[ editar artigo]

Ministério da Saúde usará tecnologia da Fiocruz Amazônia para combater Aedes aegypti

Ministério da Saúde usará tecnologia da Fiocruz Amazônia para combater Aedes aegypti

As “Estações Disseminadoras de Larvicida” (EDLS) ou armadilhas usadas como mecanismo de controle  do vetor Aedes aegypti serão incorporadas  pelo Ministério da Saúde (MS) no combate à dengue. A tecnologia foi desenvolvida como uma diretriz da Coordenação-Geral de Vigilância de Arboviroses, do MS, pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) e consiste na utilização de um pote plástico de dois litros recoberto por um tecido sintético impregnado de larvicida.

Leia também:  OMS lança projeto para combater arboviroses: dengue, Zika, febre-amarela e Chikungunya

Na prática, a armadilha atrai as fêmeas do mosquito. Ao pousarem no recipiente para colocar seus ovos, elas são impregnadas com o larvicida e, quando visitam os criadouros, os contaminam com o inseticida. O resultado? Redução no desenvolvimento de larvas e pupas e, consequentemente, menor infestação e avanço da dengue.

A metodologia é destaque pela facilidade operacional e custo baixo para implementação. As EDLS  foram testadas e aprovadas em 14 cidades brasileiras, entre os anos de 2017 e 2020 segundo os pesquisadores que coordenam o estudo, Sérgio Luz e Joaquin Carvajal Cortes, ambos da Fiocruz Amazônia.

Até o momento, os ensaios realizados comprovam que o mosquito é capaz de carregar o larvicida em uma distância de até 400 metros, o que significa que a mortalidade das larvas têm de 90% a 95% de sucesso nos criadouros visitados.

Saiba mais: Paralelo entre a COVID-19 e a DENGUE

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, a ideia de usar as fêmeas do Aedes aegypt como dispersoras do veneno surgiu em 2012, por meio de um artigo do cientista japonês, Takaaki Itoh, que demonstrou em condições de laboratório que os Aedes aegypti eram capazes de veicular o larvicida para diferentes ambientes. A Fiocruz Amazônia mantinha na época um estudo de base entomológica, desde 2007, no bairro Tancredo Neves, na Zona Leste de Manaus, onde era feito o monitoramento das populações de mosquitos. 


Referência

  1. PORTAL FIOCRUZ. Tecnologia desenvolvida na Fiocruz será usada pelo MS contra o 'Aedes aegypti'. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/tecnologia-desenvolvida-na-fiocruz-sera-usada-pelo-ms-contra-o-aedes-aegypti. Acesso em: 02 de maio de 2022.

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você