[ editar artigo]

Corrida das vacinas COVID-19 - Atualização semanal

Corrida das vacinas COVID-19 - Atualização semanal

21 vacinas estão sendo lançadas em países do mundo todo.  Os cientistas envolvidos no desenvolvimento dessas vacinas estão trabalhando mais rápido do que nunca para testar e produzir vacinas que possam impedir a disseminação do COVID-19.

Como funciona os estudos nas fases 1, 2, 3 e 4

Quando as vacinas candidatas chegam aos ensaios clínicos em humanos, eles primeiro passam por testes de fase 1 principalmente para testar a segurança da vacina, determinar as dosagens e identificar quaisquer efeitos colaterais em potencial em um pequeno número de pessoas. 

Os ensaios de fase 2 exploram ainda mais a segurança e começam a investigar a eficácia em grupos maiores. 

Os ensaios de fase 3, aos quais poucas vacinas chegam, são muito maiores, envolvendo milhares ou dezenas de milhares de pessoas, para confirmar e avaliar a eficácia da vacina e testar se existem efeitos colaterais raros que só aparecem em grandes grupos . 

O estágio final, estudos de fase 4, é conduzido após a aprovação regulatória nacional e envolve monitoramento adicional em uma ampla população por um período de tempo mais longo como uma forma de vigilância pós-comercialização (farmacovigilância). 

No entanto, nem todas as vacinas que foram aprovadas para uso doméstico estão em testes de fase 4. Os reguladores em muitos países têm seus próprios procedimentos e cronogramas individuais para fornecer autorizações de uso de emergência, contando com vários tipos de evidências em diferentes fases de ensaios clínicos. Alguns reguladores nacionais, incluindo aqueles na Rússia e na China, começaram a aprovar vacinas para uso público (limitado ou generalizado) antes mesmo de os ensaios de fase 3 serem concluídos. 

Atualizações recentes

  • Em todo o mundo, existem agora 126 vacinas candidatas COVID-19 em testes clínicos e 194 candidatas em desenvolvimento pré-clínico.

  • Existem duas novas vacinas COVID-19 em ensaios clínicos de fase 1/2, ambas desenvolvidas pela Vaccibody AS, uma empresa norueguesa.

Aqui está uma visão geral dessas vacinas e desenvolvimentos recentes de candidatos em ensaios clínicos.

  • MODERNA (EUA)

VACINA DE RNA

A vacina Moderna também é conhecida como Spikevax ou mRNA-1273. É desenvolvido pela Moderna, em Cambridge, Massachusetts, e financiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID), que faz parte do Instituto Nacional de Saúde dos EUA. A vacina é administrada em duas doses com intervalo de quatro semanas. Ele foi testado em estudos de fase 1 em voluntários no Kaiser Permanente Washington Health Research Institute em Seattle. Moderna realizou estudos de fase 2 em participantes de uma ampla gama de idades e iniciou os estudos de fase 3 em julho de 2020.

O estudo final envolveu 30.000 pessoas saudáveis ​​de todos os Estados Unidos. Em fevereiro, um teste de fase 4 foi lançado como parte de um estudo de coorte nacional em colaboração com o Ministério do Interior e Saúde dinamarquês. Os Estados Unidos atualmente autorizam seu uso para maiores de 18 anos, enquanto a Agência Europeia de Medicamentos autorizou seu uso para crianças de 12 a 17 anos em julho. Foi listado para uso de emergência pela OMS em abril de 2021. Um estudo de fase 2 foi realizado em agosto de 2021 para induzir uma resposta de anticorpos em receptores de transplante renal que não responderam a duas doses da vacina. Esta vacina precisa ser mantida em refrigeradores ou freezers para armazenamento mais longo.

  • ASTRAZENECA / UNIVERSITY OF OXFORD (UK)

VIRAL VECTOR VACCINE

A vacina AstraZeneca é administrada em duas doses. Foi desenvolvido pela Universidade de Oxford e recebeu autorização de uso de emergência da Agência Europeia de Medicamentos, a OMS bem como reguladores nacionais em todo o mundo. Esta vacina é estável em geladeira, o que significa que pode ser facilmente transportada para qualquer lugar do mundo. Por cerca de US $ 4 por dose para países de baixa renda, também está sendo disponibilizado por uma fração do custo de outros. 

Foi testado em ensaios clínicos de fase 3 com mais de 10.000 pessoas em todo o Reino Unido, incluindo crianças e idosos. A vacina também foi testada no Brasil, Estados Unidos e Índia e a África do Sul deu início ao primeiro ensaio da vacina COVID-19 na África. Em fevereiro de 2021, um ensaio de fase 4 foi lançado como parte de um estudo de coorte nacional em colaboração com o Ministério do Interior e Saúde dinamarquês. Um ensaio de fase 2/3 foi iniciado em 1º de junho de 2021 para estudar a eficácia, segurança e imunogenicidade de meia dose da vacina. Em 27 de setembro de 2021, a empresa registrou um ensaio de fase 4 para avaliar a imunogenicidade e segurança da vacina para a prevenção de COVID-19 em adultos imunocomprometidos.

