[ editar artigo]

Fake News e a Revolta da Vacina

Fake News e a Revolta da Vacina

O ano era 1904 e cerca de 1800 pessoas foram internadas em um hospital brasileiro. Era um surto de varíola. Em busca da cura do problema, foi usado um antídoto que consistia, basicamente, no líquido retirado de pústulas* de vaca e, por isso, até hoje, a conhecemos como "vacina" (a qual já era estudada desde o século 18 por Edward Jenner, que cunhou o termo). Na época, muitas pessoas acabaram por desprezar ela por um boato que surgiu de que, acredite, a vacina fazia com que o contemplado ficasse com feições e características bovinas.

Bom, olhando para o título da publicação e o que você leu até aqui, creio que já tem uma ideia de onde quero chegar, não é?!

Provavelmente você já deve ter ouvido, lido, enfim, muitas fake news sobre as vacinas da COVID-19. E qual é o impacto disso? 

Bom, antes de tudo, quero deixar claro que tomar ou não a vacina é uma decisão pessoal. 

 

Mas o grande problema que vivemos atualmente no mundo (e especialmente por aqui) é o fato de muitas pessoas, muitas delas que infelizmente não tiveram acesso à informação e/ou educação de qualidade, estarem sendo enganadas por falsas teorias lançadas por fontes mal intencionadas sobre que a vacina causa isso, gera aquilo e vem com tal coisa, em suma, o fim da picada. 

 

O grande impacto dessas falsas informações é que uma enorme quantidade de pessoas deixa de se vacinar temendo o que entrará em seu organismo ou por medo de algo mirabolante que disseram que a vacina cause, ou seja, uma nova "revolta da vacina" causada pela falta de informação.

 

Pior do que isso, e ainda mais, são os que, com medo, e acreditando nas falsas informações sobre as vacinas, não voltam para tomar a segunda dose.

 

Dessa forma, além de não completar o esquema vacinal, pois sem completá-lo com as duas doses não há real efetividade do tratamento, uma dose está sendo tirada de quem realmente gostaria de receber a vacina, ou seja, atrasa a vez de quem queria ter se vacinado. 

 

Mas as vacinas são seguras?

Te responderia com outra pergunta da prática...O nosso país, segundo o Our World In Data, já passa os 120 milhões de completamente vacinados (04/11/2021). Como está a questão das mortes por COVID-19 agora, estão só aumentando? Houve algum relato em um número considerável de pessoas que a vacina esteja causando algumas daquelas coisas que vemos nas falsas notícias? Bom, se as respostas forem "não", caso encerrado e elas realmente são seguras. Se por algum acaso houver algum "sim", por favor, deixe nos comentários suas provas.

Como disse antes, vacinar ou não vai de cada um, mas é preciso entender que uma notícia falsa não tem impacto apenas em quem acredita nelas, mas em quem nunca teve nada a ver com isso.

 

Se você perde um ente querido (como foi o meu caso, por exemplo) é uma dor muito grande, não é?! Mas, e se isso fosse multiplicado por mais de 600.000? Muito mais grave! E isso só considerando números do nosso país. O mundo já passou a casa dos milhões de mortos! 

 

Por isso, fica a dica: vacinar-se contra as fake news é obrigatório!

 

Quase encerrando, não vou tomar muito mais do seu corrido tempo, uma breve descrição sobre as três principais vacinas e seus componentes:

A pioneira Coronavac se utiliza de uma formulação tradicional: vírus inativado.
Direto da Inglaterra, a Oxford/AstraZeneca faz o uso do conhecido vetor viral em suas doses.
A moderna Pfizer inova e impressiona com sua eficácia com o uso de microRNA (mRNA).  

Para saber mais sobre as vacinas leia o artigo Corrida das vacinas COVID-19 - Atualização semanal


A função dessa publicação foi demonstrar o quanto é prejudicial quando uma notícia falsa é disseminada, seja nos idos de 1904 ou atualmente.

 

Independentemente da decisão de se vacinar ou não, já que é uma decisão pessoal, estamos vendo na prática o quanto a vacinação poderia ter sido uma dose de esperança para quem acabou até perdendo a vida pelo medo gerado por falsas notícias. 

 

Portanto, respeito ao livre arbítrio é obrigatório, mas fake news, esse sim, é o fim da picada! 

*Nota: pústula seria uma lesão elevada na pele, semelhante a uma vesícula, com pus, conteúdo purulento dentro dela.

Gostou? Ou sugere alguma melhora? Por favor, deixa nos comentários!

Foi um prazer voltar a escrever na Academia!

 

Artigos relacionados

Referências

Portal Fiocruz https://portal.fiocruz.br/noticia/revolta-da-vacina-2 Acesso: 04/11/2021

https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/perguntas-frequentes/69-perguntas-frequentes/perguntas-frequentes-vacinas/213-como-surgiram-as-vacinasAcesso: 04/11/2021

Dados do Brasil no Our World in data:https://ourworldindata.org/covid-vaccinations?country=BRA

Mishra SK, Tripathi T. One year update on the COVID-19 pandemic: Where are we now? Acta Tropica (Elsevier). 2021;214.https://doi.org/10.1016/j.actatropica.2020.105778

Academia Médica
Gabriel Couto
Gabriel Couto Seguir

Aluno do Curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná. Gosta de ouvir em primeiro lugar e de ser ouvido e, quem sabe, futuro oncologista. E agora pensando em geriatria 😁

Ler conteúdo completo
Indicados para você