[ editar artigo]

TP #54: Sexualidade no fim da vida

TP #54: Sexualidade no fim da vida

Entre Zé gotinhas, viagras, CPI, IFAS e turismo de vacinação, a conversa principal de hoje é sobre os tabus em torno da sexualidade no fim da vida.

O Troca de Plantão acontece de Segunda a Sexta às 06h30 da manhã no Clubhouse e é transformado em Podcast para você que não pode participar conosco ao vivo. Dê o play aqui e curta conosco.

Comandado por Fernando Carbonieri, médico e fundador da Academia Médica, o Troca de Plantão nº54 contou com os colegas  Filipe Prohaska,  Ana Carolina Carvalho, Jamil Cade, Alexander Buarque, Newton Nunes, Ana Panigassi, Marilea Assis, Debora Fukino, Ursula Guirro, Jair Kuhn, entre outros que também compartilharam conhecimento com a comunidade. Com audiência crescente, o Troca de Plantão da Academia Médica traz as principais publicações científicas do cenário mundial, discutidas por profissionais de ponta.

Cine Mulheres | Grey's Anatomy e a força de personagens femininas – Salada  de Cinema

Nossos heróis aqui do #TP trouxeram as suas fofocas e a gente traz a sedimentação teórica para elas. Confira abaixo as referências que embasaram a discussão de hoje!

Sem antibióticos inovadores, saúde global é ameaçada

Leia, na íntegra, aqui, o texto publicado na AM

Por Diego Arthur Castro Cabral  - Colaborador da Academia Médica

O mundo ainda não está conseguindo desenvolver tratamentos antibacterianos desesperadamente necessários, apesar da crescente conscientização sobre a ameaça urgente da resistência aos antibióticos, de acordo com relatório da Organização Mundial de Saúde. A OMS revela que nenhum dos 43 antibióticos que estão atualmente em desenvolvimento clínico abordam suficientemente o problema da resistência aos medicamentos das bactérias mais perigosas do mundo.

“A falha persistente em desenvolver, fabricar e distribuir novos antibióticos eficazes está alimentando ainda mais o impacto da resistência antimicrobiana (RAM) e ameaça nossa capacidade de tratar infecções bacterianas com sucesso”, disse o Dr. Hanan Balkhy, Diretor Geral Assistente da OMS para RAM.

Quase todos os novos antibióticos lançados no mercado nas últimas décadas são variações das classes de antibióticos descobertos na década de 1980.

Conheça a "família" do Zé Gotinha, mascote da vacinação no Brasil

Leia mais aqui. 

Dona Gotinha, “Seu” Gotinha, Gotinha Jr. e Maria Gotinha fazem parte de ação do Ministério da Saúde para incentivar a vacinação contra a Covid-19.

O mascote Zé Gotinha foi criado em 1986 pelo artista plástico Darlan Rosa a pedido do Ministério da Saúde do Brasil, e lançado em dezembro de 1987, na gestão do ministro Luiz Carlos Borges da Silveira.

Família Zé Gotinha

CPI da Covid-19 é um show de TV com mais barracos que o "BBB"

Leia mais aqui. 

Discursos inflamados, xingamentos e até ameaça de prisão transformam os depoimentos na comissão em reality político.

O que é Viagra Connect?

Leia mais aqui. 

O Viagra Connect é um tratamento eficaz para problemas de ereção (PEs) em homens com 18 anos ou mais. Uma nova campanha publicitária do Viagra Connect, medicamento da farmacêutica Pfizer, tenta humanizar as histórias por trás de quem toma o remédio.

A peça publicitária vem em forma de uma comovente animação que conta a história de um casal com dificuldades na hora do sexo. Com o slogan “não deixe a vida interferir na sua história de amor”, a intenção é humanizar os problemas com ereção e mostrar que não há qualquer incômodo em recorrer ao viagra. 

Dimas Covas: "Não há mais previsão de chegada de insumos para CoronaVac"

Leia mais aqui. 

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse hoje que não há prazo para chegada de insumos para produção da vacina CoronaVac, contra covid-19, no Brasil. Covas se reuniu hoje pela manhã com representantes da farmacêutica Sinovac Biotech, que desenvolve a vacina na China, e com representantes da embaixada brasileira em Pequim.

O que é IFA, insumo fundamental para a produção das vacinas?

Leia mais aqui. 

O chamado Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) é o cerne das vacinas, o insumo principal de todo medicamento. A substância confere a atividade farmacológica à vacina ou a qualquer outro medicamento. No caso da CoronaVac, é o próprio vírus inativado. No caso da vacina de Oxford, é um adenovírus modificado geneticamente para carregar com uma sequência genética do Sars-CoV-2.

São eles que vão "enganar" o nosso corpo para produzir os anticorpos, que vão reagir se e quando o corpo for realmente contaminado. Os outros componentes presentes na vacina são chamados excipientes e, apesar de não serem responsáveis pela atividade farmacológica, são importantes para seu perfeito funcionamento até o final do prazo de validade. 

Sem matéria-prima, produção da CoronaVac será paralisada nesta sexta, diz Butantan

Leia mais aqui. 

