[ editar artigo]

Chuck Close: um atestado a doença no processo criativo.

Chuck Close: um atestado a doença no processo criativo.

Matheus Scalzilli de Souza Gonçalves Estudante de medicina, nascido e criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Aluno do curso "A medicina e as Artes" da Academia Médica, compartilha suas referências sobre o artista plástico Chuck Close, sua vida e obra e as relações com a medicina e compreensão da vida.

Chuck Thomas Close é um artista norte-americano, nasceu em 1940 na cidade de Monroe em Washington. Ele ficou notoriamente conhecido no mundo da arte contemporânea por suas pinturas monumentais tanto no quesito da inovação técnica quanto no tamanho. Suas obras retratam rostos de pessoas mundanas sob sua perspectiva idiossincrática que torna-se ainda mais impressionante quando analisamos sua história pessoal e, principalmente, sua história patológica pregressa.

Como toda boa HPP, começamos no início da vida do paciente. Durante sua infância em Monroe, Chuck tinha  muita dificuldade na sala de aula. Costumava ser chamado de preguiçoso e desleixado pelos seus professores por exigir mais tempo para compreender e absorver o conteúdo escolar.

Anos depois, Close iria descobrir a dislexia durante uma palestra sobre a doença na escola de sua filha e questionou se podia ser portador da mesma. Mas naquela época, na década de 40 e 50, não se conhecia muito sobre as alterações neurocognitivas do desenvolvimento. De acordo com Kappes (2013), a dislexia só foi estabelecida como uma aferição na compreensāo da linguagem, e não como uma disfunção visual, na década de noventa. Chuck passaria toda sua carreira escolar sem saber porque tinha muito mais dificuldade com a matéria do que os outros alunos.

Fora da sala de aula não era melhor. Chuck se cansava rapidamente, quando ia praticar esportes sentia fraquezas musculares e precisava parar.  Foi sugerido durante sua maioridade a possibilidade de miastenia gravis (MG) uma doença autoimune que afeta as terminações pós-sinápticas das junções neuromusculares. A MG é caracterizada por fraqueza e fadiga dos músculos esqueléticos de uso repetitivo portanto a sintomatologia realmente levanta esse suspeita, entretanto, os fatores etiológicos - a raridade da prevalência da MG infantil no Ocidente – afastavam essa hipótese (Kauling et al, 2011).

Independente do diagnóstico o fato é que Close não conseguia acompanhar seus contemporâneos fisicamente e isso criou uma dificuldade de se relacionar com eles.

Em cima de sua deficiência física e sua dislexia, Close ainda sofria de prosopagnosia - cegueira facial. A prosopagnosia é uma doença neurológica em que a pessoa tem dificuldade de enxergar o rosto todo como um único elemento. Ela consegue descrever os componentes individuais do rosto como os olhos, a boca ou o nariz mas não consegue formar uma imagem conjunta a partir dessas partes.  

A prosopagnosia pode ser classificada em dois tipos: a adquirida e a do desenvolvimento. A prosopagnosia adquirida é causada por alguma lesão nas regiões occiptotemporal ou temporal anterior (DeGutis, 2014). Ela pode ter como etiologia um trauma, uma encefalite, um AVE ou até mesmo um tumor. A prosopagnosia do desenvolvimento pode ser congênita ou fruto de alguma lesão cerebral antes do parto ou durante a infância, entretanto, na maioria das vezes não expressa alteração morfológica facilmente identificável pela radiologia (Duchein, 2006).

Atualmente, entretanto, é reconhecido um componente genético nessa forma da doença. Além disso,  é possível que pacientes com prosopagnosia, independente do tipo,  apresentem também déficits perceptivos relativamente significativos (Close tinha um prejuízo leve da visão) mas a questão central é a dificuldade em criar uma representação holística da face para realizar a identificação de pessoas.

A prosopagnosia é graduada em um espectro com formas mais brandas acompanhada de manifestações leves e as formas mais severas. O escritor neurologista Oliver Sacks, por exemplo, possuía uma prosopagnosia mais leve, ele relata uma dificuldade em reconhecer apenas seu próprio rosto no espelho. Chuck Close, entretanto, tinha uma forma mais grave da doença. Mesmo depois de anos convivendo com as mesmas pessoas ele tinha problemas em reconhece-las pelo rosto o que limitou ainda mais seu ciclo social.

