Academia Médica
Academia Médica
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

“Diário de Berlim”. Educadora da área médica publica vídeos e incentiva leitura de obra sobre política internacional

“Diário de Berlim”. Educadora da área médica publica vídeos e incentiva leitura de obra sobre política internacional
Academia Médica
abr. 3 - 10 min de leitura
0110


A educadora médica Raquel Rangel Cesario vem desenvolvendo nas redes sociais um trabalho de divulgação e incentivo à leitura do livro “Diário de Berlim”, de autoria de Willian L. Shirer e publicado pela primeira vez no ano de 1941. Ela mantém um canal no Youtube (clique aqui), onde posta vídeos quase diariamente sobre a obra. Os mesmos têm cerca de dez minutos, o que corresponde ao tempo de leitura de três a quatro páginas.



Infelizmente não encontramos o livro a venda em português. A versão em inglês está Amazon para o Kindle. Você pode adquirí-lo AQUI

Raquel Rangel Cesário é Graduada em Nutrição e Filosofia, mestre em Medicina e Saúde, Doutora em Promoção da Saúde, especialista em ativação de mudanças, docente no curso de Medicina do Uni-FACEF e pesquisadora credenciada ao Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional do Uni-FACEF, Raquel conversou com a Academia Médica e contou por que considera a leitura do livro importante nos dias atuais. Confira:

Academia Médica: Quando e como foi seu primeiro contato com o “Diário de Berlim”?

Raque: Tenho muitos livros ainda não lidos em casa, e “Diário de Berlim” era um deles. Há alguns anos eu estava interessada em ler sobre a 2ª. guerra e escolhi este. O livro é o diário de Willian Shirer, um jornalista americano que atuava na Europa como correspondente internacional, e retrata os acontecimentos pela perspectiva dele - que era muito sagaz - de 1934 a 1941.

Eu acompanhava com alegria um blog sobre política internacional, em que havia uma comunidade diversa de pessoas que conversava nos comentários do blog, era muito bom. E “Diário de Berlim” me encantou por que, além do conteúdo, parecia um precursor dos atuais blogs.

Academia Médica: Por que, na sua opinião, é importante a leitura da obra?

Raquel: Eu me interesso por muitos assuntos variados. História, política internacional, jornalismo… o “Diário de Berlim” me dá isso. Acho fascinante, por exemplo, acompanhar a novidade do rádio e como um jornalista internacional experiente lidava com aquilo, que era novidade pra ele. Também ajuda a reposicionar a interpretação dos fenômenos atuais, por que é uma oportunidade de ver que as fakenews já existiam; que o autoritarismo se utiliza da narrativa de mitificação de um homem para hipnotizar uma população inteira; que um fenômeno devastador como a 2ª. guerra foi deliberadamente gestada antes, por muitos anos.

Academia Médica: O que é e como surgiu o trabalho que você vem desenvolvendo com o livro nas redes sociais? Qual a proposta?

Raquel: Eu gostei do conteúdo do livro. Com as transformações que vieram ocorrendo no Brasil desde 2013, e particularmente em 2017, passei a ver muitos paralelos com os dias atuais. Comecei a indicar o livro pra algumas pessoas. Dois amigos o leram e concordaram com as conexões que eu fazia. O tempo foi passando e as minhas impressões foram se confirmando… Em 2022, tivemos mais uma campanha política, tal como em 2017, e a vontade de que mais gente tivesse acesso ao conteúdo do livro começou a bater forte novamente. Mas o livro está esgotado, e quem compra livro no Brasil hoje? Pouquíssima gente.

Eu também gosto de ler em voz alta e comecei a pensar num podcast. Mas eu não tenho recursos nem o conhecimento necessário pra gravar, editar, adicionar efeitos sonoros, divulgar o conteúdo de forma profissional...Aí fui deixando o projeto de lado, adiando seu início para as minhas férias de fim de ano. Essas foram passando e eu avaliando que tinha perdido o timing. Aí veio o 08 de janeiro de 2023 e eu decidi que não dava mais para adiar. Eu começaria com os recursos amadores de que disponho, do jeito possível para mim. Optei por um canal de youtube por que era um recurso menos estranho pra mim que um podcast. Atualmente, a intenção é publicar um vídeo de cerca de 10 minutos por dia, que corresponde ao tempo de leitura de 3 a 4 páginas. Como as aulas já recomeçaram, nem sempre consigo manter esse ritmo. Mas o canal é pequeno, são poucas as pessoas que me acompanham diariamente. A essas eu peço desculpas por, às vezes, falhar na entrega diária. Sei que há aí um problema de continuidade, mas que ainda não consegui resolver.

