[ editar artigo]

O fim da vida e seus meios

O fim da vida e seus meios

Frequentemente assunto de discussão da ética médica, o "Como" a vida termina e  seus aspectos Éticos e Legais merecem sempre discussão e ponderações sobre o que é correto ou não. Para elucidar isso resolvemos pontuar aqui os tipos de morte que existem, quando o indivíduo se encontra com assistência. Os três mais recorrentes nas discussões são a Ortotanásia, a Eutanásia e a Distanásia.

O intuito aqui é apenas a definição dos termos, sendo a discussão (no final da página) o local adequado para ponderarmos a ética e a legalidade das práticas a seguir:

Ortotanásia: 

É o termo utilizado pelos médicos para definir a morte natural, normal, sem interferência da ciência, permitindo ao paciente morte digna, sem sofrimento, deixando a evolução e percurso da doença. Portanto, evitam-se métodos extraordinários de suporte de vida, como medicamentos e aparelhos, em pacientes irrecuperáveis e que já foram submetidos a suporte avançado de vida.

No momento que ocorre a ortotanásia, o doente já se encontra em processo natural de morte. O médico tem a capacidade de decidir, fundamentado nos dados que só ele - e apenas ele - é habilitado a avaliar, se mais atitudes serão tomadas para manutenção da vida ( paciente elegível para doação de órgãos) ou não.

A ortotanásia também tem serventia no evitar a distanásia (definição no final do artigo), pois é o meio ao qual a vida segue seu curso, sem interferências que posterguem uma vida impossível, evitando o sofrimento do próprio paciente e de seus familiares.

Eutanásia: 

 A etimologia define eutanásia como " boa morte". É a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de maneira controlada e assistida por um especialista, que proporciona uma morte sem dor e sofrimento. Drogas analgésicas, hipnóticas, relaxantes musculares e KCl podem ser usadas para prover a morte para a pessoa que deseja morrer dessa forma. Esse assunto é amplamente discutido pois existem alguns países que permitem a sua realização em pacientes bastante específicos, aqueles que não possuem expectativas de melhora, tais como tetraplégicos ou doenças neurodegenerativas.

É importante ressaltar que a eutanásia pode ser dividida em dois grupos: a "eutanásia ativa" e a "eutanásia passiva". Embora existam duas "classificações" possíveis, a eutanásia em si consiste no ato de facultar a morte sem sofrimento a um indivíduo cujo estado de doença é crônico e, portanto, incurável, normalmente associado a um imenso sofrimento físico e psíquico.

A "eutanásia ativa" conta com o traçado de ações que têm por objetivo pôr término à vida, na medida em que é planeada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o ato.

A "eutanásia passiva" por sua vez, não provoca deliberadamente a morte, no entanto, com o passar do tempo, conjuntamente com a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos, farmacológicos ou outros, o doente acaba por falecer. São cessadas todas e quaisquer ações que tenham por fim prolongar a vida. Não há por isso um ato que provoque a morte (tal como na eutanásia ativa), mas também não há nenhum que a impeça (como na distanásia).

É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido", na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa, e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte, ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.

A eutanásia é proibida no Brasil, sendo Legal na Holanda, Bélgica e Luxemburgo.

Distanásia: 

Etimologicamente, distanásia é o oposto de eutanásia. A distanásia defende que devem ser utilizadas todas as possibilidades para prolongar a vida de um ser humano, ainda que a cura não seja uma possibilidade e o sofrimento se torne demasiadamente penoso. O termo é empregado para definir a morte prolongada e acompanhada de sofrimento, associando-se à ideia da manutenção da vida através de processos terapêuticos desproporcionais, a "obstinação terapêutica".

O CFM, no ano de 2011 expediu a resolução 1995, que dá aos pacientes a liberdade de registrar sua vontade em não se submeterem a medidas fúteis de prolongamento à vida, em caso de doença terminal, sendo contrário a prática da distanásia. Desse modo, o registro da Diretiva Antecipada de Vontade – feito em prontuário ou em documento registrado em cartório – deve ser obedecido pelo médico. 

 

Pelo direito de uma morte digna

 

Gostou desse post comente loga abaixo. Basta estar conectado ao facebook para deixar sua mensagem.

Fontes: wikipedia ; Academia Médica; Agência Senado

 

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você