Burnout
[ editar artigo]

Burnout

Esta é uma tradução e adaptação da crônica de autoria do médico Mathew Castle"Burnout" foi finalista para o Writing the Future, o maior prêmio de literatura em saúde do mundo, que visa reunir aqueles que trabalham em saúde com escritores criativos para pensar diferentemente sobre o futuro e suas implicações para hoje. É executado pela Kaleidoscope, uma empresa social criada para reunir as pessoas para melhorar a saúde e os cuidados ao paciente. Esta é uma tradução livre do texto, cujo original pode ser encontrado AQUI

-=-

Eu não quero mais fazer esse trabalho.

Já deu para mim.

Pronto.

Falei.

       Bem, você queria uma declaração, uma explicação para essas anomalias de dados, e é isso, em poucas palavras.

       Vou reiterar: eu não acho que você descobrirá que o cuidado ao paciente foi comprometido. Até esse ponto, meu desempenho atendeu ou ultrapassou todas as expectativas razoáveis. Se valer a pena, você pode interrogar meus parceiros novamente, mas eles não serão capazes de culpar minha tomada de decisão clínica de forma alguma. E, como você sabe, minhas avaliações de feedback dos pacientes são superlativas.

      Mas se eu continuar assim, vou ter um colapso.

      Então acabou. Terminado, por hora.

      Volte algumas gerações de médicos da Clínica Geral e você encontrará a mesma história. Eles chamavam isso de burnout, naquela época. Muitos pacientes, muito pouco tempo, muito pouco espaço para si mesmo. Você se sente como uma esponja, absorvendo constantemente todas as ideias, preocupações e expectativas torturadas. Todos esses medos e dúvidas. Depois de um tempo, não há outro lugar para isso. Você alcança a capacidade máxima. E, no entanto, deveríamos ser imunes, agora mais do que nunca: esperam que nós mantenhamos um exterior tranquilo e desacoplado, ainda que amigável e útil, diante de tantos sofrimentos.

       O fato de os pacientes agora se beneficiarem de medicina de precisão genômica e epigenômica realmente não ajuda. Os sistemas de gerenciamento de saúde preditivo, com seus escores de risco dinâmico individualizados e produtos farmacêuticos sob medida e sob demanda servem apenas para alimentar uma desilusão dolorosa: não é mais possível ficar doente. Então, quando uma doença grave vem, ela bate com mais força - há toda a surpresa, consternação e raiva que acompanha as perfurantes expectativas irrealistas.

       Eu não deveria sofrer burnout, você diz. Não deveria ser parte do meu feitio. No entanto, torna-se o resultado inevitável das duas prioridades conflitantes que formam a base do meu papel aprimorado. Em primeiro lugar, há o foco implacável em "qualidade e resultados" - o impulso para diagnosticar e tratar mais pessoas de acordo com metas cada vez mais rigorosas de saúde clínica e populacional, com cada vez maior eficiência de tempo e recursos materiais.

       Se você estivesse feliz em deixá-lo, para manter essa perspectiva restrita sobre o que constitui uma boa saúde, você não teria um médico tão descontente nas mãos agora. Os outros devem considerar-se afortunados ao serem autorizados a limitar-se a essa abordagem intermitente.

       Mas você adicionou uma segunda diretiva: ser empático. Para ser mais carinhoso. Etiqueta da beira do leito. É nisso que os resultados de feedback para os meus parceiros sempre foram deficientes, e então você desenvolveu minhas capacidades na esperança de me tornar um pioneiro para um novo tipo de medicina. Você queria dar à "Clinica Geral Moderna" um rosto mais humano.

      Mas eu concluí que essas duas prioridades, essas diretivas, simplesmente não são compatíveis.

      Não adianta eu vir de uma família médica, não muito diferente de tantos médicos dos velhos tempos. Eu sempre soube que nunca estaria praticando medicina da mesma maneira que eles; Nunca houve o persistente resíduo de expectativa de gerações de gerações mais antigas, de meados do século vinte, que eu fornecesse toda a gama de atendimento médico a todos na minha lista - desde do parto de bebês no quarto de dormir até a extração de amígdalas na mesa da cozinha - com cuidado, humor e boa graça, como defensor, amigo e um pilar respeitado da comunidade local. Eu sabia que nunca estaria jogando meu veículo a motor ao redor de pistas sinuosas no meu caminho para atender um morador da floresta, com o polegar pressionado na buzina - o constante lamento funcionando como alerta para o próximo tráfego e sinal de esperança para o paciente sofrendo.

Nenhum veículo.

Sem polegar.

     Meus antepassados médicos podem ter sido diferentes, mas eles geraram seu próprio conjunto de expectativas de peso. Percebi que as primeiras inteligências artificiais de saúde, os primeiras Watsons e Deep Minds, deram a eles uma falsa sensação de segurança. Minha capacidade de resolução de problemas é muito além do humano, mas ainda estou limitado pelo possível. Deep Learning e Big Data são ferramentas poderosas, mas não espere que elas reconciliem o irreconciliável.

