[ editar artigo]

Pesquisadores avaliam efeitos da cannabis e inflamação sistêmica durante os estágios iniciais de psicose

Pesquisadores avaliam efeitos da cannabis e inflamação sistêmica durante os estágios iniciais de psicose

 

Um grupo de pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP), em um artigo publicado no priódico Psychological Medicine, concluiu que a presença de citocinas no sangue pode potencializar os efeitos do uso diário de maconha e, assim, aumentar o risco de desenvolvimento de psicose em adultos.

Resultado semelhante foi observado também quando o consumo da droga ocorreu durante a adolescência, não necessariamente de forma diária.

A psicose envolve sintomas como delírios, perda do senso de realidade e alucinações, além de alterações cognitivas e prejuízos sociais. De acordo com os autores, trata-se da “primeira evidência clínica de que a desregulação imunológica modifica a associação maconha-psicose”. A doença tem vários fatores de risco, como predisposição genética e problemas durante a gestação, mas também ambientais, entre eles experiências traumáticas na infância e adolescência e exposição a substâncias psicoativas, principalmente a maconha.

E sabe-se que o THC é o princípio ativo responsável pelos efeitos psicoativos da maconha.

A pesquisa contou com dados de 409 pessoas, compreendendo pacientes em primeiro episódio psicótico e controles, com idade entre 16 e 64 anos. Foram analisadas variáveis como o padrão de consumo de maconha (diário, não diário ou nunca usou), o tempo de uso (maior ou menor do que cinco anos) e se começou o uso na adolescência ou após.

Foram também feitas medições de diversas citocinas plasmáticas dos voluntários, utilizadas para representar o perfil inflamatório sistêmico dos participantes. Ademais, foram coletados dados clínicos e sociodemográficos, especialmente os conhecidos como variáveis de confusão (idade, sexo, escolaridade, etnia, índice de massa corpórea, consumo de tabaco e de outras substâncias psicoativas). Os resultados obtidos foram independentes das variáveis de confusão.

Os autores encontraram diferenças estatísticas significativas entre o perfil inflamatório dos participantes e o consumo diário ou na adolescência da droga em relação aos pacientes que não utilizavam-na. 

Em síntese, os resultados indicam que disfunções no sistema imunológico podem modificar a associação entre consumo de maconha e desenvolvimento de psicose, de modo que a combinação dos dois fatores aumenta as chances de surgimento do transtorno.

O uso diário da droga e a idade de início antes dos 17 anos interagiram significativamente com o escore inflamatório para aumentar as chances de psicose além de seus efeitos individuais e foram associados à psicose apenas entre aqueles com pontuação média-alta nos indicadores inflamatórios.

 

Referências:

Corsi-Zuelli F, Marques L, da Roza DL, Loureiro CM, Shuhama R, Di Forti M, Menezes PR, Louzada-Junior P, Del-Ben CM. The independent and combined effects of cannabis use and systemic inflammation during the early stages of psychosis: exploring the two-hit hypothesis. Psychol Med. 2021 Mar 19:1-11. doi: 10.1017/S0033291721000726. Epub ahead of print. PMID: 33736715. 

Artigos relacionados:

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você