[ editar artigo]

Estudo francês com 22 milhões de pessoas demonstra eficácia das vacinas contra a COVID-19

Estudo francês com 22 milhões de pessoas demonstra eficácia das vacinas contra a COVID-19

 

A vacinação reduz o risco de morrer ou ser hospitalizado com COVID-19 em 90%, concluiu um estudo francês com 22,6 milhões de pessoas com mais de 50 anos. A pesquisa publicada na segunda-feira, dia 11 de outubro, também descobriu que as vacinas parecem proteger contra os piores efeitos da cepa de vírus mais prevalente, a variante Delta.

O estudo - o maior do tipo até agora - foi realizado pelo Epi-Phare, um grupo científico estabelecido pelo sistema de saúde da França, seu fundo nacional de seguro saúde, l’Assurance Maladie (CNAM), e a agência nacional de medicamentos ANSM.

Leia Um aviso de Israel: a vacinação enfraquece, mas não derrota a variante Delta

Os pesquisadores compararam 11,3 milhões de vacinados com mais de 50 anos com o mesmo número de não vacinados da mesma faixa etária entre 27 de dezembro de 2020, quando as vacinações começaram na França, e 20 de julho deste ano. Eles observaram “uma redução no risco de hospitalização superior a 90%” a partir do 14º dia após a segunda dose e uma redução semelhante no número de mortes por COVID-19. Descobertas semelhantes haviam sido publicadas anteriormente em Israel, no Reino Unido e nos Estados Unidos. 

Para avaliar a eficácia da vacinação na prevenção de formas graves da doença, o EPI-PHARE realizou dois estudos reais em paralelo, usando dados do SNDS (National Health Data System), um com 15,4 milhões de pessoas com idades entre 50 e 74 (7,7 milhões vacinados em comparação com 7,7 milhões não vacinados) o outro em 7,2 milhões de pessoas com 75 anos ou mais (3,6 milhões vacinados em comparação com 3,6 milhões não vacinados). Ambas as coortes foram acompanhadas até 20 de julho de 2021.

A eficácia das vacinas no combate aos sintomas mais graves da COVID-19 não diminuiu durante o período de cinco meses do estudo, segundo os autores. Os resultados foram os mesmos, independentemente de o paciente ter recebido a vacina Pfizer / BioNTech, Moderna ou Oxford / AstraZeneca. A dose única do Janssen, autorizada posteriormente na França, não foi incluída porque os pesquisadores sentiram que não havia pacientes ou tempo suficiente para estudar adequadamente sua eficácia. Entre os vacinados de 50 a 74 anos, 53,6% (n = 4.158.306) receberam a vacina Pfizer, 7,1% (n = 553.676) Moderna e 39,2% (n = 3.042.930) AstraZeneca. Entre aqueles com 75 anos ou mais, 85,3% (n = 3.109.133) receberam Pfizer, 8,7% (n = 315.455) Moderna e 6,1% (n = 221.156) AstraZeneca.

Os pesquisadores tiveram apenas um mês entre o surgimento da variante Delta na França e o final do estudo, mas os resultados mostraram que as vacinas reduziram o risco de sintomas graves e morte em 84% entre os maiores de 75 anos e 92% entre grupo de 50-74 anos de idade.

Para garantir a comparação mais próxima possível, os pesquisadores parearam pessoas vacinadas e não vacinadas da mesma idade e sexo que viviam na mesma região. O estudo analisou apenas os sintomas mais graves de infecção e não examinou se as vacinas impediram as pessoas de se infectarem ou de transmitirem o vírus.

O relatório conclui: “Todas as vacinas [estudadas] contra COVID-19 são altamente eficazes e têm um grande efeito na redução de formas graves de COVID-19 entre pessoas com 50 anos ou mais que vivem atualmente na França. A pesquisa contínua do Epi-Phare nos permitirá medir a evolução dessa eficácia ao longo de um período mais longo e estabelecer melhor os efeitos sobre a variante Delta. ”

 

 

Referências:

French study of over 22m people finds vaccines cut severe Covid risk by 90%. Disponível em https://www.theguardian.com/world/2021/oct/11/french-study-vaccines-cut-covid-deaths

Impact de la vaccination sur le risque de formes graves de Covid-19. Disponível em https://www.epi-phare.fr/rapports-detudes-et-publications/impact-vaccination-covid-octobre-2021/

Artigos relacionados:

 

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você