Em março de 2021, a Universidade de Oxford registrou outro ensaio de fase 1 no Reino Unido com 30 participantes adultos para investigar a aplicação de sua vacina ChAdOx1 usando um spray nasal. ChAdOx1 está atualmente sendo administrado por injeção intramuscular como parte do lançamento nacional do Reino Unido. Ao usar uma técnica diferente que administra a vacina no local da infecção, os pesquisadores de Oxford pretendem investigar se isso resulta em maior proteção, especialmente contra a transmissão e doenças leves. Em 27 de junho, um novo ensaio de fase 2/3 foi realizado para demonstrar a segurança e caracterizar a imunogenicidade da vacina da variante Beta, denominada AZD2816.

  • PFIZER / BIONTECH (ALEMANHA)

VACINA DE RNA

A vacina é administrada em duas doses com três semanas de intervalo. Em dezembro de 2020, o Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a aprovar esta vacina e começou a lançar 800.000 doses iniciais no início do mês, e agora está em uso em todo o mundo. A BioNTech, trabalhando em conjunto com a Pfizer, começou a testar sua vacina BNT162 em humanos em testes globais, inicialmente na Alemanha e depois nos EUA. A BioNTech também assinou um acordo de financiamento de dívida de € 100 milhões com o Banco Europeu de Investimento para aumentar a produção da vacina na Europa. 

Em 27 de julho de 2020, anunciou o lançamento de um ensaio de fase 2/3 com 30.000 voluntários nos EUA e em outros países, incluindo Argentina, Brasil e Alemanha. Em setembro, ela disse que expandiria seu estudo de fase 3 nos Estados Unidos para 44.000 participantes. No início de outubro de 2020, A BioNTech e a Pfizer começaram a recrutar para um ensaio clínico de fase 3 na África do Sul e no início de novembro relataram resultados provisórios promissores. Sua análise de eficácia final confirmou uma forte eficácia. 

Leia mais: Estudo francês com 22 milhões de pessoas demonstra eficácia das vacinas contra a COVID-19

Em fevereiro, um ensaio de fase 4 foi lançado como parte de um estudo de coorte nacional em colaboração com o Ministério do Interior e Saúde dinamarquês. A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos autorizou seu uso em crianças de 12 a 15 anos nos Estados Unidos. Em 23 de agosto de 2021, o FDA concedeu a aprovação total da vacina para pessoas com 16 anos ou mais, levando-a além do status de uso de emergência nos Estados Unidos - a primeira vacina a fazê-lo. 

Em 12 de agosto de 2021, o FDA dos Estados Unidos autorizou o uso de injeção de reforço em receptores de transplantes. Esta vacina requer armazenamento em freezer. Em 27 de setembro de 2021, um ensaio de fase 4 foi registrado para estudar uma terceira dose da vacina para aumentar a imunidade de COVID-19. No mesmo dia, um ensaio de fase 4 separado foi registrado para estudar os efeitos de comparação da terceira dose com Sinovac ou vacina de mRNA (Comirnaty) para aumentar a resposta imunológica em adultos que receberam anteriormente duas doses de Sinovac ou BNT162b2 (Comirnaty, BioNTech / Fosun Pharma).

  • SINOVAC (CHINA)

VACINA INATIVADA

A Sinovac conduziu estudos de fase 3 envolvendo voluntários no Brasil, Indonésia e Turquia. Embora ainda não tenha sido aprovado pelos reguladores, os embarques já chegaram à Indonésia, prontos para lançamento. Um relatório de julho disse que o governo chinês deu à vacina Sinovac uma aprovação de emergência para uso limitado. A cidade de Jiaxing supostamente ofereceu a vacina a profissionais de saúde e outros grupos de alto risco por US $ 60. A empresa iniciou os testes de fase 4 em fevereiro de 2021.

Um estudo de fase 2 foi realizado em 12 de julho de 2021 para determinar a segurança e imunogenicidade de doses de reforço. Um estudo de fase 3 deve ser realizado no final de agosto de 2021 para avaliar a eficácia da vacina em participantes com idade entre 6 meses e 17 anos. Um relatório de estudo em um ensaio clínico de fase 4 foi publicado em 23 de agosto de 2021, que concluiu que a administração simultânea da vacina e da vacina contra a influenza sazonal seria viável. Em 27 de setembro de 2021, um ensaio de fase 4 foi registrado para estudar os efeitos de comparação de uma terceira dose com Sinovac ou vacina de mRNA (Comirnaty) para aumentar a resposta imunológica em adultos que receberam anteriormente duas doses de Sinovac ou BNT162b2 (Comirnaty, BioNTech / Fosun Pharma).

