[ editar artigo]

Síndrome metabólica pode aumentar a chance para ocorrência do segundo infarto

Síndrome metabólica pode aumentar a chance para ocorrência do segundo infarto

Com a pandemia de obesidade que vivenciamos, é intrínseco que também ocorra um aumento da prevalência de síndrome metabólica, uma vez que geralmente a doença acompanha tal comorbidade.

E com a presença de síndrome metabólica, uma meta-análise publicada no dia 28 de julho de 2021 na revista Neurology, buscou analisar a prevalência de um segundo infarto e até mesmo a morte em relação às pessoas que não possuem a síndrome metabólica.

 

O que é a síndrome metabólica? 

Para o diagnóstico de síndrome metabólica, são necessários ao menos 2 dos 5 fatores que fazem parte dos critérios diagnósticos.

Dentre os critérios, estão:

  • O HDL colesterol

  • Pressão arterial

  • Circunferência abdominal

  • Glicemia em jejum

  • Triglicerídeos

Segundo Tian Li, autor do estudo

Os estudos mostram resultados conflitantes em relação à síndrome metabólica, tal doença já foi associada ao risco de um primeiro infarto, além de aumentar, segundo o estudo, o risco para um segundo infarto e morte, portanto, o objetivo dos autores foi analisar todos os estudos disponíveis em relação a isso. Esses resultados irão ajudar as pessoas com síndrome metabólica, assim como os profissionais que os cuidam, sabendo que eles devem fazer o screening para um infarto recorrente e garantir os tratamentos preventivos.

 

Como o estudo foi realizado?

A fim de analisar a recorrência de infarto, a meta-análise combinou resultados de seis estudos com 11.000 participantes que foram acompanhados por no mínimo 5 anos. Durante esse tempo, 1250 pessoas tiveram um segundo infarto. Com isso, a análise final encontrou que pessoas com síndrome metabólica estavam 46% mais propensas a ter um segundo infarto que pessoas que não tinham a síndrome.

 

E cada fator separado, teve relação também?

Analisando cada componente separado, os pesquisadores concluíram que ter um menor nível de HDL e ter dois ou mais componentes da síndrome foram associados independentemente com um aumento de risco para um segundo infarto. Ao passo que circunferência abdominal, glicemia e pressão alta não estavam associados com um aumento de risco de segundo infarto per se.

 

E em relação à morte?

A meta análise combinou 8 estudos, com um total de 51.613 pessoas acompanhadas por cinco anos. Durante esse tempo 4210 pessoas morreram. Pessoas com síndrome metabólica tiveram 27% mais chance de morrer durante o estudo quando comparadas às pessoas sem síndrome. Nenhum dos componentes individuais da síndrome foram associados independentemente de um aumento do risco de morte.

Esses resultados mostram a evidência para que pessoas com síndrome metabólica tomem ações a fim de modificar o risco do segundo infarto e até mesmo a possibilidade de morte. Isso pode ser feito por meio de medicação, dieta, exercício e outras mudanças de estilo de vida recomendadas como parar de fumar, afirma Li.

Li adiciona também que os estudos foram observacionais, portanto, eles não provam que a síndrome metabólica é uma causa de infarto recorrente ou morte, apenas expõem a associação.

Artigos relacionados:

Trabalhar demais pode literalmente estar te matando! 

É infarto, e agora? 

 


Escrito por Yan Kubiak Canquerino - Colaborador da Academia Médica


 

Referências

People with metabolic syndrome may be at higher risk for second stroke, death (news-medical.net). Acesso em: 29/07/2021.

Association of Metabolic Syndrome and Its Components With Risk of Stroke Recurrence and Mortality: A Meta-analysis | Neurology. Acesso em: 29/07/2021.



 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você