[ editar artigo]

Células T : os super-heróis na batalha contra a variante Ômicron

Células T : os super-heróis na batalha contra a variante Ômicron

 

A variante Ômicron do vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19, está se espalhando rapidamente por todo o mundo, com especialistas afirmando que 40% da população global será infectada nos próximos dois meses. Isso parece bastante surpreendente, mas ainda não há certeza sobre a gravidade de infecções pela Ômicron em relação a outras variantes preocupantes. Os sinais até agora são bons, no entanto.

A questão, que tem levado a muitos questionamentos é: por que ela pode ser menos grave que a variante Delta? Existem mudanças na Ômicron que a tornam menos problemática? Heidi Ledford, em artigo na revista Nature em 11 de janeiro de 2022, levanta dois aspectos que podem contribuir para isso. Primeiro, a Ômicron parece ser menos capaz de infectar células pulmonares, dando preferência às vias aéreas superiores, assim como outros coronavírus que ficam no nariz e na garganta, como o OC43, um dos agentes responsáveis pelo resfriado comum.

Isso é consistente com os sintomas mais leves que a Ômicron causa, principalmente no nariz e na garganta – coriza e tosse seca. É somente quando o SARS-CoV-2 infecta os pulmões que ocorre uma doença grave, que envolve sintomas como dificuldades respiratórias, e a Ômicron parece ser menos capaz de fazer isso.

Há, no entanto, um segundo aspecto que explica por que esta variante parece não estar causando doença grave. E isso porque uma parte fundamental do sistema imunológico, as células T, são capazes de lidar com a Ômícron.

Uma preocupação inicial era que esta variante pudesse de alguma forma se esquivar do sistema imunológico, e esse realmente é o caso quando se trata de anticorpos . A proteína spike na superfície do vírus SARS-CoV-2 é um alvo chave para anticorpos. Eles se agarram a ela e efetivamente impedem o vírus de interagir com as células, assim, fornecendo proteção. No entanto, com a Ômicron, as partes da proteína spike que os anticorpos reconhecem sofreram mutação e, portanto, os anticorpos são menos capazes de neutralizar o vírus.

Com anticorpos, porém, a quantidade pode superar a qualidade. Portanto, mesmo que eles não possam se ligar à Ômicron de maneira tão eficaz quanto com as variantes anteriores, seu sistema imunológico, especialmente quando reforçado, pode produzir anticorpos suficientes para ainda inativar a proteína spike. Esta é uma razão pela qual as doses de reforço são tão importantes.

Mas a notícia realmente boa é que nossas células T ainda podem reconhecer e eliminar a Ômicron. Quando uma célula é infectada com um vírus, ela exibe em sua superfície regiões da proteína spike. Isso é um pouco como a célula infectada acenando uma bandeira vermelha para dizer que está infectada. As células T realizam uma variedade de funções imunológicas, inclusive atuando como "Killer-cells" que destroem células infectadas por vírus. Ao matar as células infectadas, as células T podem limitar a propagação da infecção – e potencialmente reduzir a chance de doenças graves.

Os níveis de células T não tendem a desaparecer tão rapidamente quanto os anticorpos após uma infecção ou vacinação. E como as células T podem reconhecer muito mais locais ao longo da proteína spike do que os anticorpos, elas são mais capazes de reconhecer variantes mutantes. 

Até agora, análises de computador e de laboratório sugerem que este é o caso da Ômicron. Vários grupos de pesquisa cruzaram as mutações na Ômicron com locais no genoma do SARS-CoV-2 que são alvos conhecidos das células T. Eles descobriram que a maioria dos locais que as células T reconhecem estão presentes na Ômicron.

A autora conclui o artigo afirmando que as células T também podem receber mais atenção à medida que surgem mais variantes – e se o mundo começar a mudar seu foco do número de infecções para a gravidade da doença. 

Referências:

Ledford H. 'Killer' immune cells still recognize Omicron variant. Nature. 2022 Jan 11. doi: 10.1038/d41586-022-00063-0. Epub ahead of print. PMID: 35017690. Disponível em https://www.nature.com/articles/d41586-022-00063-0

 

Artigos relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você