[ editar artigo]

Liderança colaborativa entre estudantes de medicina - o que eu aprendi no CESMED em Goiás

Liderança colaborativa entre estudantes de medicina - o que eu aprendi no CESMED em Goiás

Há mais de 6 anos eu escrevo aqui na academia médica sobre o que a faculdade esqueceu de nos ensinar. Uma das coisas que eu tenho certeza de que nos falta nos currículos é o ensino da Liderança nas faculdades de medicina. E se algo assim tão imprescindível nos falta, vamos atrás e desenvolvemos.

No fim de semana dos dias 18, 19 e 20 de maio fui convidado para falar em duas oportunidades durante o 3º CESMED (Congresso Goiano de Escolas Médicas). A primeira delas sobre o como criar startups em saúde. A segunda, mais espinhosa, sobre "A necessidade do ensino da Liderança pelas Faculdades de medicina". 

Preparei-me para tirar da zona de conforto alguns dos 1300 acadêmicos de medicina inscritos no congresso. Aproximadamente 50 se inscreveram para a palestra sobre liderança, e mais 50 para a de Startups. Retornava após um ano da minha primeira ida a Goiânia e estava empolgado em voltar para este congresso que já tinha sido um sucesso no ano anterior. Pronto para dar minhas aulas,  que eu não sabia é que era eu quem teria o maior aprendizado.

O CESMED, para quem ainda não conhece, certamente é o maior congresso de Acadêmicos de Medicina para Acadêmicos de Medicina do Brasil e contou, na sua terceira edição, com a participação de 1300 acadêmicos de 10 estados. Fora do eixo Rio/São Paulo, destaca-se pela vanguarda dos temas propostos, sempre com nomes que já ficaram na história da medicina brasileira.

Números gigantes, que elevam o sarrafo para que a próxima comissão organizadora consiga engajar mais gente, com uma qualidade ainda maior. Para conseguir entregar o valor que nós palestrantes percebemos, foram mais de 100 voluntários. Cada grupo de voluntários, organizados sob uma diretoria e a presidência. 

Até aí, nada de muito novo. Eventos gigantes precisam de uma organização gigante. Além de um congresso impecável. Com salas sempre cheias, um dos momentos que mais me chamaram a atenção foi a reunião de encerramento. Claro que as palestras que pud assistir e ministrar forma bem interessantes, mas poder assistir o fechamento de tudo foi muito inspirador e gratificante. A medicina no Brasil tem jeito e não serão as instituições que farão isso. São os futuros médicos.

 Pude ver o esforço de cada uma das pessoas que ali estavam. Todos transparecendo a sensação de dever cumprido. A doação que todos tiveram para realizar este sonho tinha origem na entrega da diretoria. Alí pude ver na prática a liderança servidora tão bem relatada no "O Monge e o Executivo", que possivelmente foi lido por poucos deles. Nada de estrelato, apenas servidão a um propósito e o entendimento que as grandes coisas acontecem apenas com a união de muitos.  Um propósito, a união de líderes servidores e uma legião de pessoas querendo fazer parte do futuro da medicina.

Aos poucos entendi mais sobre a história deste congresso e porque ele é grande e motivador. Zero politicagem, pura vontade de fazer mais pelos colegas. O entendimento de que fornecer o melhor ambiente para o seu par é a melhor maneira de mover todos a excelência. Ambiente criado, conhecimento compartilhado. Mesmo sendo um congresso realizado pela PUC Goiás e pelo CA da Instituição, não pude presenciar egos inflados frente ao feito que estavam realizando. O congresso contou com o envolvimento de acadêmicos de todas as escolas de Goiás, que entenderam o propósito da união frente às mudanças que impactaram a medicina nos últimos anos.

Não vi os pedestais tão presentes em nossa profissão. Vi um futuro promissor de pessoas que vão fazer muito pela medicina goiana, brasileira e mundial, assim como outros médicos goianos, presentes no congresso, já fizeram. Não é nenhum exagero não. O congresso contou com nomes como Dr. Antônio de Salles (formado na UFG, professor titular de Neurocirurgia e Radioterapia da Universidade da Califórnia e Chefe da Neurociência do HCOR) e o Professor Celmo Celeno Porto (Hoje professor da UFG, dispensa apresentações pois ensinou a semiologia médica a várias gerações de médicos brasileiros). Ainda podemos ter duas experiências fantásticas com a Ana Claudia Quintana Arantes, uma das médicas mais sensíveis que já ouvi falar ao vivo.

Com o Subtítulo "Transição da Medicina: Um futuro de insegurança" este congresso me deixou extremamente seguro de que as pessoas que escreverão o futuro aqui no país já o estão fazendo de dentro de suas faculdade, ensinando-as novamente que a medicina é feita de propósito e não de politicagem. 

Um abraço e muito obrigado a todos da comissão organizadora (todos os integrantes AQUI). Em especial aos amigos Bruno Oliveira, Lucas Praxedes, Stefano Machado Garcia de Souza, Guilherme Martins, Adalberto Moraes, Diego Machado, Matheus Carvalho Diniz e Matheus Henrique Bastos Martins  que ficaram mais próximos durante a minha passagem por goiânia e aos "ubers" Lucas e Pedro que me levaram pra cima e para baixo. Aos não citados aqui fica também o meu reconhecimento.

Muito obrigado.

Foi muito bom aprender com vocês e me inspirar em vocês. Ano que vem tem mais.

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você