[ editar artigo]

Metas SMART: saiba como e o porquê você deve incluí-las na sua rotina de atendimento

Metas SMART: saiba como e o porquê você deve incluí-las na sua rotina de atendimento

Praticamente todo profissional de saúde vai, em algum momento, recomendar uma mudança de estilo de vida para algum paciente. No entanto, todos nós sabemos que para implementar um novo hábito ou nos livrarmos de um hábito ruim não basta só "querer".

As metas SMART vêm para auxiliar o indivíduo neste processo, e podem ser utilizadas em várias áreas da vida, para atingir os mais diversos objetivos. Seu acrônimo vem das palavras em inglês specific, measurable, action-based, relevant e time- based.

Isso quer dizer que, para facilitar o entendimento e execução de uma meta, ela deve ser específica, mensurável, baseada em ações (e não em resultados), realistas e desenhadas para um tempo específico. Confira abaixo um pouco mais de cada um destes parâmetros:

S - Específica:

Qualquer meta fica mais fácil de ser alcançada quando se sabe exatamente o que se quer atingir. Por isso, se você quer estimular que o seu paciente, seja mais ativo, não diga somente "faça exercícios físicos". Em conjunto, busquem, você e ele, traçar especificamente o quê e como. "Ah doutor, eu gosto de caminhar no parque, então é isso que vou me comprometer a fazer".

M - Mensurável

Quando uma meta é mensurável é mais fácil observar e monitorar o progresso. Isso também permite eventuais ajustes de rota: se o paciente vê que não vai conseguir atingir sua meta, ele pode pedir ajuda para mudar seus objetivos ou ficar mais audacioso. "Doutor, até a nossa próxima consulta eu vou estar conseguindo dar 5 voltas no parque sem precisar parar para descansar". Perfeito, dar 5 voltas no parque.

A - Alcançável

Quem não tem algum conhecido que quis emagrecer 5 quilos em 10 dias? Obviamente que isso não foi possível. Portanto, as metas devem ser alcançáveis. Se o seu paciente está saindo do sedentarismo e disser que vai fazer exercícios todos os dias, tem grandes chances de ficar frustrado. "Então doutor, acho que 3 vezes na semana eu consigo me organizar para ir no parque caminhar por meia hora". Ótimo!

R - Relevante

É importante, neste primeiro momento, fazer o paciente perceber os benefícios que ele terá ao atingir a meta. "Como atingir este objetivo vai te impactar? Esta meta é relevante para você?". Quando o paciente tem a real consciência do "porquê" ele quer fazer algo, o "como" se torna mais fácil.

T - Temporal

Por fim, para atingir uma meta SMART, é preciso estipular prazos. Caso contrário, corre-se o risco de acabar na procrastinação. Claro, não precisa ser uma data engessada, mas é importante que haja um período acordado. "Doutor, até a nossa próxima consulta, em 3 meses".

Desta forma, médico e paciente estipularam juntos uma meta SMART: caminhar 3 vezes por semana no parque, durante meia hora, e estar conseguindo dar 5 voltas no parque até a próxima consulta. Muito melhor do que deixar tudo na mão do paciente não? Esta ferramenta auxilia muito na adesão do paciente ao tratamento e às mudanças de hábitos, e proporciona métricas para que o profissional possa acompanhá-lo melhor. Você já conhecia as metas SMART? Conte para nós!

 

Links relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você