[ editar artigo]

Ursinho ajuda no tratamento do Câncer em hospital em Jaú

Ursinho ajuda no tratamento do Câncer em hospital em Jaú

Ursinho ajuda no tratamento do Câncer em hospital em Jaú

Em iniciativa inédita, o Hospital Amaral Carvalho consegue levar as família para junto das crianças que estão isoladas, em tratamento para o câncer.

Ainda usado com poucas crianças este tipo de interferência proporcional, além de um ambiente mais familiar, uma experiência menos hostil.

A ideia é genial e com o uso de tecnologia semelhante a um celular equipado com Whatsapp. Um rosto amigo vira parceiro da criança internada. O urso chamado Elo reproduz as mensagens eniadas por mães, pais irmãos e amigos, diminuindo a solidão que o ambiente hospitalar pode proporcionar.

O objetivo do HAC com a iniciativa é aproximar os pequenos pacientes daqueles que eles tanto amam e ajudá-los a passar pelo período de isolamento de uma forma mais alegre e menos solitária. O projeto levou seis meses para ser desenvolvido e cerca de 30 crianças que estiveram internadas no hospital já usaram os “Elos” – assim chamados por ligarem as crianças às pessoas que mais amam.

Como funciona a tecnologia: ursinhos foram adaptados especialmente para comportarem o equipamento. Um dispositivo com tecnologia semelhante a um aparelho celular recebe mensagens. Caixas de som específicas foram desenhadas para funcionarem no interior dos ursinhos. Um mecanismo liga a mão dos “Elos” ao dispositivo, liberando mensagens armazenadas. As mensagens são enviadas para uma central e gerenciadas por um profissional do hospital, que as envia, então, para os ursinhos. As mensagens podem ser atualizadas a todo momento e ficam à disposição da criança para a próxima vez que decidir apertar a mão do seu ursinho para ouvi-las.

O oncologista pediátrico Alejandro Arancibia explica os motivos de isolamento das crianças. “Elas não podem ficar muito tempo em contato com o meio exterior porque estão com a imunidade muito baixa. Os “Elos” são uma porta de contato com quem está lá fora”. Para a chefe da pediatria do Hospital Amaral Carvalho, Drª Claudia Teresa de Oliveira, especialista em Hematologia e Oncologia Pediátrica, esse método é um mecanismo de apoio emocional importante para o bem-estar das crianças durante o tratamento. “A criança é afastada da sua rotina habitual. Elas sentem falta dos amigos, da escola e esse carinho faz uma enorme diferença na recuperação”, afirma.

Fonte: Hospital Amaral Carvalho

 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Inovação é sua forma de exercer a medicina. Em 2012 criou a Academia Médica, comunidade dedicada a "FALAR O QUE A FACULDADE ESQUECEU CONTAR". Membro Comissão do Médico Jovem do CFM, especialista em Bioética

Ler matéria completa
Indicados para você