Uma curiosidade a meu respeito é que eu não costumo ouvir podcasts, sou muito pouco auditiva. Um áudio de 10 minutos pra mim passa a ter 15, pois eu preciso voltar pra ouvir novamente o que deixei passar. De modo que eu dificilmente seria público do meu canal, mas há quem goste, e esse projeto é para essas pessoas.

Academia Médica: Como o conteúdo do livro se aplica aos dias de hoje?

Raquel: Aqui é preciso dizer ao leitor que eu sou e sempre fui anti-bolsonarista. E o sou por que, quando começou a movimentação em torno do nome dele, em 2017, a lembrança do “Diário de Berlim” começou a martelar minha cabeça. Eu via, no processo de construção da imagem de Bolsonaro aqui (e de outros nomes da extrema direita pelo mundo), aquilo que Willian Shirer via na Europa em 1934, quando começa o diário dele, mas que é bem anterior a isso, vem do começo da década de 20.

Então, quando, em 2017, eu me mostrava preocupada com o futuro do Brasil e as pessoas diziam que eu estava sendo exagerada, apocalíptica e tal, eu nos reconhecia em processos históricos como o Putsch de Munique, que foi uma tentativa fracassada de golpe pra tomar o governo da Bavária, em 1923. E constituiu também o início da ascensão da figura de Hitler e do partido nazista.

A Roberta Bouças, historiadora muito interessante que eu conheci aqui na Academia Médica, alerta que o fato de fazermos paralelos dos dias de hoje com fatos históricos não significa que os mesmos desfechos voltarão a ocorrer, tal qual no passado, mas o conhecimento histórico nos ajuda a balizar e pesar fenômenos atuais. Me ajudou, por exemplo, a apoiar as atitudes fortes do Presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, ainda que eu consiga perceber o perigo de se conceder muito poder a uma só pessoa. Não se trata de mitificar o ministro, mas de, conhecendo os processos subliminares, compreender que a inação é muito mais perigosa que ação forte. A minha postura é de defesa inequívoca do Estado Democrático de Direito, ainda que eu saiba das imensas limitações da nossa democracia. Eu parto do pressuposto de que a democracia mais frágil é melhor que a não-democracia.   

Academia Médica: Qual o impacto do trabalho com o livro na sua jornada como professora e educadora médica?

Raquel: Eu nunca havia pensado nisso. Este ano, recebendo uma nova turma de Medicina, pedi aos meus alunos (é um grupo pequeno, de seis estudantes) que se apresentassem contando algo inusitado sobre si, um ponto fora da curva. Descobrimos talentos para música, culinária, hipismo e jogos. São características que a faculdade costuma esquecer de perguntar, mas eu não quero perder de vista que o estudante de Medicina, antes de ser estudante, é pessoa. Gosto de pensar que eu não formo médicos, eu formo pessoas capazes de exercer a Medicina com prazer e responsabilidade.

Então, no primeiro encontro com alunos, o ponto fora da curva que eu apresentei sobre mim foi o projeto do “Diário de Berlim”. E sei que ao menos um desses seis alunos ingressantes entrou lá e acompanhou alguns vídeos. Há outros, que me seguem nas redes sociais, que sabem da existência do projeto. Mas você sabe, o dia a dia do estudante de Medicina é puxado.

Voltando ao impacto do trabalho com o livro na minha jornada como professora, o projeto amplia meus horizontes, amplia a mim como agente no mundo. Eu "ensino" pelo exemplo. Quero crer que, se eu tenho um olhar ampliado sobre o mundo, sobre a política (que interfere sobre nossa vida de várias formas) e muitos dos fenômenos que nos cercam, subliminarmente eu ensino que o exercício responsável da Medicina se faz com mais do que conhecimentos em biologia e farmacologia e excelentes habilidades em semiotécnica e raciocínio clínico.

Nota da redação: 

As opiniões expressadas nas entrevistas são de autoria dos entrevistados

Leia também:



Denunciar publicação
    0110

    Indicados para você