[ editar artigo]

Efeitos da pandemia na saúde mental dos alunos

Efeitos da pandemia na saúde mental dos alunos

Por Diego Arthur Castro Cabral(@arthurcastro)- Colaborador da Academia Médica

Três estudos estadunidenses descreveram os efeitos da pandemia da COVID-19 em alunos e funcionários de escolas públicas de alguns estados americanos. Um deles descobriu que um quarto das crianças e adolescentes nas escolas de Chicago ficou estressado após o fechamento das escolas e implementação do ensino à distância; outro demonstrou que os casos de coronavírus foram elevados em escolas que tomaram poucas ou nenhuma medida de mitigação, e o último concluiu que o aprendizado presencial nas escolas públicas de Nova York não estava vinculado ao aumento de infecções virais.

Solidão, raiva, ansiedade, depressão

O primeiro estudo, liderado por pesquisadores do Children's Hospital of Chicago e publicado no JAMA Network Open, consistiu em uma pesquisa anônima com 32.217 cuidadores de alunos de escolas públicas de Chicago, 3 ou 4 meses após o fechamento das escolas por conta da pandemia da COVID-19 e a implementação de aprendizagem online.

Pesquisados ​​no período entre 24 de junho a 15 de julho de 2020, os cuidadores avaliaram a saúde mental de mais de 40.000 alunos do pré-jardim ao último ano do ensino médio. Após o fechamento da escola, as preocupações dos cuidadores sobre a solidão dos alunos aumentaram mais de oito vezes (3,6% vs 31,9%), enquanto as preocupações com a ideação suicida ou automutilação permaneceram as mesmas (0,5% vs 0,6%).

De 12,8% a 30,2% dos alunos foram caracterizados como ansiosos, deprimidos, solitários ou estressados ​​após o fechamento das escolas, quando não antes.

Ao mesmo tempo, os relatos dos cuidadores de características de ajuste positivas caíram 13,4 pontos percentuais em termos de planos para o futuro (44,3% antes do fechamento das escolas vs 30,9% depois) e caíram 13,6 pontos percentuais em termos de relações positivas com os pares (60,4% vs 46,8 %). De 21,1% a 44,3% dos jovens foram descritos como tendo características de ajustamento positivas após o início da aprendizagem virtual.

Todas as preocupações com a saúde mental aumentaram em probabilidade após a contabilização de covariáveis, enquanto todas as características de ajuste positivo diminuíram conforme as exposições a coronavírus e estressores familiares aumentaram.

As exposições da COVID-19 foram significativamente diferentes entre raças e estratificação de renda familiar, com famílias negras, latinas e de baixa renda relatando taxas mais altas de estressores relacionados à COVID-19, que os pesquisadores atribuíram ao racismo sistêmico e injustiças estruturais, como a falta de recursos e falta de acesso aos cuidados de saúde. Entre os cuidadores, 39,3% eram brancos, 30,2% eram latinos, 22,4% eram negros e 8,1% eram multirraciais.

“A prevalência dessas preocupações demonstra a necessidade de uma abordagem abrangente de saúde pública que priorize o bem-estar das crianças e chame a atenção do público para as necessidades de saúde mental dos jovens”, escreveram os autores.

O co-autor sênior Kenneth Fox, MD, das Escolas Públicas de Chicago, disse em um comunicado à imprensa do Children's Hospital of Chicago que a pandemia revelou como as escolas são importantes para a comunidade em termos de acesso a alimentos, saúde, serviços de saúde mental e proteção infantil .

“Embora as escolas continuem atendendo a essas necessidades, acreditamos que elas também servirão como locais de cura da comunidade, onde as estratégias e sistemas de saúde pública podem convergir e se alinhar para atender às famílias de maneiras inovadoras”, disse Fox. "Esta convergência pode ser uma forma poderosa de abordar o aumento das necessidades de saúde mental que a pandemia gerou entre nossos alunos, especialmente aqueles das comunidades Negras e Latinas, para garantir acesso equitativo a suporte e cuidados."

O caso para reabertura

Em um editorial no mesmo jornal, Danielle Dooley, MD, MPhil, do Children's National Hospital em Washington, DC, e Dimitri Christakis, MD, MPH, do Seattle Children's Research Institute, disseram que o bem-estar das crianças foi eclipsado por uma ênfase sobre a reabertura de locais de trabalho, restaurantes e outros negócios e as necessidades dos adultos.

“Em cada estágio da evolução da pandemia na maioria das comunidades, a reabertura de escolas foi uma reflexão tardia e não uma prioridade”, escreveram Dooley e Christakis. "O tempo para debater a reabertura da escola já passou. Precisamos nos concentrar na reformulação da escola."

Eles pediram grandes investimentos em serviços de saúde baseados em escolas, melhor acesso a serviços de saúde mental multigeracionais, melhores protocolos de segurança escolar, planos de reabertura em todo o distrito, rastreamento de contato acelerado, quarentenas encurtadas após a exposição para minimizar o tempo de aprendizagem perdido e treinamento de funcionários da escola para lidar com declínio cognitivo, trauma e problemas de saúde mental relacionados à pandemia.

