[ editar artigo]

Apesar de não ser saudável, fumantes de cigarro eletrônico frequentam ambientes mais saudáveis do que fumantes

Apesar de não ser saudável, fumantes de cigarro eletrônico frequentam ambientes mais saudáveis do que fumantes

Um estudo publicado recentemente na revista Drug and Alcohol Dependence da Science monitorou as mudanças na saúde e no funcionamento social entre os fumantes em dois estágios na idade adulta, aos 30 anos e novamente aos 39 anos. Como resultado, os pesquisadores encontraram que aproximadamente um terço dos fumantes substituíram o cigarro por cigarro eletrônico, também conhecido como Vape, por algumas ou todas as vezes aos 39 anos. Segundo o estudo, esse grupo relatou melhor saúde física, se exercitou mais e teve um envolvimento social mais ativo.

Embora fumar o vape também traga certos riscos a saúde por conter em sua composição nicotina, pequenas quantidades de metais pesados ​​e outras partículas ultrafinas e cancerígenas que podem entrar nos pulmões – o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos os considera mais seguros do que os cigarros tradicionais.

Na pesquisa,  equipe coletou uma série de medidas aceitas de envelhecimento saudável e bem-estar, como saúde física e mental geral, envolvimento em comportamentos e atividades sociais saudáveis ​​e níveis de educação e renda. Para isso, os pesquisadores entrevistaram os participantes, com idades entre 30 e 39 anos, sobre essas informações e com que frequência eles se envolviam nessas determinadas atividades.

Dos 156 participantes do estudo, 64% fumavam apenas cigarros tradicionais aos 39 anos; 28% fumaram cigarro e vape; e 8% usavam apenas o vape. Os resultados das pesquisas mostraram que fumar cigarro eletrônico mais frequentemente, em relação ao tradicional, estava associado a melhor saúde física devido mais atividades físicas, envolvimento social mais ativo e maior status socioeconômico.

Com esse resultado, os pesquisadores hipotetizaram que, como os cigarros eletrônicos têm menos estigma, menos odor e são menos prejudiciais fisicamente, eles podem aumentar as oportunidades de promoção da saúde entre os fumantes, por estarem mais propensos a estarem em ambientes que tenham mais interação com não fumantes e que  promovam a atividade física.

Apesar do resultado de melhor saúde física entre os fumantes de vape, nenhuma associação foi encontrada entre a mudança para cigarro eletrônico e melhor saúde mental, uso menos frequente de outras substâncias, como álcool, ou se o parceiro ou colegas mais próximos fumam (embora o ambiente social mais amplo dos fumantes de vape possa ser mais saudável).

Por fim, os pesquisadores enfatizam que os cigarros eletrônicos ainda têm desvantagens substanciais na saúde pública, mas este estudo mostra que os fumantes que recorrem ao vape, ocasionalmente ou totalmente em vez de cigarros, podem ter mais oportunidades de escolhas de estilo de vida mais saudáveis. Isso não significa que fumar cigarro eletrônico seja saudável, mas que para pessoas que já fumam — e não conseguem parar — pode ser associado a outras rotinas saudáveis.

Artigos relacionados 

• Pesquisa revela que cigarro eletrônico altera resposta inflamatória pulmonar e afeta coração, cérebro e cólon

• Nicotina: turbinadora do cérebro?

• Por que a maioria dos fumantes não desenvolve câncer de pulmão?

Referência 

  1. RICK KOSTERMAN  et al, Is e-cigarette use associated with better health and functioning among smokers approaching midlife?, Drug and Alcohol Dependence (2022). Disponível em: DOI: 10.1016/j.drugalcdep.2022.109395. Acesso em: 13 de maio de 2022.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você