[ editar artigo]

90% dos países interrompem os serviços essenciais de saúde devido à pandemia

90% dos países interrompem os serviços essenciais de saúde devido à pandemia

A Organização Mundial da Saúde revela que após um ano de pandemia da COVID-19, interrupções substanciais persistem, com cerca de 90% dos países ainda relatando uma ou mais interrupções em serviços essenciais de saúde, sem nenhuma mudança global substancial desde a primeira pesquisa realizada no verão de 2020.

Dentro dos países, entretanto, a magnitude e a extensão das interrupções geralmente diminuíram. Em 2020, os países relataram que, em média, cerca de metade dos serviços essenciais de saúde foram interrompidos. Nos primeiros 3 meses de 2021, no entanto, eles relataram progresso, com pouco mais de um terço dos serviços sendo interrompidos.

Superando interrupções

Os países têm trabalhado para mitigar interrupções. Muitos agora intensificaram os esforços de comunicação para informar o público sobre as mudanças na prestação de serviços e fornecer orientações sobre maneiras de buscar cuidados de saúde com segurança. Eles também estão fazendo uma triagem para identificar e atender melhor às necessidades mais urgentes dos pacientes.

Mais da metade dos países consultados afirmam ter recrutado pessoal adicional para aumentar a força de trabalho em saúde; os pacientes foram redirecionados para outras instalações de cuidados; e houve mudanças para métodos alternativos de prestação de cuidados, como fornecer mais serviços domiciliares, prescrições de vários meses para tratamentos e aumento no uso da telemedicina.

Além disso, a OMS e seus parceiros têm ajudado os países a adaptar seus processos para que possam responder melhor aos desafios que estão sendo colocados em seus sistemas de saúde; fortalecer a atenção primária à saúde e promover a cobertura universal de saúde.

“É encorajador ver que os países estão começando a reconstruir seus serviços essenciais de saúde, mas ainda há muito a ser feito”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS. “A pesquisa destaca a necessidade de intensificar esforços e tomar medidas adicionais para fechar lacunas e fortalecer os serviços. Será especialmente importante monitorar a situação nos países que estavam lutando para fornecer serviços de saúde antes da pandemia. ”

Causas persistentes de interrupções

Os países ainda precisam tomar decisões importantes ao responder a COVID-19 que podem afetar negativamente o acesso aos cuidados para outras questões de saúde.

Embora possam ter contratado novos funcionários, 66% dos países continuam a relatar as razões relacionadas à força de trabalho de saúde como as causas mais comuns de interrupções nos serviços. As cadeias de suprimentos também ainda são interrompidas em quase um terço dos países, afetando a disponibilidade de medicamentos essenciais, diagnósticos e EPIs necessários para fornecer cuidados com segurança e eficácia.

Os esforços de comunicação precisam ser ainda mais ampliados: mais da metade dos países relatam interrupções no serviço devido a pacientes que não procuram atendimento e por causa da desconfiança da comunidade e do medo de serem infectados.

Enquanto isso, 43% dos países citam os desafios financeiros como as principais causas de interrupções na utilização dos serviços. 

Como resultado, milhões de pessoas ainda estão perdendo serviços de saúde vitais. Em termos de serviços, o maior impacto relatado por quase metade dos países é na prestação de cuidados primários diários para prevenir e gerir alguns dos problemas de saúde mais comuns. Os cuidados de longo prazo para condições crônicas, reabilitação e cuidados paliativos no fim da vida também estão gravemente interrompidos - afetando gravemente os idosos e pessoas com deficiências.

As intervenções de emergência, cuidados críticos e cirúrgicos com potencial para salvar vidas ainda são interrompidas em cerca de 20% dos países, refletindo as consequências indiretas mais imediatas da pandemia. Dois terços dos países também relatam interrupções em cirurgias eletivas, com consequências acumuladas à medida que a pandemia se prolonga.

Entre os serviços de saúde mais amplamente afetados (ou seja, aqueles em que mais de 40% dos países relatam interrupções) estão os de transtornos mentais, neurológicos e de uso de substâncias; doenças tropicais negligenciadas; tuberculose; HIV e hepatite B e C; rastreio de câncer e serviços para outras doenças não transmissíveis, incluindo hipertensão e diabetes; planejamento familiar e contracepção; atendimento odontológico de urgência; e desnutrição.

Mais de um terço dos países ainda relatam interrupções na imunização , apesar do progresso nos países que reduzem as interrupções nos serviços de imunização nas unidades de saúde e nos serviços de imunização de “extensão” em cerca de 20% e 30%, respectivamente, em comparação com 2020. Isso destaca a necessidade de abordagens novas e sustentadas para melhorar a cobertura e aceitação da imunização.

A OMS afirma que continuará a apoiar os países para que possam responder ao aumento das pressões nos sistemas de saúde e às prioridades e necessidades em rápida evolução durante o curso da pandemia, e para garantir que as estratégias de controle da COVID-19 estejam equilibradas para enfrentar outras prioridades de saúde e garantir a continuidade acesso à atenção integral para todos, inclusive os mais vulneráveis.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Com informação da Organização Mundial da Saúde. Texto elaborado e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral.

https://www.who.int/news/item/23-04-2021-covid-19-continues-to-disrupt-essential-health-services-in-90-of-countries

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você