Virtudes do médico: Fortitude - a coragem moral
Hélio Angotti Neto 2015/02/02 12:11:50 +0000 | 4 minutos de leitura
[editar artigo]

Virtudes do médico: Fortitude - a coragem moral

Fortitude, a coragem moral

Você já viu alguém corajoso? Aquele que diante de uma ameaça à sua integridade física resiste ao impulso de simplesmente correr ou se entregar? Cada dia fica mais raro, obviamente, mas não é exatamente no campo físico que atua a fortitude ou resiliência. No campo da coragem, o médico atua quando enfrenta guerras e condições inóspitas para ajudar o próximo (médico sem fronteiras), quando auxiliar pessoas com doenças infecciosas e mortais e quando opera pacientes com doenças transmissíveis pelo sangue, colocando sua vida em risco em prol do bem para o paciente.

Exemplos de coragem médica atravessam os séculos, com relatos de médicos que enfrentaram a peste - mesmo sem saber como era transmitida -, relatos de médicos que não fugiram de grandes tragédias e “ficaram para trás” junto aos feridos e muitas outras situações heroicas. É claro que tal atitude heroica não se pode cobrar de ninguém, embora se espere em certa medida daquele que diz ser médico.

Já a fortitude é a capacidade de lidar com problemas e desafios de ordem moral sem se abalar, sem ceder, sem perder a compostura. É resistir à pressão do grupo, à pressão da sociedade ou à covardia moral para buscar acima de tudo o que é certo para o paciente.

Mas assim como a coragem física, seu excesso pode significar problema! No caso da coragem, seu excesso pode simplesmente traduzir-se em ousadia irresponsável e estupidez, levando o indivíduo a enfrentar obstáculos desnecessários e situações impossíveis, beirando a loucura. No caso da fortitude, o médico precisa abalar-se pelo menos o pouco suficiente para criar um vínculo empático eficaz com o seu ambiente, sem ceder jamais no terreno moral e compreendendo que não habita um mundo paradisíaco em meio a anjos e, sim, um mundo repleto de problemas, conflitos, dúvidas, sofrimento e múltiplas necessidades.

“Médicos precisam da fortitude para fazer a coisa certa que é esperada e exigida que ele faça, dada sua opção de vida.” É fazer o que deve ser feito mesmo que os outros estejam fazendo o errado. É negar, numa linguagem teológica, a influência do mundo terreno para concretizar os nobres valores defendidos.

Outro sinal de fortitude – coragem moral – é simplesmente negar a forte tendência de mediocridade de nossos dias, de impessoalidade crescente na prática médica.

Há uma grande pressão para orientar nossa profissão rumo a protocolos, procedimentos quase que automáticos, cotas, limites de atendimento, tratamento impessoal – muitas vezes disfarçado sob o nome de igualdade de prestação de serviços, só que ao invés de prestar um serviço igualmente valioso, presta-se um serviço igualmente medíocre – e aderência à moral minimalista.

Lembro do fantástico título da obra igualmente fantástica de Robert Musil: O Homem sem Qualidades[1]. O médico sem fortitude, é um médico sem qualidades. É um burocrata. Ele está seco e morto, é um cadáver ambulante. Qualquer um lhe dirige, pois sua consciência já não habita nele.

 

 

 

 

[1] MUSIL, Robert. O Homem sem Qualidades. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira – Sinergia, 2006.

COMPARTILHE
Hélio Angotti Neto

Hélio Angotti Neto

Doutor - UNESC

Artigos relacionados

login modal