intenção de tornar o cuidado em saúde mais assertivo.

Segundo Dr. Sidney Klajner, presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein, os investimentos em inovação estão entre 2% e 3% da receita de R$ 2,9 bilhões (2019). ⁵ Esse aporte massivo de recursos em inovação, com profissionais capacitados trabalhando 24 horas por dia, 7 dias por semana, pode ser observado nos serviços de ponta ofertados em telemedicina pelo hospital e denota, lógico, a força desse mercado em ascensão.  

Um dos inúmeros produtos disponibilizados, a Tele UTI, foi estruturada com o intuito de sistematizar a visita multiprofissional remota e otimizar o atendimento de pacientes internados. Transpondo barreira físicas, o serviço remoto consegue levar para dentro de clínicas e hospitais as melhores práticas assistenciais do paciente grave, sob uma ótica multiprofissional, e permitir maior democratização do conhecimento. ⁶ 

Em artigo publicado, Dr. Klajner afirma que o uso da telemedicina agiliza processos e tratamentos, aumenta a chance de diagnósticos precoces, reduz custos e evita desperdícios. Também, leva conhecimento de especialistas a lugares que não contam com esses profissionais sem prejudicar o humanismo e a relação médico-paciente. ⁷ 

Além disso, o compartilhamento de know-how, com clínicas e hospitais, sobre os mais diversos assuntos ajuda a elevar o nível de excelência da medicina ofertada em diversos centros pelo país. Atualmente o HIAE conta com 1,2 mil cidades atendidas e quase 1,6 milhão de usuários em todo o Brasil, uma ampla cobertura de saúde no território nacional e que vem se desenvolvendo a passos largos. ⁸ 

A título de curiosidade, somente durante os quatro primeiros meses de pandemia, as teleconsultas aumentaram em 1.758% no hospital, com um total de 66,7 mil atendimentos remotos de fevereiro à maio de 2020. ⁸ 

Aqui vale um adendo, embora a telemedicina tenha sido descrita como um grande auxiliador no suporte de emergências de saúde pública e desastres - leia-se COVID-19 -, é importante esclarecer que nenhum programa de telemedicina é criado da noite para o dia. ⁹ 

O crescimento estrondoso em números e cobertura em saúde do HIAE só foi possível graças ao investimento e desenvolvimento precoce, quase há uma década, na tecnologia, apostando no potencial de transformação e ampliação do acesso à saúde. 

Por fim, tive a rica oportunidade de entrevistar Dr. Claudio Lottenberg, líder na implementação da telemedicina no Hospital Israelita Albert Einstein, que de forma lúcida e precisa pontuou: 

"A telemedicina é um instrumento que garante equidade, universalização e acesso facilitado aos serviços de saúde. Mas deve ser usado com garantias de que dados e segurança do paciente serão preservados. Essa forma de atendimento médico ainda deverá evoluir muito ao longo do tempo como instrumento de inclusão social – mas para que isso aconteça, é preciso começar. Seus efeitos e benefícios serão colhidos e reconhecidos ao longo dos anos." Lottenberg, Claudio.

O case Albert Einstein de sucesso demonstrou que a telemedicina pode sim ser uma grande aliada no exercício da profissão, focada em ampliar o acesso a cuidados de saúde, conforto, e informação de ponta para os pacientes, sem deixar de lado todo o humanismo e empatia necessários para uma consulta de excelência. 

Vale lembrar que a revolução da telemedicina já começou, está a todo vapor, e o melhor dia para se adequar à ferramenta foi ontem, o segundo melhor dia, hoje. Portanto, mãos à obra.


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 190 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências: 

[1] Romanick-Schmiedl, S., Raghu, G. Telemedicine — maintaining quality during times of transition. Nat Rev Dis Primers 6, 45 (2020). https://doi.org/10.1038/s41572-020-0185-x 

[2] Penninga, L., Lorentzen, A. K. & Davis, C. A telemedicine case series for acute medical emergencies in Greenland: a model for austere environments. Telemed. J. E Health. https://doi.org/10.1089/tmj.2019.0123 (2019). 

[3] Steinman Milton, Morbeck Renata Albaladejo, Pires Philippe Vieira, Abreu Filho Carlos Alberto Cordeiro, Andrade Ana Helena Vicente, Terra Jose Claudio Cyrineu et al. Impacto da telemedicina na cultura hospitalar e suas consequências na qualidade e segurança do cuidado. Einstein (São Paulo). 2015; 13(4): 580-586. https://doi.org/10.1590/S1679-45082015GS2893.

[4] Brasil. Ministério da Saúde [homepage na internet]. Portal da Saúde. PROADI-SUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde [acesso em 26 de setembro de 2020]. Disponível em: http://portal saude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=95 38&Itemid=497

[5] Sambrana, Carlos [homepage na internet]. Telemedicina: no Albert Einstein, 300 mil serão remotos [acesso em 26 de setembro de 2020]. Disponível em: https://neofeed.com.br/blog/home/telemedicina-no-albert-einstein-300-mil-atendimentos-serao-remotos/ 

[6] Hospital Israelita Albert Einstein [homepage na internet]. Tele UTI: Visita Horizontal Diária a UTI. [acesso em 26 de setembro de 2020]. Disponível em: https://www.einstein.br/Pages/produto-telemedicina.aspx?eid=10&vid=2

[7] Klajner, Sidney [homepage na internet]. Telemedicina: caminho para a superação das barreiras logísticas na saúde [acesso em 29 de setembro de 2020]. Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/telemedicina-caminho-para-supera%C3%A7%C3%A3o-das-barreiras-na-sa%C3%BAde-klajner/

[8] Schlindwein, Manoel [homepage na internet]. O impacto da pandemia na telemedicina do hospital albert einstein [acessado em 26 de setembro de 2020]. Disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/radar/o-impacto-da-pandemia-na-telemedicina-do-hospital-albert-einstein/

[9] Hollander JE, Carr BG. Virtually perfect? Telemedicine for COVID-19. N Engl J Med. 2020 https://doi.org/10.1056/NEJMp2003539 

 

Academia Médica
Rafael Lobo
Rafael Lobo Seguir

Acadêmico de medicina pela Universidade do Sul de Santa Catarina. Diretor de Ensino Médico da Associação dos Estudantes de Medicina do Brasil IG: @rafaellobosouza

Ler conteúdo completo
Indicados para você