[ editar artigo]

Você é o que você come: a era da autoimunidade?

Você é o que você come: a era da autoimunidade?

Para nós, seres humanos, se faz necessária uma interação complexa entre o sistema imunológico e microbiotas, buscando manter a homeostase do organismo e com isso NOSSA VIDA.

No entanto, quando essa relação é comprometida ocorre uma interação alterada entre células imunes e microrganismos. Você poderia pensar que esse é o mecanismo ÓBVIO da fisiopatologia das doenças, porque necessariamente ele é.  Porém, a nova perspectiva apontada por pesquisadores demonstra a relevante associação da microbiota intestinal e o estabelecimento de doenças infecciosas e e principalmente autoimunes.

A superfície das membranas mucosas são colonizadas por um elevado número de microrganismos, principalmente bactérias, representando nossa microbiota comensal.  Essas bactérias mantém uma relação simbiótica conosco, auxiliando em processos de fermentação e digestão de carboidratos, síntese de vitaminas e desenvolvimento de tecidos linfóides associados ao intestino, também conhecido como MALT, que além de impedir a colonização por patógenos, atua mantendo o equilíbrio entre fatores imunogenéticos e ambientais provenientes da nossa alimentação.

É UMA RELAÇÃO SIMBIÓTICA, uma interação benéfica para ambos, homem e bactéria. O contrário disso seria DISBIOSE, refletida como um desequilíbrio da microbiota intestinal, redução das espécies benéficas e um incremento na microbiota patogênica, que acaba afetando os processos orgânicos. 

VOCÊ É O QUE VOCÊ COME parece fazer mais sentido do que um simples trocadilho para machete de revista.

O modo de alimentação nos primeiros anos de vida influencia o estabelecimento da composição da microbiota intestinal e pode presdipor à doenças autoimunes a partir daí. O modo de parto (vaginal ou cesariana), composição da microbiota da mãe, uso precoce de antibióticos e introdução de fórmulas alimentares são alguns dos pontos que influenciam sua caminhada à resposta imune inadequada.

Se esses fossem os únicos fatores de risco implicados nessa demanda teríamos boas perspectivas de controle. Todavia é preciso falar de comportamento alimentar e componentes genéticos determinantes.

Em indivíduos geneticamente suscetíveis à doenças, os gatilhos ambientais subsequentes podem induzir o desenvolvimento de doenças autoimunes. 

Um exemplo simples: uma dieta ocidental é geralmente caracterizada por uma alta ingestão de carnes vermelhas e alimentos ultraprocessados, manteiga e frituras, laticínios com alto teor de gordura, ovos e bebidas com alto teor de açúcar.  Associe tudo isso à falta de atividade física e ao dia a dia estressante e, assim, uma dieta ocidental não está apenas associada a uma maior suscetibilidade à obesidade, como também desarranjos de vias de ativação imunológicas, diminuição da função e diversidade bacteriana, diminuição da função da barreira intestinal, aumento da inflamação e diminuição das células T reguladoras no intestino, que desempenham um papel importante na manutenção da tolerância imunológica a antígenos alimentares.

Essa gama de acontecimentos podem levar a ativação inadequada de vias de sinalização da família de receptores do tipo Toll (TLR) e respostas mediadas por células Th17, fortemente implicada em doenças como esclerose múltipla, arttrite reumatóide e doença de Crohn.

Mais recentemente, uma hipótese implicou a modificação pós-traducional de proteínas do lúmen, promovidas por enzimas da microbiota disbiótica, que modificam os substratos de maneira diferente daquela realizada sob condições eubióticas. A modificação pós-tradução defeituosa induziria a geração de neo-epítopos que podem se tornar imunogênicos e podem induzir autoimunidade sistêmica e desencadear doenças autoimunes. 

Morgan Spurlock, do filme A DIETA DO PALHAÇO, nunca esteve tão certo quanto aos aspectos prejudiciais de uma "dieta ocidentalizada". De fato, vários estudos  demonstraram que a obesidade e uma dieta específica que leva à obesidade,  induzem disbiose e causam consequências indesejadas, como mecanismos que induzem à perda de tolerância imunológica pelos quais uma pessoa evolui de uma predisposição para uma doença clínica.

 

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 135 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

 

Academia Médica
Renata Campos Cadidé
Renata Campos Cadidé Seguir

Graduanda em Medicina 2015/2020. Centro Universitário Ingá | MGÁ-PR Tento unir uma paixão antiga por contar histórias à carência de difundir os conhecimentos de pesquisa científica, de forma mais palpável, para à população geral.

Ler matéria completa
Indicados para você