“Deve haver uma comunicação transparente e honesta entre famílias, formuladores de políticas públicas e sindicatos de professores sobre o que constitui risco aceitável relacionado à abertura de escolas”, disseram os autores do editorial.

"Nunca será zero e isso não pode ser um princípio operacional para a abertura."

Quanto mais medidas de mitigação, melhor

No segundo estudo , publicado na Science , uma equipe liderada por pesquisadores da Johns Hopkins entrevistou eletronicamente 576.051 pais ou outros cuidadores de crianças do pré-jardim ao ensino médio que frequentava uma das mais de 130.000 escolas dos EUA durante a pandemia da COVID-19.

As pesquisas foram enviadas de 24 de novembro a 23 de dezembro de 2020 e de 11 de janeiro a 10 de fevereiro de 2021, antes da ampla disponibilidade da vacina e da proliferação generalizada da variante do coronavírus B117 nos Estados Unidos. A variante foi associada a uma maior transmissão de doenças.

Após o ajuste para a atividade da COVID-19 no condado e outros fatores além das medidas de mitigação da escola, as pessoas que moravam em uma casa com uma criança que frequentava a escola presencial tinham 38% mais probabilidade do que outros adultos de relatar uma doença semelhante ao coronavírus com sintomas como febre, tosse, falta de ar ou dificuldade para respirar. Eles eram 21% mais propensos a relatar uma perda de olfato ou paladar e 30% mais propensos a ter um resultado positivo no teste COVID-19. Essas associações se tornaram mais fortes com o aumento do nível de escolaridade.

Os entrevistados relataram, em média, 6,7 medidas de mitigação escolar, com as menos relatadas em Dakota do Sul (4,6) e a maioria em Vermont (8,9). Cada medida de mitigação escolar, como triagem diária de sintomas, mascaramento do professor e cancelamento de atividades extracurriculares, foi associada a uma redução de 9% na probabilidade de doença semelhante ao coronavírus, uma redução de 8% nas chances de perda do olfato ou paladar, e uma probabilidade reduzida de 7% de um resultado positivo de teste para COVID-19. As escolas que tomaram pelo menos sete medidas de mitigação eliminaram o risco excessivo da educação presencial.

"Os resultados apresentados aqui fornecem evidências de que a escolaridade presencial representa um risco para aqueles que vivem nas famílias dos alunos, mas que esse risco pode ser administrado por meio de medidas de mitigação baseadas na escola comumente implementadas", escreveram os autores.

Menos infecções nas escolas do que na comunidade

No terceiro estudo , publicado na Pediatrics, uma equipe liderada por cientistas do gabinete do prefeito de Nova York e dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças analisou dados de 234.132 pessoas testadas para COVID-19 em 1.594 escolas públicas da cidade de Nova York em 9 de outubro a 18 de dezembro de 2020. As escolas estavam operando pessoalmente sob rigorosos protocolos de mitigação.

Das 234.132 pessoas testadas, 0,4% foram positivas para COVID-19. A prevalência de COVID-19 nas escolas foi semelhante ou inferior à da comunidade envolvente em todas as semanas estudadas.

Quando os pesquisadores compararam os dados de 2.231 casos de COVID-19 ocorridos em alunos e funcionários com os de 86.576 casos na cidade de Nova York durante o período do estudo, eles descobriram que a incidência do coronavírus era menor para alunos e funcionários do que na comunidade. Entre 36.423 contatos próximos baseados na escola, 0,5% testou positivo para COVID-19, com um adulto provavelmente sendo a fonte de 78,0% dos casos secundários.

Quando protocolos estritos foram implementados para prevenir, diagnosticar e gerenciar casos associados à escola, a aprendizagem presencial em escolas públicas não foi associada ao aumento da prevalência e incidência geral em comparação com a comunidade em geral, e a transmissão secundária foi rara", concluíram os autores .

Qual a sua opinião sobre a reabertura das escolas, caro leitor? Conta para a gente aqui no comentários.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

  1. Raviv, T., Warren, C. M., Washburn, J. J., Kanaley, M. K., Eihentale, L., Goldenthal, H. J., ... & Gupta, R. (2021). Caregiver Perceptions of Children’s Psychological Well-being During the COVID-19 Pandemic. JAMA Network Open, 4(4), e2111103-e2111103.
  2. https://www.eurekalert.org/pub_releases/2021-04/arh-csa042821.php
  3. Dooley, D. G., & Christakis, D. (2021). It Is Time to End the Debate Over School Reopening. JAMA Network Open, 4(4), e2111125-e2111125.
  4. Lessler, J., Grabowski, M. K., Grantz, K. H., Badillo-Goicoechea, E., Metcalf, C. J. E., Lupton-Smith, C., ... & Stuart, E. A. (2021). Household COVID-19 risk and in-person schooling. Science.
  5. Varma, J. K., Thamkittikasem, J., Whittemore, K., Alexander, M., Stephens, D. H., Arslanian, K., ... & Long, T. G. (2021). COVID-19 Infections among Students and Staff in New York City Public Schools. Pediatrics, 147(5).
  6. https://www.cidrap.umn.edu/news-perspective/2021/04/covid-studies-note-online-learning-stress-fewer-cases-schools-protoco

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você