[ editar artigo]

Dietas com elevados índices glicêmicos matam mais do que as dietas Low Carb

Dietas com elevados índices glicêmicos matam mais do que as dietas Low Carb

A preocupação com os efeitos sobre a saúde de alimentos e bebidas com carboidratos de baixa qualidade aumentou a popularidade das chamadas dietas low carb. Alimentos com carboidratos de baixa qualidade incluem aqueles que contêm uma quantidade baixa de fibras, uma porcentagem maior de grãos refinados do que grãos inteiros, e um alto índice glicêmico (uma medida de quanto 50 g de carboidrato de um alimento específico aumenta o nível de glicose no sangue). Há um amplo consenso sobre o valor dos alimentos integrais e ricos em fibras para a prevenção de doenças crônicas. Embora muitos estudos apóiem ​​o consumo de uma dieta com baixo índice glicêmico na prevenção e no tratamento do diabetes,  os dados sobre a associação entre dieta com baixo índice glicêmico e redução do risco cardiovascular têm sido mais mistos. Além disso, a maioria dos dados sobre a associação entre o índice glicêmico e doenças cardiovasculares foram coletados em países de alta renda, com poucos dados fornecidos para países com rendimentos baixos ou médios.

Levando isso em consideração, David Jenkins e colaboradores avaliaram a associação entre o índice glicêmico e as doenças cardiovasculares e todas as causas de mortalidade em um grande estudo internacional: o estudo Prospectivo Urbano Rural Epidemiológico (PURE), envolvendo participantes com uma ampla gama de ingestão de carboidratos e diversos padrões dietéticos. A hipótese é que esse estudo provavelmente indicaria até que ponto o índice glicêmico tem algum valor como um marcador da qualidade dos carboidratos relacionados às doenças crônicas em geral e às doenças cardiovasculares em particular.

A metodologia do estudo foi realizada em diversos países

A análise inclui 137.851 participantes com idades entre 35 e 70 anos que vivem em cinco continentes, com um seguimento médio de 9,5 anos. Os participantes foram ainda classificados de acordo com sete regiões etnoculturais: Europa e América do Norte, América do Sul, África, Oriente Médio, Sul da Ásia, Sudeste Asiático e China. Foram utilizados questionários de frequência alimentar específicos de cada país para determinar a ingestão alimentar e foi estimado o índice glicêmico e a carga glicêmica com base no consumo de sete categorias de alimentos com carboidratos. Com base nisso foram calculadas as razões de risco usando modelos multivariáveis de fragilidade de Cox.

O desfecho primário foi um evento cardiovascular maior (morte cardiovascular, infarto do miocárdio não fatal, acidente vascular cerebral e insuficiência cardíaca) ou morte por qualquer causa.

E o resultado foi: dietas com altos índices glicêmicos matam mais

Na população analisada do estudo, 8.780 mortes e 8.252 eventos cardiovasculares maiores ocorreram durante o período de acompanhamento. Depois de realizar ajustes extensos comparando os grupos de índice glicêmico mais baixo e mais alto, eles perceberam que

uma dieta com um alto índice glicêmico estava associada a um risco aumentado de um evento cardiovascular importante ou morte, seja entre os participantes com doença cardiovascular pré-existente ou entre aqueles sem doença.

Entre os componentes do desfecho primário, um alto índice glicêmico também foi associado a um maior risco de morte por causas cardiovasculares. Os resultados em relação à carga glicêmica foram semelhantes aos achados em relação ao índice glicêmico entre os participantes com doença cardiovascular no início do estudo, mas a associação não foi significativa entre aqueles sem doença cardiovascular pré-existente.

Neste estudo, os autores descobriram que em vários países com diferentes regiões geográficas e econômicas, dietas com alto índice glicêmico foram associadas a um maior risco de doença cardiovascular e morte do que dietas com baixo índice glicêmico. A diversidade cultural e socioeconômica deste estudo permite uma avaliação da associação entre o índice glicêmico e a carga glicêmica com eventos em uma ampla gama de padrões alimentares. A avaliação dos desfechos entre os participantes de acordo com a presença ou ausência de doença cardiovascular pré-existente permitiu a exploração de associações com implicações para as estratégias de prevenção primária e secundária.

Como esperado, um índice glicêmico elevado foi associado a um risco aumentado de efeitos adversos entre os participantes com um IMC mais alto. Pessoas com um IMC alto têm maior risco de diabetes, doenças cardiovasculares e certos tipos de câncer. Embora o índice glicêmico dos alimentos seja independente do status de tolerância à glicose, a resposta glicêmica pós-prandial geral à dieta aumenta à medida que o IMC aumenta. Assim,

pode-se esperar que dietas com alto índice glicêmico interajam com a resistência à insulina associada ao aumento do IMC para produzir uma resposta glicêmica pós-prandial ainda maior, aumentando assim as consequências negativas do consumo de uma dieta com alto índice glicêmico.

Dietas com baixo índice glicêmico foram associadas a níveis glicêmicos pós-prandiais mais baixos, níveis mais baixos de colesterol sérico e proteína C reativa e pressão arterial mais baixa. Essas dietas foram associadas a uma incidência reduzida de diabetes e doenças cardiovasculares, condições que podem aumentar o risco de morte por outras causas, possivelmente incluindo doença coronavírus 2019 (Covid-19).

Esse estudo mostrou que em uma população diversificada de participantes, aqueles que consumiam uma dieta com baixo índice e carga glicêmica tinham um risco menor de doença cardiovascular e morte do que os participantes que consumiam uma dieta com índice glicêmico e carga glicêmica mais elevados.

 


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 215 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências

  1. Jenkins, D. J., Dehghan, M., Mente, A., Bangdiwala, S. I., Rangarajan, S., Srichaikul, K., ... & Yusuf, S. (2021). Glycemic index, glycemic load, and cardiovascular disease and mortality. New England Journal of Medicine, 384(14), 1312-1322.

Conteúdo elaborado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você