Por meio da arte, entretanto, descobriu uma forma de superar suas limitações. Para conquistar a atenção dos seus colegas de sala ele pedia que o desafiassem a desenhar alguma coisa, muitas vezes modelos de aviões de guerra como o B38 popularizado durante a Segunda Guerra Mundial. Conseguiu com seu talento conquistar também seus professores. Close entregava seus trabalhos na forma de murais artísticos extremamente complexos que,  por mais que não eram válidos como avaliação acadêmica, provava para seus professores que o jovem não era preguiçoso ou muito menos desleixado.

Sua criatividade não foi só útil para superar suas dificuldades sociais mas também serviu para desenvolver métodos remediadores para lidar com suas varições cognitivas. Antigamente não havia farmacoterapia para tratar a dislexia, a ritalina, por exemplo, só passou a ser comercializada nos EUA em 1956. O que Chuck Close fazia para canalizar sua concentração em períodos pré-prova era estudar dentro de uma “ banheira de privação sensorial”;  ele apagava as luzes, enchia a banheira e com apenas uma lanterna iluminava seus estudos. Dessa forma ele conseguia reduzir os estímulos distrativos e focar apenas nas palavras do livro.

Para compensar sua prosopagnosia, ademais, ele fazia um esforço consciente para lembrar de determinadas características no rosto da pessoa: alguma peculiaridade nos olhos, na orelha ou na boca. Ele unia todos os pequenos detalhes e assim conseguia formar uma projeção plana imaginária de como seria o rosto daquela pessoa. Ele transforma aqueles componentes tridimensionais que constitui as partes do rosto humano e monta uma fotografia mental que ele guarda na memória.

De acordo com o neurologista Dr Sparr o que ele faz é “transformar a percepção do rosto de um processo holístico associado ao hemisfério cerebral direito em um processo analítico associado ao hemisfério esquerdo”. Curiosamente hoje há estudos que relatam o efeito benéfico do treinamento de técnicas baseadas nesse princípio em crianças com prosopagnosia do desenvolvimento embora essa abordagem não demonstra melhora nos casos de prosopagnosia adquirida.

As obras de Chuck Close são manifestações artísticas dessa técnica com potencial se não terapêutico pelo menos remediador. Antes de propriamente pintar seus quadros Close divide a tela em quadriláteros menores (quadrados e retângulos) e preenche cada forma individualmente.  Ao final, com todos os pequenos quadros preenchidos e visto a distância, é possível visualizar no painel o rosto como um todo. Dessa forma, ele cria uma manifestação artística que comunica sua perspectiva do mundo sob as lentes de sua doença é como se naquele momento a prosopagnosia que esta se expressando através do artista.

A história de Chuck Close é um atestado ao poder criativo do ser humano frente as dificuldades inevitáveis da vida. A criatividade, não  simplesmente no sentido de produção artística mas principalmente no sentido de inovação e criação, é extremamente útil para lidar com as eventualidades.

A partir dessa história, torna-se claro o valor fundamental da criatividade para o medico; tanto para a área de inovação terapêutica quanto para o desenvolvimento  da capacidade de abstração necessária para o entendimento pleno de uma doença.

Mais que entender a doença, a narrativa de Close, levanta questões sobre a relação do paciente com sua doença - como o paciente enxerga sua doença. Quando uma doença deixa de ser um fenômeno a parte da pessoa e torna-se parte intrínseca da sua personalidade, do seu Eu? Será que essa simbiose é possível? Será que ela é benéfica? Acredito que a história de Close nos mostra que ela pode ser.

Por meio de suas patologias ele conseguiu desenvolver um talento e uma perspectiva única que preencheu sua vida de significado e seu bolso com milhões de dólares. Nas palavras do próprio artista “eu não tive sucesso apesar das minhas doenças mas por causa delas”.

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 190 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

https://www.scielo.br/pdf/rba/v61n6/v61n6a07.pdf

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4122168/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5398751/

https://www.brainandlife.org/articles/dyslexia-paralysis-face-blindness-nothing-comes-between-legendary-artist-chuck/

https://www.britannica.com/biography/Chuck-Close

Academia Médica
Matheus Scalzilli
Matheus Scalzilli Seguir

Estudante de medicina, nascido e criado na Zona Oeste do Rio de Janeiro. "A ciência não é apenas compatível com a espiritualidade; é uma fonte profunda de espiritualidade" - Carl Sagan

Ler conteúdo completo
Indicados para você