[ editar artigo]

COVID-19: Como manter a saúde mental durante a pandemia

COVID-19: Como manter a saúde mental durante a pandemia

A saúde mental e a saúde física são duas vertentes fundamentais e indissociáveis da saúde. São condições humanas essenciais para o bom funcionamento da sociedade e, sobretudo, do sistema de tratamento de saúde.

A Organização Mundial de Saúde afirma que não existe definição "oficial" de saúde mental. Diferenças culturais, julgamentos subjetivos, e teorias relacionadas concorrentes afetam o modo como a "saúde mental" é definida. Saúde mental é um termo usado para descrever o nível de qualidade de vida cognitiva ou emocional. A saúde mental pode incluir a capacidade de um indivíduo de apreciar a vida e procurar um equilíbrio entre as atividades e os esforços para atingir a resiliência psicológica. Admite-se, entretanto, que o conceito de Saúde Mental é mais amplo que a ausência de transtornos mentais".

Alguns critérios foram definidos como sendo determinantes na condição e estabelecimento de uma saúde mental:

  1. Atitudes positivas em relação a si próprio;
  2. Crescimento, desenvolvimento e auto-realização;
  3. Integração e resposta emocional;
  4. Autonomia e autodeterminação;
  5. Percepção apurada da realidade;
  6. Domínio ambiental e competência social.

Ao longo da vida, todos nós podemos ser afetados por problemas de saúde mental, de maior ou menor gravidade. Algumas fases, como a entrada na escola, a adolescência, a menopausa e o envelhecimento, ou acontecimentos e dificuldades, tais como a perda de familiar próximo, o divórcio, o desemprego, a reforma e a pobreza podem ser causa de perturbações da saúde mental. Fatores genéticos, infecciosos ou traumáticos podem também estar na origem de doenças mentais graves.

O isolamento social é uma das ferramentas utilizadas e aplicadas pelos países contra a Covid-19, sendo que este método previne o avanço da doença e protege dos efeitos danosos do vírus. Porém, tanto a quarentena quanto o medo de uma enfermidade nova impactam diretamente na saúde mental das pessoas. Em tempos de pandemia e de isolamento social, esse distanciamento e essa mudança drástica do dia a dia podem causar sensações de depressão, ansiedade e, em casos mais graves como os de profissionais da saúde, o estresse pós-traumático.

Segundo Maria Tavares Cavalcanti, professora do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro, “nós nos damos conta de que o espaço da nossa casa, o espaço da nossa intimidade era de fato o espaço menos habitado por nós”. Uma alteração radical de vida de maneira tão brusca não muda apenas o cotidiano individual e familiar, mas também é um abalo na organização da sociedade.

Ainda segundo Cavalcanti, os dois grupos mais afetados pela quarentena em virtude do Covid-19 são as pessoas com antecedentes de transtornos psicológicos e os profissionais da saúde. O primeiro grupo pode sofrer com mais crises de ansiedade e momentos de depressão, mas, paradoxalmente, as pessoas que tinham como gatilho principal de suas crises fatores externos, como o trabalho ou o fato de sair de casa, podem ter alívio dos sintomas. Já os profissionais de saúde, que são a linha de frente no combate ao vírus, lidam com o estresse, a pressão psicológica e os riscos da doença diariamente.

Seguem, abaixo, dicas da professora Maria Tavares Cavalcanti para lidar com o isolamento:

  • Converse com pessoas nas quais você confia. Entre em contato com seus amigos e familiares.
  • Ao ficar em casa, mantenha um estilo de vida saudável (incluindo uma dieta adequada, sono, exercício e contato social com os entes queridos em casa).
  • Mantenha contato com familiares e amigos por e-mail, telefonemas e uso das mídias sociais e outras plataformas.
  • Não use tabaco, álcool ou outras drogas para lidar com suas emoções.
  • Se você se sentir sobrecarregado, converse com um profissional de saúde, assistente social, ou outro profissional ou pessoa confiável em sua comunidade.
  • Tenha um plano para onde ir e procurar ajuda para a saúde física, mental e psicossocial, se necessário.
  • Conheça os fatos sobre o seu risco e saiba como tomar precauções. Use fontes confiáveis para obter informações, como o site da Organização Mundial da Saúde, da UFRJ ou uma agência de saúde pública local.
  • Diminua o tempo em que você e sua família passam assistindo ou ouvindo coberturas midiáticas perturbadoras.
  • Use as experiências e habilidades que você usou no passado em tempos difíceis para gerenciar suas emoções durante o surto.

As epidemias em geral elevam as taxas de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), diretamente relacionado a experiências catastróficas. Em Hong Kong, a epidemia do vírus da síndrome respiratória aguda (SARS) em 2003 trouxe cicatrizes psiquiátricas: 40% das pessoas que adoeceram de SARS grave estavam sofrendo de TEPT dez anos depois. Os transtornos mentais surgem de causas multifatoriais e o estresse é a gota d´água de uma tempestade perfeita neurofuncional que pode evoluir sob a forma de sintomas duradouros e incapacitantes e risco de suicídio.

Vivemos num período, de uma certa maneira, histórico: a primeira pandemia da nova década, contudo, além de adotar as medidas físicas necessárias para nos prevenirmos contra ela, precisamos obter também apoio emocional e psicológico para lidar com situações antes, durante e após a pandemia, sobretudo os profissionais de saúde, que estão mais sujeitos à riscos ao trabalharem na linha de frente no combate à doença.

 

Para mais informações

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 150 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

Global Health League

Academia Médica
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto
Fernando Antônio Ramos Schramm Neto Seguir

Atual graduando em Medicina pela Universidade Salvador.

Ler matéria completa
Indicados para você