{{ warning.message }} Ver detalhes
Post
Link
Pergunta
Desistir ou não da Residência?
[editar artigo]

Desistir ou não da Residência?

Desistir ou não da residência

*repostagem autorizada de Solon Maia - Meus Nervos

Acordei neste domingo com um e-mail que me sensibilizou…

O drama de um médico que acabou de ingressar na residência. Não está satisfeito e não sabe o que fazer. Passei por isso e acredito que muitos outros colegas também.

Respondi o e-mail e resolvi compartilhar com vocês, para que a questão seja levantada, discutida, e também porque talvez ajude outras pessoas que esteja passando pelo mesmo problema, nem que seja para verem que não estão sozinhas… O drama da residência é comum à grande maioria dos médicos. Só quem está dentro ou que já passou por isso é que sabe o quanto é difícil.

 E-mail do estimado R1 de Ortopedia:

“Boa noite. Tudo bem?

                Vi recentemente uma postagem sua que retratou exatamente o que estou passando. Estou iniciando meu segundo mês de residência medica em ortopedia e não  é nada do que eu esperava. Porem, hoje vivo com um agravante, que é a falta de oportunidades para médicos na atenção primária. Estou correndo o risco de largar a residência e ficar desempregado!

                A carga de serviço é extenuante, os preceptores são uns “animais” e, para completar, o tema não esta me seduzindo nem um pouco. Como você já passou por essa situação, será que me sugere algo? Algum conselho? Alguma consideração a fazer? Estou perdido!

Obrigado pela atenção.

R1 de Ortopedia.”

Minha resposta:

Olá, colega!  

Obrigado pela confiança ao se expor e pedir meus conselhos, mas saiba que talvez eu não seja a melhor pessoa para isso… Sou exageradamente revoltado com o esquema que vigora na maioria das residências médicas, a “mera tocação de serviço”, e mais revoltado ainda com o bullying praticado pelos “colegas” que estão a mais tempo na residência… De qualquer forma, vamos lá!

Tentarei ser racional para te dar essa resposta… Então, aí vão alguns pontos que você deve levar em consideração:

  •  Está cada vez mais difícil passar na prova de residência! Largar e ficar desempregado é menor dos problemas… O complicado mesmo é conseguir seguir adiante e passar novamente!
  • Quanto mais você demora a passar, mais difícil vai ficando! Inevitavelmente elevará seu padrão de vida, terá que trabalhar mais, e passará a ter que conciliar trabalho com estudo… Quanto mais o tempo passar, maior será sua desvantagem em relação à turma nova que está saindo da faculdade. É preciso muita disciplina pra estudar de forma correta anos depois de formado.
  • O mercado de trabalho em medicina está se saturando exponencialmente; explodiram milhares de vagas de faculdades meia-boca e ainda é só o começo. Residência agora é mais importante que nunca!
  • Quanto mais demora para ingressar, mais difícil será aguentar a residência. Você já terá certa idade e experiência; não será fácil engolir sapos, acatar ordens absurdas, levar a culpa por coisas que não fez, etc. Vivo isso atualmente; é bastante complicado. Quanto mais cedo você passar por isso, melhor.
  • Você tem que identificar se o seu problema é com a especialidade, ou se é com o modo que funciona sua residência. 
  • Por mais que você ame a especialidade escolhida, se for apenas “tocação de serviço”, com carga horária realmente exagerada, sendo constantemente humilhado, destratado, desrespeitado, talvez não valha a pena.
  • Residências de especialidades cirúrgicas (ortopedia, cirurgia, otorrino e ginecologia e obstetrícia) são realmente mais puxadas. Dificilmente 60h semanais serão suficientes para que aprenda a lidar com ambulatório, enfermarias e centro-cirúrgico. Se você escolheu uma dessas, terá que estar ciente de que não será nada fácil.  
  • Os primeiros meses sãos os piores. São tipo um teste ou período de adaptação que os idiotas fazem com você. Após certo tempo você se adapta, ganha certo respeito, e os imbecis se cansam, te deixando mais quieto, desde que você faça seu serviço.
  • Após todas essas considerações, eis os meus conselho:

    - Se você não gosta da especialidade escolhida, desista! Tem que fazer o que gosta!

    - Se a residência é ruim, desista! Se ferrar durante anos para ter uma má formação não compensa!

    - Se a especialidade é realmente a que você quer, se a residência é boa, e o problema é apenas com os residentes mais antigos e da grosseria dos preceptores, continue firme! Não permita que esses imbecis atrapalhem sua vida!

     Espero ter ajudado… Sucesso, cara!

    Um grande abraço! 

    Não deixe de conhecer o Blog Meus Nervos ou no Facebook

    **tira adaptada deste post

    Academia Médica

    Academia Médica

    Página da redação do Academia Médica para noticiar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

    Fique informado sobre as novidades da comunidade
    Cadastre-se aqui
    Gostou desse artigo? Escreva o seu também!
    Nova publicação

    Artigos relacionados

    Continue lendo!

    Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso
    aos conteúdos exclusivos.

    Entrar