[ editar artigo]

Como a FMUSP utiliza e produz telemedicina

Como a FMUSP utiliza e produz telemedicina

Como a FMUSP utiliza e produz telemedicina

O uso da Tecnologia da Informação para auxiliar as ações integradoras na educação em saúde

Por Fernando Carbonieri

Simpósio apresentado por Cleinaldo Costa - UEAM, Chao Lung Wen - FMUSP; Caio Seti Takashiki - acadêmico FMUSP.

O que é telemedicina?

Telemedicina pode ser definida como o conjunto de tecnologias e aplicações que permitem a realização de ações médicas à distância.

É possível que novas modalidades de ação médica, onde a telemedicina esteja sendo aplicada, surjam com grande velocidade nos próximos anos. Nos dias de hoje, vem sendo aplicada mais freqüentemente em hospitais e instituições de saúde que buscam outras instituições de referência para consultar e trocar informações.

A grande vantagem no momento é sua aplicação na assistência primária a pequenas comunidades em regiões geográficas e/ou socioculturais distantes dos grandes centros urbanos. Estas regiões estão entre as áreas de maior risco no processo adoecer e morrer, devido à escassez de profissionais habilitados em identificar doenças, tratá-las e promover a saúde a nível local. Um dos principais motivos disso é o isolamento intelectual e escassos recursos de auxílio diagnóstico. Acredita-se que a telemedicina possa ampliar as ações de profissionais e agentes comunitários de saúde, integrando-os aos serviços de saúde, localizados em hospitais e centros de referência, mantendo um mecanismo de atendimento contínuo para prevenção, diagnóstico e tratamento.

Como vantagens do uso da telemedicina, temos:

  •  Redução do tempo e dos custos, pela desnecessidade de transportar os pacientes;
  • ajuste do gerenciamento dos recursos de saúde devido à avaliação e triagem por especialistas;
  • acesso rápido a especialistas em casos de acidentes e emergências; diminuição da pressão sobre hospitais já comprometidos pela falta de leitos e recursos; uso mais eficiente de recursos, através da centralização de especialistas e da descentralização da assistência, alcançando um número maior de pessoas;
  •  cooperação e integração de pesquisadores com o compartilhamento de registros clínicos;
  • maior qualidade dos programas educacionais para médicos e residentes localizados em zonas fora de centros especializados.

Esse simpósio iniciou-se com a demonstração de todo o sistema de tele-educação da FMUSP. Um programa chamado Pró Inova Educação. Para ilustrar, utilizarei do texto explicativo do programa.

O programa engloba desde a modernização de estuturas físicas para garantir a conectividade e funcionalidade tecnológicas durante as aulas até a consolidação de novos modelos de aprendizagem baseados em teleducação interativa. As principais ações são:

Anfiteatros conectados e interativos: as tradicionais salas de aula dos graduandos são os anfiteatros. Eles terão a infraestrutura para conexão WiFi de alta performance e transmissão online das aulas, permitindo que os alunos tenham acesso a elas de qualquer lugar da faculdade, através de tecnologia móveis como tablets ou smartphones, com possibilidade de interatividade com professores e alunos e de transmissão online pela Rede de Educação e pesquisa (ePesq) do complexo FMUSP/HC, oferecendo, desta forma a possibilidade de aprendizado integrado dos assuntos.

Plataformas educacionais: os alunos podem aprender com as plataformas educacionais baseadas na web/internet, que utilizam conteúdo digitais em multimídia. As plataformas FMUSP são constituidas pelos sistemas SisLau-Wiki (plataforma para aprendizado colaborativo) eCursos (baseado em plataforma Moodle para cursos estruturados) e Ambulatório Digital (para promover o aprendizaado baseado na abordagem clínica e segunda opinião à distância, mantendo contato com a realidade das Unidades de Saúde que trabalham com atenção básica à saúde.

Centro de produção digital (CPDgi):  Estúdios para produção e edição de vídeos com objetivos educacionais (Unidades de Conhecimento), nos quais trabalham uma equipe de comunicação especializada em educação em saúde (Disign de comunicação educacional). O CPDgi utiliza, em suas diversas categorias de vídeos, as imagens do Projeto Homem Virtual, sequências dinâmicas em computação gráfica tridimensional que explicam visualmente, de forma simples e rápida, a anatomia e os procssos fisiopatológicos do corpo humano.

Canal Saúde/IPTV USP: o projeto IPTV USP está à disposição da comunidade para divulgação de informações educacionais, científicas e culturais produzidas na USP. Entre os canais oferecidos está o Canal Saúde, coordenado pela FMUSP/Disciplina de Telemedicina, que oferece uma comunicação agradável e objetiva para educação e promoção de saúde nas comunidades.

Pró Inovalab: A FMUSP participa de dois projetos aprovados pela pró-reitoria de graduação da USP, por meio do programa Pró Inovalab (Pró inovação no ensino prático de graduação). O LabDac ( Laboratório digital de aprendizado clínico-prático) refere-se a estruturação de ambulatórios digitais para formação dos alunos em Teleassistência, através da Segunda Opinião Formativa e do Telediagnóstico. Já o LAAIC (Laboratório de Aprendizagem de Anatomia Integrada à Clínica) visa mordenizar o ensino da anatomia humana, utilizando como recursos a videoconferência, as autópsias, a segunda opinião formativa e a biblioteca digital da FMUSP.

Biblioteca Interativa e Observatório de Produção Intelectual da FMUSP: a Biblioteca Interativa oferece, dentro da Biblioteca da FMUSP, ambientes agradáveis e funcionais para estudo por meio de tecnologias educacionais interativas. Entre as inovações estão o acesso a rede WiFi de alta performance, smartv LED 60'', computadores all in one, tablets e ultrabooks para empréstimo aos alunos enquanto estão na biblioteca. O Observatório de Produção Intelectual (OPI) é uma biblioteca digital que disponibiliza as produções intelectuais em saúde das instituições devidamente indexadas.

Esse sistema parece ser o futuro da educação médica mundial. Universidades estrangeiras conceituadas já o utilizam com bastante sucesso. No simpósio foi mencionado um estudo que comparava o rendimento entre os alunos que utilizavam das aulas online e os que assistiam às aulas presenciais. Diferentemente do esperado, aqueles tiveram maior rendimento.

 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você