[ editar artigo]

Tecnologia na saúde: será mesmo que desumaniza?

Tecnologia na saúde: será mesmo que desumaniza?

O debate sobre o atendimento humanizado tem ganhado cada vez mais força à medida que a tecnologia é implementada na área da saúde. A utilização de procedimentos técnicos padronizados e automatizados, além de estruturas hospitalares maiores e mais complexas, contribui para a ideia de que as inovações tornam a relação médico-paciente mais fria e objetiva.

Mas será que não é justamente o oposto? Não é preciso considerar que, com procedimentos burocráticos ou repetitivos sendo realizados por ferramentas digitais e com o apoio da inteligência artificial, os médicos e outros profissionais de saúde podem agora dedicar mais tempo ao atendimento e tratamento de seus pacientes?

 

Afinal, o que é a humanização na saúde?

Primariamente, vale ressaltar a polissemia do termo “humanização”, que fica evidente pela grande quantidade de significados diferentes entre profissionais e usuários. O termo engloba concepções como a relação entre os atores da saúde e a interação entre os profissionais, realizando um trabalho em rede, para não deixar o paciente sem assistência; disponibilidade para ouvir o paciente e trata-lo como centro da atenção, acolhendo-o, compreendendo-o, informando-o, adaptando o tratamento ao seu contexto; busca pelas resoluções dos problemas do paciente com base na agenda, olhar multidisciplinar e atenção à rede de apoio. Além disso, humanização também é dar aos funcionários boas condições para realizarem o seu trabalho, com liberdade e outras coisas que facilitem o bem-estar no serviço.

Dessa forma, o conceito de humanização pode ser traduzido como uma busca incessante do conforto físico, psíquico e espiritual do paciente, família e equipe, elucidando, assim, a sua importância durante o período da internação. Portanto, a humanização representa um conjunto de iniciativas que visam a produção de cuidados em saúde, capazes de conciliar a melhor tecnologia disponível com promoção de acolhimento, respeito ético e cultural do paciente, espaços de trabalho favoráveis ao bom exercício técnico e a satisfação dos profissionais de saúde e usuários.

 

Papel da tecnologia no processo

Alia-se ao termo a tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica, destacando-se as categorias de acesso, acolhimento e vínculo, que podem apresentar significações diversas e ter uma natureza subjetiva no lidar com cada um dos diferentes interesses dos sujeitos envolvidos na construção da saúde.

Um bom exemplo é a área da medicina diagnóstica, em que a medicina e a tecnologia se unem para oferecer aquilo que há de melhor aos pacientes, reduzindo o tempo de recuperação, diminuindo a ocorrência de procedimentos invasivos e agilizando exames e resultados. Nota-se, assim, que a tecnologia aplicada a medicina tem revolucionado os processos de diagnóstico e o tratamento de doenças, com o objetivo de melhorar e prolongar a vida dos pacientes, além de facilitar o trabalho de profissionais da saúde.

 

Diminuição dos erros

Nos últimos anos, com o avanço da tecnologia e suas novas descobertas, a medicina diagnóstica evoluiu bastante favorecendo tanto pacientes quanto médicos, uma vez que exames, procedimentos e resultados tornaram-se mais simples, rápidos e seguros. Além disso, a precisão dos diagnósticos melhorou bastante, diminuindo as chances de erros e possibilitando uma maior exatidão na escolha do tratamento mais adequado para determinada patologia.

Os avanços em equipamentos e diagnósticos também permitem procedimentos mais precisos e seguros na maioria dos tratamentos. Mesmo procedimentos simples, como uma sutura, podem ser melhorados com a tecnologia. Por meio de equipamentos de última geração, o médico consegue visualizar todo o corpo humano em três dimensões e de maneira nítida, o que torna as intervenções rápidas e pontuais.

As novas formas de realização de exames são essenciais para prevenir doenças e agravamento de problemas. O que anos atrás era praticamente impossível de detectar, hoje pode ser identificado em pouco tempo sem a necessidade de procedimentos invasivos, agressivos e dolorosos.