  • CANSINO BIOLOGICS INC. (CHINA)

VIRAL VECTOR VACCINE

A vacina candidata Ad5-nCoV usa um vetor viral não replicante inofensivo para transportar os antígenos da vacina para o corpo humano - esta é a mesma plataforma que o desenvolvedor da vacina CanSino Biologics Inc, com sede em Tianjin, usou para sua vacina de Ebola. A vacina COVID-19 foi desenvolvida em conjunto com o Instituto de Biotecnologia da Academia de Ciências Médicas Militares. Em 25 de junho de 2020, os militares chineses aprovaram a vacina por um ano como uma “droga especialmente necessária”, o que é incomum, uma vez que os resultados da fase 2 ainda não haviam sido comparados. 

Em 9 de agosto de 2020, o ministério da saúde saudita anunciou que CanSino realizaria um teste de fase 3 na Arábia Saudita; no final do mês, a empresa também iniciou um teste no Paquistão e na Rússia. Em maio de 2021, a empresa registrou um ensaio de fase 4 com 300 participantes adultos que foram preparados com uma ou duas doses da vacina SARS-CoV-2 inativa. Em 5 de agosto de 2021, a Reuters relatou que os níveis de anticorpos em pessoas inoculadas com esta vacina podem cair para cerca de 30 por cento após seis meses. Um relatório de ensaio clínico de fase 2 publicado em 22 de setembro de 2021 confirmou que uma única dose da vacina era segura e induziu respostas imunes robustas em indivíduos de 6 a 17 anos.

  • INSTITUTO DE PRODUTOS BIOLÓGICOS DE BEIJING (CHINA)

VACINA INATIVADA

O Instituto de Pequim faz parte do Sinopharm Group, estatal da China, e desenvolveu sua vacina chamada BBIBP-CorV, em colaboração com o Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças. Nos testes de fase 3 nos Emirados Árabes Unidos, 5.000 pessoas receberam BBIBP-CorV. O Instituto lançou um ensaio clínico de fase 4 para a vacina. Um ensaio clínico de fase 3 deve ser realizado em outubro de 2021 para avaliar a segurança, imunogenicidade e eficácia de duas doses da vacina, seguidas de uma dose de reforço em adultos com 18 anos de idade ou mais.

  • JANSSEN / JOHNSON & JOHNSON (EUA)

VACINA  VECTOR VIRAL

A J&J desenvolveu vacinas para o ebola e outras doenças com o adenovírus recombinante sorotipo 26 (Ad26) e agora fez uma para o coronavírus. Ela lançou os testes de fase 1/2 em julho de 2020 e, em setembro, um teste de fase 3 com 60.000 participantes na América Latina. Ele espera fazer até um bilhão de doses em 2021. A Janssen começou os testes de fase 3 no Reino Unido em novembro do ano passado. A J&J comprometeu 500 milhões de doses desta vacina para a iniciativa COVAX para distribuição mundial. Em janeiro, a empresa anunciou que a vacina tinha eficácia de 66% na América Latina, 57% na África do Sul e 72% nos Estados Unidos, com 100% de eficácia contra doenças graves em todos os ensaios. Em junho de 2021, a empresa lançou um teste de fase 4 na Holanda. A J&J está entre as vacinas do portfólio da COVAX.

  • INSTITUTO MODERNA / NACIONAL DE ALERGIAS E DOENÇAS INFECCIOSAS (EUA)

VACINA DE RNA

Em colaboração com o Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID), a Moderna, sediada nos Estados Unidos, lançou inicialmente um ensaio de fase 1 para testar sua segunda vacina COVID-19, mRNA-1273.351. A vacina tem como alvo específico a variante Beta da SARS-CoV-2, que foi identificada pela primeira vez na República da África do Sul. A vacina candidata mRNA-1273.351 será dada aos participantes do ensaio em esquemas de vacinação isoladamente, sequencialmente, ou coadministrada com a primeira candidata da Moderna, mRNA-1273, que já foi aprovado e implementado nos Estados Unidos. Um ensaio de fase 2 , que também está testando a eficácia da vacina contra COVID-19 em pacientes com câncer, foi lançado em abril de 2021 com 120 participantes. 

Em junho, a Moderna lançou um teste de fase 4para mRNA-1273.351 na Bélgica. Em 11 de agosto de 2021, os resultados de um ensaio clínico de fase 2/3 sugeriram que a vacina era segura para uso e eficaz na prevenção de COVID-19 em adolescentes entre 12 e 17 anos. No mesmo dia, os resultados de um ensaio de fase 3 de uma vacina de terceira dose em receptores de transplantes adultos mostraram que o reforço aumentou sua resposta imunológica. A Food and Drug Administration dos Estados Unidos autorizou o uso de dose de reforço em receptores de transplantes. Um ensaio clínico de fase 4 foi registrado em 1º de setembro de 2021 para estudar a eficácia da vacinação de reforço em pacientes transplantados renais que não foram soroconvertidos após duas doses da vacina.

Leia mais: 

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você