[ editar artigo]

Corpos cetônicos e doença renal no diabetes mellitus

Corpos cetônicos e doença renal no diabetes mellitus

O Diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é um problema de saúde global em expansão, intimamente relacionado à epidemia de obesidade. Os indivíduos com DM2 apresentam alto risco de complicações microvasculares (incluindo retinopatia, nefropatia e neuropatia) e complicações macrovasculares (como comorbidades cardiovasculares) devido à hiperglicemia e componentes individuais da síndrome de resistência à insulina (metabólica). Fatores ambientais (por exemplo, obesidade, dieta pouco saudável e inatividade física) e genéticos contribuem para os múltiplos distúrbios fisiopatológicos que são responsáveis pela diminuição da homeostase da glicose no DM2. A resistência à insulina e a secreção prejudicada de insulina são os principais déficits que compõem a fisiopatologia do DM2.¹

O diabetes é a causa patológica mais comum de níveis elevados de cetonas no sangue. Na cetoacidose diabética (CAD), altos níveis de cetonas são produzidos em resposta aos baixos níveis de insulina e altos níveis de hormônios contra-reguladores.¹

Os corpos cetônicos são produzidos pelo fígado e usados perifericamente como fonte de energia quando a glicose não está prontamente disponível. Os dois principais corpos cetônicos são o acetoacetato (AcAc) e o 3-beta-hidroxibutirato (3HB), enquanto a acetona é o terceiro e menos abundante corpo cetônico. As cetonas estão sempre presentes no sangue e seus níveis aumentam durante o jejum e exercícios prolongados. Eles também são encontrados no sangue de recém-nascidos e mulheres grávidas.²

A doença renal diabética (DRD) é uma das complicações mais importantes do diabetes, bem como a principal causa da doença renal em estágio terminal e da terapia de substituição renal, o que reduz notavelmente a qualidade de vida e aumenta a mortalidade dos pacientes. Os fatores de risco podem ser classificados como fatores irreversíveis (por exemplo, idade, sexo e duração do diabetes) e fatores modificáveis (por exemplo, hiperglicemia, hipertensão, dislipidemia e tabagismo). Além disso, os fatores de proteção estabelecidos para DRD incluem controle de açúcar no sangue, controle da pressão arterial e redução da proteinuria.³

Mas será que existe alguma correlação entre a função renal de pacientes com DM2 e a quantidade de corpos cetônicos encontrados no organismo?

Foi pensando nessa pergunta que um estudo retrospectivo de 955 pacientes com DM2 (426 mulheres e 529 homens) foi realizado de dezembro de 2017 à setembro de 2019, em pacientes com diagnóstico para diabetes tipo 2 e dados de corpos cetônicos.

Os pacientes foram divididos em grupos diferentes de acordo com os níveis de corpos cetônicos:

  1. grupo normal baixo: 0,02-0,04 mmol / L,
  2. grupo normal médio: 0,05-0,08 mmol / L,
  3. grupo normal alto: 0,09-0,27 mmol / L, e
  4. grupo ligeiramente elevado:> 0,27 e <3,0 mmol / L.³

As características clínico-patológicas dos 955 pacientes com DM2 foram categorizadas de acordo com seus níveis de CCs.

Dos quatro grupos, os pacientes nos grupos até CC normal alto demonstraram a maior eTFG (P ​​<0,01) e a menor taxa de incidência de DRD (P <0:05).

Mudanças significativas foram observadas em idade, sexo, tabagismo, etilismo, frequência cardíaca, glicose plasmática de jejum, glicose plasmática de 2 horas, HbA1c, TG, albumina, α1-MG e proteína urinária. No entanto, nenhuma diferença significativa foi observada em outros parâmetros laboratoriais. Além disso, a análise de regressão linear múltipla mostrou que sexo, IMC, e etilismo foram significativamente associados com a  presença de CCs em pacientes com DM2 (todos P <0,05).

Foi encontrada associação entre os níveis de CCs e DRD. Uma diferença significativa na prevalência de DRD foi observada no estudo (grupo CC normal baixo, 35,10%; grupo CC normal médio, 32,30%; grupo CC normal alto, 30,00%; grupo CC ligeiramente elevado, 47,10%; P = 0: 031.³

Desta forma, indivíduos com níveis normais de corpos cetônicos tiveram o menor risco de doença renal diabética e aumento do pico de velocidade sistólica (PSV); aqueles com níveis médios normais de CCs tiveram o menor risco de aumento do índice de resistência arterial renal, com uma correlação positiva entre o aumento da α1-microglobulina e a concentração de corpos cetônicos. A concentração de corpos cetônicos inferior a 0,09 mmol / L pode ser aplicada como o limite para baixo risco de dano à função renal.³

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


eferências

 

  1. DEFRONZO, Ralph A. et al. Type 2 diabetes mellitus. Nature reviews Disease primers, v. 1, n. 1, p. 1-22, 2015.

  2. LAFFEL, Lori. Ketone bodies: a review of physiology, pathophysiology and application of monitoring to diabetes. Diabetes/metabolism research and reviews, v. 15, n. 6, p. 412-426, 1999.

  3. LI, Yimei et al. The Value of Ketone Bodies in the Evaluation of Kidney Function in Patients with Type 2 Diabetes Mellitus. Journal of Diabetes Research, v. 2021, 2021.

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você