A ressonância magnética, a tomografia computadorizada e o PET-CT (Tomografia por Emissão de Pósitrons ou, conforme a sigla em inglês, Positron Emission Tomography) são bons exemplos de como os avanços tecnológicos têm auxiliado a medicina. A tecnologia médica permite identificar tumores com menos de dois milímetros em fase inicial, o que facilita o tratamento e aumenta significativamente as chances de cura. Através de exames específicos, o médico pode mapear a localização exata de tumores e das células cancerígenas, o que facilita a tomada da decisão correta quanto ao tipo de tratamento a ser adotado.

 

Melhor atendimento e organização de dados

Gestão e eficiência

A tecnologia aplicada à saúde também é capaz de gerar benefícios indiretos aos pacientes e diretos ao profissional de saúde e sua equipe, tornando a prática médica muito mais eficiente e prazerosa, seja por meio da digitalização de processos ou de um software que descomplique as finanças ou a administração de uma clínica em geral, o uso da tecnologia focada em gestão e eficiência permite ao profissional da saúde focar em seu principal objetivo – o atendimento do paciente.

 

Sistemas de gestão médica

Através da Tecnologia da Informação, sistemas de gestão tem ajudado os médicos a gerenciar seus consultórios e oferecer um atendimento com mais qualidade aos seus pacientes. Esse tipo de sistema oferece mais tranquilidade e transparência ao profissional da saúde, pois organiza – e otimiza – todas as tarefas administrativas dentro da clínica ou do consultório. Através dos preceitos da eficiência em gestão, estes sistemas organizam o agendamento das consultas, os prontuários eletrônicos e até a gestão financeira da clínica, proporcionando muitos benefícios ao profissional de saúde e sua equipe nas tarefas do dia a dia da prática médica.

Prontuário Eletrônico

O prontuário eletrônico é mais um caso sobre o uso da tecnologia na saúde. E o que ganha cada vez mais adesão no dia a dia de uma clínica. Reunir todas as informações em um só lugar. Essa é uma das principais vantagens  de um prontuário eletrônico. Se unido a um sistema em nuvem, é possível acessar essas informações de qualquer lugar, o que é de grande relevância ao se atender um paciente de emergência, por exemplo. Basta ter acesso à internet.

Outras características presentes em um prontuário eletrônico é que você pode personalizá-lo conforme a sua especialidade e suas necessidades, anexar exames e fotos e, o melhor, não ocupa espaço físico.

 

Bulário online

Foi-se o tempo em que o médico sabia mentalmente toda a posologia e contraindicação de um medicamento. Hoje em dia são muitas as opções de medicamentos e não é fácil acompanhar toda essa atualização. Assim, para a indicação de um medicamento, basta o médico entender as principais restrições do paciente, como uma alergia ou gravidez, e buscar em um bulário online o principal medicamento dadas as restrições. Tudo isso integrado ao prontuário. Com um bulário online você otimiza o seu tempo durante a consulta.

 

Segurança da informação na saúde

A nossa dependência do papel está no passado! A revolução digital provocou uma adaptação na forma como anotamos e acessamos informações, de modo que manter informações no papel deixa, aos poucos, de fazer parte da nossa realidade. Utilizar fichas para cadastros de pacientes e prontuários de papel sempre trouxe riscos à manutenção dessas informações, devido a ação do tempo, roubos e até a má comunicação entre funcionários sobre informações e processos.

Uma das primeiras alternativas que surgiram foi o software para ser comprado e instalado no computador. Durante muito tempo essa foi a única opção. Porém, assim como o papel, existe o risco do roubo ou de problemas com o computador (como queimar a placa ou formatar) que te fazem perder essas informações e não há suporte que ajude a recuperá-las.

Nos sistemas em nuvem, os dados ficam armazenados em mais de um servidor.  Assim, caso algum servidor tenha problema como queda de energia ou acidentes, os outros servidores entram em ação para prover as necessidades dos usuários.

 

A medicina preventiva e a tecnologia

"Big Data"

"Big Data" é a junção de um conjunto de informações extraídas de um grande volume de dados com o objetivo de encontrar características comuns em um grupo de pessoas ou em um lugar, por exemplo. O uso de "big data" na área da saúde pode ajudar em previsões de possíveis diagnósticos em um paciente e até na diminuição de custos de pesquisa por causa da disseminação de conhecimento.

