[ editar artigo]

Uso de anticoncepcionais orais reduz o risco de câncer de ovário em pacientes com mutação BRCA1

Uso de anticoncepcionais orais reduz o risco de câncer de ovário em pacientes com mutação BRCA1

Mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 estão associadas a um alto risco de câncer de ovário ao longo da vida. O risco cumulativo médio de câncer de ovário até a idade de 70 anos foi estimado em 41% para portadores da mutação BRCA1 e 15% para portadores da mutação BRCA2. Foi demonstrado que o risco de câncer de ovário em portadores da mutação BRCA1 e BRCA2 diminui com a maior duração do uso de anticoncepcionais orais (ACOs). Embora os efeitos do uso de contraceptivos orais na população em geral estejam bem estabelecidos (redução de risco de aproximadamente 50% no câncer de ovário), a redução de risco estimada em portadores dessas mutações é muito menos precisa devido ao potencial viés e ao pequeno tamanho das amostras. Além disso, apenas alguns estudos sobre o uso de anticoncepcionais orais examinaram as associações entre a duração do uso, o tempo desde o último uso, a idade de início e o ano civil de início com o risco de câncer de ovário.

Para saber mais sobre o papel dos ACOs na prevenção do câncer de ovário em pacientes com as mutações BRCA1 e BRCA2 um grupo de pesquisadores teve como objetivo investigar mais detalhadamente as associações de várias características do uso de anticoncepcionais orais e o risco de câncer de ovário, para fornecer aos profissionais de saúde e às operadoras melhores estimativas de risco.

Como foi realizada esta pesquisa?

Neste estudo retrospectivo internacional, as associações de risco de câncer de ovário foram avaliadas usando dados de contraceptivos orais em 3989 pacientes com a mutação BRCA1 e 2445  com a mutação BRCA2. As análises de regressão de Cox ponderadas em função da idade foram estratificadas por estudo e coorte de nascimento e incluíram o diagnóstico de câncer de mama como uma covariável. Para minimizar o viés, as análises foram deixadas truncadas 5 anos antes do questionário inicial. Análises separadas foram conduzidas para cada aspecto do uso de anticoncepcionais orais e em uma análise multivariada, incluindo todos esses aspectos. Além disso, a análise da duração do uso de anticoncepcionais orais foi estratificada pela recência do uso.

E o que a pesquisa obteve como resultado?

Os contraceptivos orais foram usados ​​com menos frequência por portadores de mutação diagnosticados com câncer de ovário do que por portadores não afetados. A duração média de uso foi de 7 anos para portadores BRCA1 e BRCA2 que desenvolveram câncer de ovário e 9 e 8 anos para portadores BRCA1 e BRCA2 não afetados com câncer de ovário, respectivamente.

Para portadores da mutação BRCA1, análises univariadas mostraram que tanto uma duração mais longa do uso de anticoncepcionais orais quanto o uso de anticoncepcionais orais mais recentes foram associados a uma redução no risco de câncer de ovário. No entanto, em análises multivariadas, incluindo duração do uso, idade no primeiro uso e tempo desde o último uso, a duração do uso de anticoncepcionais orais provou ser o fator de proteção proeminente.

A associação inversa entre a duração do uso e o risco de câncer de ovário persistiu por mais de 15 anos. Os resultados univariados para portadores da mutação BRCA2 foram semelhantes, mas foram inconclusivos devido ao tamanho limitado da amostra.

E quais as implicações dos achados desse estudo?

Para portadores da mutação BRCA1, o uso de anticoncepcionais orais foi associado a uma redução no risco de câncer de ovário. O risco foi mais reduzido com períodos mais longos de uso de anticoncepcionais orais e as reduções de risco persistiram por um longo período. Os resultados para os portadores da mutação BRCA2 foram semelhantes, mas o tamanho da amostra foi limitado para se fazer conclusões definitivas.


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

1. Schrijver LH, Antoniou AC, Olsson H, Mooij TM, Roos-Blom M-J, Azarang L, et al. Oral contraceptive use and ovarian cancer risk for BRCA1/2 mutation carriers: an international cohort study. American Journal of Obstetrics and Gynecology [Internet]. 2021 Jul [cited 2021 Aug 22];225(1):51.e1–17. Available from: https://www.ajog.org/article/S0002-9378(21)00038-7/fulltext

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você