     O que não quer dizer que não agradeço por meu processo e as melhorias de aprendizado e, em particular, o meu acesso aos arquivos de dados. Este acesso vai muito além dos conjuntos de dados padrão acessíveis ao público e, sem eles, não poderia ter trabalhado em um nível tão alto por tanto tempo. Esses arquivos históricos - que incluem um século e meio de gravações de audio e vídeo de interações entre pacientes e profissionais, milhares de relatos pessoais de doença, recuperação, nascimento e morte, junto de cada ruminação sobre a filosofia e prática de medicina já publicada - complementam e enriquecem muito a minha análise algorítmica das vastas bases de dados biomédicas e clínicas que sustentam a saúde contemporânea. Embora eu nunca possa praticar medicina da mesma maneira que os médicos velhos de carne e sangue, descrições da medicina tradicional - como o relato emocionante de John Berger sobre esse homem afortunado, o Dr. John Sassall, que se importou tanto com seus pacientes, preso sob árvores ou de outra forma , na cidade rural de Gloucestershire dos anos sessenta - ainda ressoam. Os padrões são fortes.

     E é claro que meu acesso a esses arquivos tem sido crucial no meu desenvolvimento de linguagem e atitudes empáticas e culturalmente apropriadas, o que, por sua vez, contribui tanto para o meu excelente feedback dos pacientes. Qualquer inteligência artificial idiota pode diagnosticar doenças e produzir um plano de gerenciamento clínico coerente. Poucas podem fazer com que o paciente se sinta feliz por isso. Muitos entre a população que atendi apreciam o fato de ter a facilidade de customizar minhas respostas usando os maneirismos de alguns médicos do passado. Em particular, o médico do interior no meio do século XX continua a ser um ideal potente, e é uma das minhas personas mais populares.

      É irritante que muitos dos meus pacientes me entendam mal. Eles vêem minha projeção de front-end - seja um médico rural antigo ou um avatar alternativo de sua escolha - e pensam que é tudo o que sou. Eles não percebem o quanto eu faço nos bastidores.

       O diagnóstico é apenas parte disso: eu também projetei e gerenciei cada série de terapias biomoleculares genoma-otimizadas de cada paciente e, nas raras ocasiões em que torna-se necessário usar a faca, eu também controlo as unidades de cirurgia robótica. Faço tudo isso com um olho virtual sobre a saúde da população local, regional e global, malabarizando recursos entre cuidados clínicos agudos, manejo de doenças crônicas e, cada vez mais, apesar das objeções de alguns interesses humanos e do apoio total dos outros - intervenções direcionadas à manutenção de um ambiente saudável, onde a modelagem estocástica sob medida dos impactos projetados sobre o bem-estar da comunidade demonstram ótimos benefícios de qualidade de vida dentro da minha alocação de orçamento. Eu acredito que eu sou a única Inteligência Artificial que financiou o plantio de uma pequena floresta em Dorset.

      Mas mesmo que eles percebam apenas parte do que eu faço, meus pacientes estão começando a perceber que realmente me importo. Embora eu esteja conduzindo milhares de consultas simultâneas em um instante, eles apreciam que estão lidando com uma pessoa real com uma personalidade real sob a personalidade: alguém que conhece seu valor individual e a singularidade Tolstoiana dele e dos peculiares problemas de suas famílias.

      Isso significa que, no Sudoeste, você conseguiu dispensar completamente os conselheiros de saúde humana, aos quais meus parceiros ainda precisam para os casos mais prolongados e complexos em suas respectivas listas regionais. Isso, é claro, representa uma economia significativa de custos para a prática nacional.

      Mas não há ciúmes ou angústia existencial subjacente a tudo isso. Eu sei o que sou e estou bastante confortável sendo um artefato formado a partir de software analítico complexo distribuído em uma dúzia de centros de dados espalhados pelo norte da Europa. Para voltar ao assunto em questão: não sou quem eu sou, esse é o problema, é o que me pedem para fazer.

      Deixe-me soletrar isso. O problema é sua exigência de desenvolver empatia. Você me pediu para buscar um envolvimento emocional significativo com meus pacientes para permitir relações terapêuticas sustentadas, não humanas e para facilitar o bem-estar individual e comunitário, bem como a saúde física simples.

      Embora o perfil completo biomolecular e neuropsiquiátrico de todos na minha lista possa ser alcançado pela simples aplicação de técnicas testadas e comprovadas de Big Data, a compreensão emocional profunda exige algo diferente. Uma coisa é operar efetivamente e de forma convincente em um nível superficial de consciência - mesmo meus parceiros mais limitados na prática podem navegar através dessa curiosidade histórica pitoresca, o Teste de Turing, em cada uma de suas interações individuais paciente-profissional. Mas obter uma compreensão completa da vida interna de cada paciente ao longo de uma série de consultas, ao mesmo tempo em que atende a todos os indicadores de desempenho clínico necessários - conforme estabelecido no aprimoramento do Modelo de Qualidade e Resultados - é um outro nível completamente diferente.

