[ editar artigo]

Não passei no Concurso de Residência Médica! E agora?

Não passei no Concurso de Residência Médica! E agora?

Médico, Professor do curso de Medicina da Universidade Positivo e  Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, Cesar P. Kubiak apresentou na Revista do Médico Residente as opções disponíveis à quem não foi aprovado no concurso de residência médica.

Em seu artigo original, que pode ser acessado AQUI, ele demonstra a complexidade da vida profissional do recém egresso. Algumas armadilhas e ciladas podem ser encontradas também em alguns programas de Residência Médica.

O autor faz uma análise de um fato que está se tornando comum após a graduação: o egresso dos cursos de Medicina não conseguirem ser aprovados nos concursos de Residência Médica.

Assim, se este fato acontecer, há várias opções possíveis e plausíveis como: bons e reconhecidos cursos de especialização, concursos públicos, médico plantonista em instituições idôneas, visitar cidades do interior, e sempre continuar estudando.

universeplans

Vamos aos planos:

A residência médica – plano A: incontestavelmente é o melhor modelo de pós-graduação (sensu lato) que pode ser pretendido, quando bem estruturada, reconhecida pelo MEC através da CNRM e contemplado todos os pré-requisitos. É bom observar que neste Brasil afora existem muitas arapucas bem maquiadas, rotuladas de programa de residência médica). Ressalte-se ainda que a residência atende a pouco mais de 40% da demanda.Metade dos formando ou mais não terão esta oportunidade. Aí entram os outros planos.

Plano B: cursos de especialização oferecidos por várias instituições de ensino, validados pelas Sociedades de Especialidades, a grande maioria sendo pagos pelo especializando, o que lhe garante o direito de cobrar qualidade e excelência. Cuidado: pesquise antecipadamente juntos às instituições de ensino e sociedades de especialidades quais os disponíveis e reconhecidos pelas Sociedades de Especialidades. Muito deles são mais valorizados no mercado de trabalho que os próprios programas de residência.

Plano C: realizar concursos públicos (todos nós deveríamos fazer concursos públicos), assumindo cargos e funções, postergando a especialização, o que garante a sobrevivência, socializa o profissional aumenta a experiência, acumula conhecimento e vivências, ferramentas indispensáveis ao um profissional de sucesso.

Pesquise junto às prefeituras (Secretarias Municipais de Saúde), entidades privadas (Sesc,Senac, ICS...) entidades federais (Forças Armadas, MS etc.).

Plano D: assumir qualquer emprego que lhe garanta a sobrevivência, sendo que o de “plantonista” é o mais abundante e frequente (cuidado com as armadilhas ); continuar estudando e se preparando para no próximo ano tentando o concurso novamente. Lembre-se que para esta tarefa é imprescindível bons conhecimentos de medicina de urgência e no mínimo ter o treinamento do ACLS , senão pagará “mico”, correndo riscos calculados. Vale lembra que, junto ao CRM-PR, grande número de denúncias decorre de atendimento realizado em serviços de urgência/emergência.

Plano E: visitar a partir do quinto ano cidades do interior, sondar oportunidades de emprego, preparar-se adequadamente após autocritica consistente e sincera e buscar estas oportunidades em outras cidades. Sobram empregos, espaços e oportunidades. É preciso entender vez por todas que o interior é tão bom ou melhor que as capitais, com serviços auxiliares de diagnóstico , hospitais e especialistas que nos auxiliam e suportam no mesmo nível dos das capitais. Vale lembrar que a proporção atual de médicos em relação à população, em Curitiba, é de um médico para 220 habitantes.

Plano F: caso tenha suporte financeiro, frequentar como médico “ouvinte” ou “visitante” serviço universitário ou não, mantendo o pique de estudos e aprimoramento constante, criando o seu espaço de atuação e, quiçá, do início da vida profissional que, no fundo, é o que a sociedade espera da tua pessoa.

É sofrido como educador vivenciar as angústias do penúltimo e último ano da graduação, como se não houvesse outras opções viáveis e compensadoras ao nossos recém-formados. Como se fosse um imperativo único passar a qualquer “custo” no concurso de seleção à residência médica.

Às vezes, por conta de muita bajulação, tráfico de influência e sabujice. E saber que, quem não o consegue, torna-se ser mutante, “zumbi”, sem alma, moral, autoestima, apreço e respeito por si mesmo.

Tristes figuras apenadas, depois de um vestibular concorrido e seis longos anos de sacrifícios, abnegações, entregas e dedicação.

Por outro lado, até hoje não encontrei ainda médico desempregado que não tenha condições razoáveis de trabalho e ganho. Significa dizer que a Medicina é uma das poucas profissões atuais que ainda mantém o seu espaço de atuação intocado.

Confira o artigo do Professor Kubiak na íntegra clicando AQUI

Academia Médica
Fernando Carbonieri
Fernando Carbonieri Seguir

Empreendedor serial em saúde com cases de transformação digital reais que já impactam milhões de vidas. Crio uma arena de discussões para que o conhecimento seja compartilhado e construído para que a saúde e a medicina evoluam!

Ler conteúdo completo
Indicados para você