[ editar artigo]

Impactos esperados com a nova Classificação Internacional de Doenças

Impactos esperados com a nova Classificação Internacional de Doenças

Comentamos no artigo anterior que sobre o lançamento da nova Classificação Internacional de Doenças, a CID-11, que deve ser a base para toda a parametrização de dados das nações, empresas e profissionais de saúde do mundo. Mas você sabe quais são os impactos esperados a partir da mudança da CID-10 para a CID-11?

O texto abaixo é tradução livre de parte do conteúdo do site da OMS, que pode ser acessado no original em inglês aqui.

 

Fazendo a troca

A versão entregue à Assembleia Mundial da Saúde em 2019 entrará em vigor em 1º de janeiro de 2022. No entanto, dada a vasta adaptação técnica e tecnológica necessária para passar para um novo sistema – milhares de programadores de pequenas clínicas de atendimento primário a grandes hospitais vai precisar de reciclagem – é improvável que  a mudança da CID-10 para a CID-11 aconteça da noite para o dia.

Embora haja poucos adeptos, muitos países não irão se adaptar tão rapidamente – alguns países ainda usam a CID-9 e alguns estão usando a CID-8. A CID-10, lançada em 1990, foi implementada pela primeira vez pela Tailândia em 1994; os EUA só mudaram para ele em 2015.

 

Código pequeno, grande impacto

As consequências que a codificação da CDI têm na prestação de cuidados, bem como no financiamento e seguro de saúde, significam que médicos, grupos de pacientes e seguradores, entre outros, levam o uso da CID extremamente a sério – muitos grupos têm posições fortes sobre se ou não deve ser incluída uma condição ou como deve ser categorizada.

Por exemplo, algumas pessoas que trabalham com acidente vascular cerebral há muito vêm pressionando para que ele seja transferido de doenças do aparelho circulatório, onde está há seis décadas, para doenças neurológicas, onde agora se encontra na CID-11. Os defensores do movimento citaram as principais implicações para o tratamento da doença e o relato de mortes como o principal motivador.  

Um ponto crítico no envolvimento com a CID é que a inclusão ou exclusão não é um julgamento sobre a validade de uma condição ou a eficácia do tratamento. Assim, a inclusão pela primeira vez da medicina tradicional é uma maneira de registrar dados epidemiológicos sobre desordens descritas na medicina chinesa antiga, comumente usadas na China, Japão, Coréia e outras partes do mundo. As revisões nas inclusões de condições de saúde sexual às vezes são feitas quando a evidência médica não apóia as suposições culturais. Por exemplo, a CID-6, publicada em 1948, classificou a homossexualidade como um transtorno mental, sob a suposição de que esse suposto desvio da norma refletia um transtorno de personalidade; a homossexualidade foi posteriormente removida da CDI e de outros sistemas de classificação de doenças na década de 1970.

 

A incongruência de gênero, enquanto isso, também foi removida dos transtornos mentais na CID, para condições de saúde sexual. O raciocínio é que, embora as evidências agora estejam claras de que não é um transtorno mental, e de fato classificá-lo pode causar enorme estigma para as pessoas transgênero, ainda há necessidades significativas de cuidados de saúde que podem ser melhor atendidas se a condição for codificada na CDI.

Para as condições de saúde mental, os códigos da CDI são especialmente importantes, uma vez que a CDI é uma ferramenta de diagnóstico e, portanto, essas são as condições que muitas vezes atraem grande parte do interesse na CDI. Estes incluem desordens do jogo, que a evidência mostra que é um problema de saúde o suficiente que requer rastreamento através da CDI. Outros comportamentos aditivos, como o transtorno de acumulação, estão agora incluídos na CID-11, e condições como "desejo sexual excessivo" foram reclassificadas como "transtorno do comportamento sexual compulsivo".

Uma mudança significativa na seção de transtornos mentais da CID-11 é a tentativa dos estatísticos de simplificar os códigos o máximo possível para permitir a codificação das condições de saúde mental pelos provedores de atenção primária em vez de pelos especialistas em saúde mental. Este será um movimento crítico, uma vez que o mundo ainda tem uma escassez de especialista em saúde mental – 9 em cada 10 pessoas que necessitam de cuidados de saúde mental não o recebem.

 

Leia também:

Para participar da Global Health Leagueclique aqui.

 


Qual sua opinião sobre a CID-11? Escreva nos comentários.

 

Academia Médica
Academia Médica
Academia Médica Seguir

Página da redação do Academia Médica para noticiar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler matéria completa
Indicados para você