[ editar artigo]

Primeiro pilar da Medicina 4.0

Primeiro pilar da Medicina 4.0

Aviso aos navegantes, este artigo possui um texto anterior e dois textos posteriores. Todos publicados nesse mesmo site.

 

Partiremos inicialmente citando ipsis litteris o primeiro princípio da indústria 4.0, presente no artigo Medicina 4.0, publicado aqui no Academia Médica, qual seja:

Presença de sistemas cyber-físicos: virtualização (cópia virtual de ambientes físicos), modularidade (adaptação flexível dos ambientes com expansão em módulos individuais, conforme a necessidade da demanda individual ou coletiva), operações monitorizadas em tempo real através de sensores no ambiente cyber-físico. 

Existe uma simplificação desse princípio, que de maneira geral trata da ação integrada entre humanos e máquinas, complementando-se em ações e decisões. Aqui temos o trabalho colaborativo conectado entre pessoas e máquinas. Essas tecnologias tomam decisões e agem colaborativamente em um ambiente físico. É o piloto automático do avião, é o carro que para ao ver um obstáculo, ou é um respirador mecânico que para ao notar um barotrauma.

Uma 'má intenção' deste artigo é estimular e provocar colegas médicos e de outras áreas da saúde a estudar e intervir no desenvolvimento de uma nova medicina.

Há inúmeras possibilidades não realizadas ainda, mas que serão desenvolvidas com a sua expertise. E notem: vocês lembram de algum hospital ou qualquer outro ambiente da saúde no Brasil que implementou as subdivisões do cyber-físico? – Refiro-me à virtualização de um hospital, ou a sensores de UTI que interagem entre si? – Então vejam a dimensão da nossa missão de construtores desse futuro.

Terminarei com uma história ilustrativa contada pelo empresário e criador da Apple, Steve Jobs. Em um documentário, Jobs comenta que um dos episódios de sua vida que ele sempre iria lembrar era uma matéria que viu e que posicionava os animais em um ranking de desempenho em relação ao deslocamento e gastos de caloria. No topo da classificação encontrava-se o condor e lá em baixo, o ser humano. Ele relata que, por um motivo qualquer, resolveram refazer a comparação levando em conta o deslocamento de um homem em uma bicicleta. O apoio da máquina levou o ser humano para o topo da lista, passando o condor com louvor.

É isso o que faremos com as máquinas e nossas capacidades físicas e, mais atualmente, com a máquina mais fantástica a qual chamam de inteligência artificial e que atuará junto com nosso cérebro em um interessante ambiente cyber-físico. O cérebro e o software. O médico e a máquina.

 

Do editor: O Academia Médica é uma comunidade de médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde que buscam informações sobre o que a faculdade de medicina esqueceu de contar para que possamos expandir nossos horizontes. Se você gostou desse tema, comente abaixo ou siga as tags TECNOLOGIA e INOVAÇÃO para ficar sempre atualizado.

Você também pode contribuir escrevendo sobre conhecimentos que merecem ser compartilhado. 

 

 

Academia Médica
Domingos Sávio Oliveira Bezerra
Domingos Sávio Oliveira Bezerra Seguir

medico urologista UPE. interesses atuais = medicina 4.0 , medicina disruptiva, tecnologia emsaúde

Ler conteúdo completo
Indicados para você