Envase já tinha sido interrompido no final de abril por falta de insumo. Setores de rotulagem e controle de qualidade vão suspender o trabalho com a CoronaVac a partir desta sexta (14), quando será entregue o último lote da vacina ao governo federal. Instituto negocia liberação de 10 mil litros do imunizante, que segue sem previsão de chegar ao país.

Turismo da vacina já é realidade pelo mundo

Leia mais aqui. 

O turismo por razões médicas existe há décadas. Mas 2021 trouxe pela primeira vez o turismo de vacinação, que já acontece informalmente em diferentes destinos. Enquanto o calendário brasileiro de imunização contra a Covid-19 caminha a passos lentos e desorganizados, sem doses suficientes para toda a população, os EUA já vacinam inclusive adolescentes. Por isso mesmo, o movimento de turistas estrangeiros atrás das doses excedentes nos postos de vacinação americanos tem sido cada vez mais intenso.

No caso dos brasileiros, ele acontece após o cumprimento obrigatório de duas semanas de quarentena em outro país (geralmente México), para que sua entrada em território americano seja liberada. Por enquanto, a determinação oficial do governo dos EUA é vacinar apenas cidadãos americanos e residentes. Mas, como comprovantes de residência não têm sido solicitados, muitos turistas estrangeiros estão aproveitando para se vacinar nos Estados Unidos sem qualquer tipo de burocracia.

Comissão independente recomenda reformas ousadas na OMS para evitar próxima pandemia

Leia mais aqui. 

"Situação na qual nos encontramos hoje poderia ter sido evitada. Ela se deve a uma miríade de erros, lacunas e atrasos na prontidão e na reação", disse Ellen Johnson Sirleaf, copresidente da comissão.

Médicos chineses relataram casos de pneumonia atípicas em dezembro de 2019 e informaram as autoridades, e a OMS recebeu relatos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças de Taiwan e outros, disse a comissão. Mas o Comitê de Emergência da OMS deveria ter declarado uma emergência de saúde internacional em sua primeira reunião de 22 de janeiro, ao invés de esperar até 30 de janeiro, afirmou o relatório. O comitê não recomendou restrições de viagens devido aos Regulamentos Internacionais de Saúde da OMS, que precisam ser reformulado, segundo o documento.

Covid-19: após 3 semanas de queda, casos de coronavírus voltam a avançar no Brasil puxados por 9 estados

Leia mais aqui. 

Para cientistas, a suspensão das restrições mais rígidas pode ter colaborado para reversão de queda no total diário de infectados.

Média de casos de covid no Brasil volta a crescer. .  .

Como abordar a sexualidade nos cuidados paliativos?

Leia mais aqui.

Visando atender às necessidades de forma a reduzir o sofrimento agravado pela falta de comunicação entre pacientes e seus profissionais de saúde é recomendado incluir na avaliação inicial do paciente a verificação breve de sintomas sexuais, que avalia a insatisfação dos pacientes com sua função sexual, tipo de disfunção sexual e a vontade de falar sobre isso. Outras ferramentas úteis são:

  • PLISSIT: (1) Permissão: convide o paciente para iniciar uma conversa sobre seus problemas, emoções, sua sexualidade; (2) Limited Information: explicar sobre a fisiologia sexual, funcionamento normal, aspectos gerais; (3) Specific Suggestions: dar orientações específicas/ individualizadas como uso de lubrificantes; (4) Intensive Therapy: se necessário, encaminhar o paciente ou casal para um especialista em sexualidade.
  • BETTER: (1) Bring up the topic (exponha o assunto); (2) Explaining (explique sua preocupação com a qualidade de vida do paciente, incluindo sexualidade e que deseja dar espaço para que ele possa falar sobre quaisquer preocupações que tenha, mesmo que talvez você não tenha resposta para todas as questões que eventualmente ele traga); (3) Telling (diga aos pacientes que você encontrará os recursos adequados para atender às suas preocupações); (4) Timing (o tempo pode não parecer apropriado agora, mas reconheça que eles podem solicitar informações a qualquer momento); (5) Education (educar os pacientes sobre os efeitos colaterais de seus tratamentos contra o câncer); (6) Recording (registre sua avaliação e intervenções non prontuário do paciente).

O foco central é criar espaço e dar a oportunidade de discutir confortavelmente o impacto da doença na sexualidade do paciente (como a doença/tratamento afetam? como se sentem? o relacionamento com o parceiro (a) mudou?). O objetivo deve ser possibilitar a manutenção da proximidade com seus parceiros (as), criando as condições físicas e psicológicas adequadas.

Deve-se garantir a preservação da intimidade não apenas no aspecto físico, mas principalmente na sua dimensão mais afetada que é a psicossocial relacionada aos cuidados afetivos e solidão.

 

 

 

O que você achou desse episódio? Ajude-nos a fazer melhor. Pule para dentro da conversa e compartilhe conhecimento conosco!

God and everybody everyone hates you GIF on GIFER - by Goltikus

Se você esteve conosco ao vivo, por favor, deixe os seus comentários abaixo!

Troca de Plantão

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você