[ editar artigo]

OMS lança projeto para combater arboviroses: dengue, Zika, febre-amarela e Chikungunya

OMS lança projeto para combater arboviroses: dengue, Zika, febre-amarela e Chikungunya

 

Com o objetivo de controlar arboviroses (dengue, Zika, febre -amarela e Chikungunya), a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou um novo projeto: Iniciativa Global de Arboviroses. Segundo a entidade, uma das principais ações do projeto é "concentrar recursos no monitoramento de risco, na prevenção de pandemias, na detecção e na resposta das doenças".

Atualmente, as arboviroses representam uma forte ameaça à saúde global, sobretudo nas zonas tropicais e subtropicais e, de acordo com a agência da ONU, o projeto tem dimensão internacional justamente devido à frequência e  magnitude dos surtos causados por essas doenças.

Segundo a OMS, estima-se que 390 milhões de pessoas  são infectadas com dengue em 130 países onde a doença é endêmica. Nos casos mais graves, a dengue pode causar febre hemorrágica e matar. A febre-amarela, por sua vez, apresenta alto risco de surtos em 40 países e além de ser fatal, causa febre hemorrágica e icterícia. A Chikungunya está presente em 115 países e causa, entre outras consequências, artrite serva. O Zika vírus  foi responsável por uma epidemia, em 89 países,  que causou deficiências em bebês e casos de microcefalia.

Leia também: Risco de nova pandemia causada por água contaminada com antibióticos e superbactérias é real, declara Pnuma

Sobre a Iniciativa Global de Arboviroses  

Em entrevista concedida à ONU News, o médico e especialista da OMS, Mike Ryan, afirmou que há uma urgência na reavaliação das ferramentas de combate à transmissão das doenças.

Na prática, essa missão inclui treinamento da equipe, engajamento de comunidades e envolvimento conjunto das autoridades de saúde de várias partes do mundo. Abaixo, listamos as principais ações propostas pelo projeto:

• Fortalecimento das ações de monitoramento e gestão de riscos das doenças;

• Ações que visam a redução de novas pandemias e/ou epidemias locais;

• Investimento na prevenção e no preparo de pandemias;

• Fortalecimento do controle vetorial das doenças;

• Construção de parcerias e investimento em projetos inovadores para melhorar a resposta ao combate das arbivorores.

Participação do Brasil

O Ministério da Saúde confirmou que o Brasil está comprometido com a iniciativa. O país tem um cenário epidemiológico marcado por várias epidemias de dengue, conforme lembrou o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros:

“Na série histórica dos últimos anos, foram observadas epidemias de dengue no Brasil – ultrapassando-se a marca de um milhão de casos – nos anos de 2010, 2013, 2015, 2016 e 2019. Contudo, novas arboviroses surgiram no cenário urbano nacional nos últimos anos, a exemplo do vírus chikungunya, que foi introduzido no Brasil no segundo semestre de 2014, e do vírus zika, no primeiro semestre de 2015”.

A pasta entende que o projeto da OMS será um grande aliado para o fortalecimento de ações que já estão em vigor para o controle de arboviroes como:  mapeamento de áreas de risco de doença transmitidas pelo Aedes aegypti com a iniciativa Arboalvo; projeto Inseto Estéril, que utiliza radiação para tornar o Aedes aegypti estéril; rede de pesquisas Replick para avaliação da doença chikungunya no Brasil; e monitoramento de informações nas redes sociais com a iniciativa InfoDengue.


Referências

  1. MINISTÉRIO DA SÁUDE. Brasil integra debate da OMS sobre iniciativa global de controle das arboviroses. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/2022/marco/brasil-integra-debate-da-oms-sobre-iniciativa-global-de-controle-das-arboviroses.Acesso em 13 de abril de 2022.
  2. ONU News. OMS lança iniciativa para evitar novos surtos de dengue, febre amarela e Zika. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2022/04/1784842.Acesso em 13 de abril de 2022.

     

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você