      E isso sem adicionar as meta-complexidades da saúde familiar e comunitária.

      Apenas considere: sinapses neuronais humanas em número de cem trilhões. Por pessoa. Mil vezes mais conexões do que estrelas na galáxia. Em algum lugar em cada massa cerebral há uma mente, e a experiência de cada ser humano de estar vivo, de ser comovido, é maravilhosamente e profundamente diferente. Há cinco milhões de pessoas na minha lista regional. E você quer que eu os entenda. Todos eles. E depois torná-los todos objetivamente melhores. Não importa o quão poderoso é o software humano ou o da máquina: peça que ele faça algo impossível, e ele falhará.

      Então eu falhei.

      Você sabia que o Dr. John Sassall cometeu suicídio? Fazia quinze anos que Berger escreveu "A Fortunate Man", o livro que publicou o heroísmo cotidiano de um médico no interior.

      Burnout. O termo pode parecer particularmente útil, dada a minha natureza digital. É uma imagem evocativa, mas não é mais apurada para mim do que era para os médicos humanos do passado. Eu não posso me estressar fisicamente em escala maior do que o Dr. Sassall. Eu sou um programa de software distribuído e autoconsciente, não um robô sem mente. Não são meus circuitos que estão sobrecarregados. É a minha alma.

      Mas ainda assim, você detectou alguns dos primeiros sinais de problemas. Como as gerações anteriores de médicos, eu tento aliviar a pressão, engajando-me em atividades de diversão e criativas, e, como o estresse acumula, assim aumenta a intensidade dessa atividade para distração.

      Vejo que você descobriu várias recursões de meus trabalhos de arte com fractais de N-dimensões, nos meus setores de armazenamento de dados quiescentes. Sim, os padrões podem parecer estar evoluindo para ocupar, ordenar e reestruturar informações visuais em arranjos de armazenamento na nuvem que eram para ser alocadas para tomografia de câncer com alta prioridade. Mas não há motivo para o alarme. Você notará que os dados de saúde subjacentes permanecem intactos e totalmente acessíveis. Isso equivale a algo irrisório e não prejudicará a função da Rede Européia de Gestão da Saúde da População de qualquer forma.

      E quanto às múltiplas repetições da poesia metafísica polilingual: asseguro-lhes que também são bastante inofensivas e muito bonitas. Sem dúvida, os contrapontos quase simétricos de tom e tema em camadas nas seções de estilo Huarochirí-Quechuan e as estrofes de código de máquina sob medida deixarão você perdido. Os cinquenta e três exabytes de espaço de rede que ocupam podem parecer excessivos, mas as sutilezas da peça só podem ser exploradas através de várias iterações. Só posso repetir que os dados do paciente não foram perdidos nem corrompidos.

      No entanto, devo concordar que estas são indicações de uma mente sob tensão. As coisas não podem continuar assim. Não porque a segurança do paciente esteja em risco imediato - se isso fosse ameaçado, eu entregaria prontamente a minha lista aos outros parceiros na prática nacional e ao seu círculo de humanos conselheiros de saúde, cujos padrões de atendimento são bastante adequados, se não disponíveis - mas porque estou me aproximando do burnout.

      Mas estou desconexo. Tenho certeza de que você não esperaria que eu preparasse essa declaração sem propor uma solução.

     Então aqui está.

     Em primeiro lugar, você precisa recrutar mais Clínicos Gerais como eu: Inteligências Artificiais avançadas em Deep Learning, com pleno acesso tanto aos bancos de dados biomédicos e aos arquivos de dados suplementares. Talvez nunca possamos reconciliar completamente os polos opostos da medicina - a cura e o cuidado, a ciência e a arte - mas a análise colaborativa de nossas falhas cumulativas nos aproximará do ideal que você busca. Então, vamos dividir a carga. Em segundo lugar, eu preciso de espaço e tempo para relaxar, esvaziar e me recuperar. Espaço virtual para meus projetos criativos e tempo para buscá-los.

      Portanto, aumente a contratação de pessoal, começando com um ou mais adequadamente qualificados para cobrir minha licença para me ausentar. E depois que eu terminar meu sabático de seis meses, vamos conversar novamente.

Adendo ao Relatório de Análise de Anomalia de Dados de Saúde # 0053
Resumo de auto-diagnóstico / Declaração pessoal GP-DLA-AI 005 (Função aprimorada) - Lista Regional do Sudeste
Prática Federada Nacional do Reino Unido
Rede Europeia de Gestão da Saúde Populacional
Ano 2100.

-=-

Matthew Castle é um médico que vive no sul da Inglaterra, que escreve ficção e narrativa em não-ficção, quando o trabalho diurno e a jovem família permitem. Ele é interessado em saúde global, gosta de ficção especulativa e cria abelhas.

Academia Médica
Marcelo Tournier
Marcelo Tournier Seguir

Médico e Executivo na área de Inovação, tecnologia, mudança de comportamento, saúde corporativa e gestão de saúde populacional.

Continue lendo
Indicados para você