Com o uso dessas informações é possível traçar um perfil de sintomas ou características de pacientes com algum tipo de doença e fazer previsões mais precisas sobre as chances de um paciente apresentar também tal doença ou até mesmo sobre a efetividade de tratamentos.

 

Empoderamento dos pacientes

A popularização das tecnologias também atinge os pacientes. Cada vez mais eles têm acesso a novos dispositivos, plataformas e meios de cuidar de sua saúde. Um ótimo exemplo são os "wearables". Esses dispositivos vestíveis podem ser utilizados para medir qualidade do sono, quantidade de calorias gastas por dia, número de passos e frequência cardíaca. Os pacientes podem compartilhar todos esses dados capturados com seu médico e verificar o andamento de um tratamento, sendo mais um exemplo do uso de "Big Data".

Outra tecnologia que afeta diretamente os pacientes é a tecnologia mobile. Novos aparelhos, smartphones, e, principalmente, aplicativos, são desenvolvidos para a área da saúde. Para se ter uma ideia, estudos verificaram que a utilização da tecnologia mobile por pacientes com doenças graves ajuda na melhora deles e na confiança com o sucesso do tratamento.

 

Telemedicina

O clássico exemplo que vem à mente quando pensamos em tecnologia aplicada à saúde. A telemedicina é um meio de comunicação e atendimento ao paciente que se desenvolve cada dia mais. É uma forma de assistência ao paciente remoto. Inicialmente utilizada com televisões para se chegar a lugares distantes, hoje em dia conta com o uso da inteligência artificial até chegar às mesas de cirurgia.

A telemedicina já é uma realidade e o seu uso é cada vez mais frequente. Exemplos de sua aplicação são videoconferências, teleconsultas, teleassistências, emissão de laudos e cirurgias com a ajuda de robôs. Todos esses avanços também permitem o empoderamento dos pacientes, tornando-os responsáveis por seu estado de saúde e engajados com o tratamento prescrito pelo profissional de saúde. Assim, aos poucos, ocorre uma melhora na vida de pacientes e familiares, reduzindo a demora com resultados, tratamentos, internações e, principalmente, na cura de diversas doenças.

Tecnologia e humanização em ambientes intensivos

O cuidado dos profissionais da saúde e a tecnologia estão interligados, uma vez que a profissão está comprometida com princípios, leis e teorias, e a tecnologia consiste na expressão desse conhecimento científico, e em sua própria transformação. Por entender o cuidado de enfermagem, por exemplo, como um complexo construto, acredita-se que ele possa ter diferentes dimensões, o que não significa dizer que isso possa inviabilizar o entendimento de que ele é humano, ainda que tenhamos que nos apropriar de tecnologias e máquinas para cuidar. A apropriação de tecnologias, em particular aquelas entendidas como duras, é considerada como fundamental para cuidar e assistir, pois elas contribuem sobremaneira na ampliação da capacidade natural de sentir, embora exija do profissional um alto grau de qualificação profissional.

Dessa forma, as UTIs são consideradas locais especiais que demandam um alto grau de especialização do trabalho da equipe multidisciplinar, e exigem do trabalhador um treinamento adequado, uma afinidade para atuar em unidades fechadas e uma resistência diferenciada dos demais que atuam em outras áreas hospitalares. No contexto atual, o cuidado em UTI, mais do que no passado, tem sido distinguido pela incorporação e utilização de novas tecnologias, abrindo novos horizontes e novas perspectivas para a melhoria da qualidade do trabalho e assistência e de vida dos sujeitos que cuidam e daqueles que são cuidados.

 

Importância da tecnologia sob o cenário pandêmico de COVID-19

Diferentes tipos de robôs

Foco do surto inicial do coronavírus, a China precisou de ajuda de robôs para evitar o contato entre as pessoas, especialmente entre pacientes e equipes de médicos e enfermeiros. Em um hotel onde mais de 200 pessoas ficaram isoladas em Hangzhou, no leste do país, um robô circulava pelos corredores para entregar comida na porta dos quartos. Na Bélgica, a empresa de tecnologia Zorabots emprestou centenas de robôs de companhia para idosos em isolamento. A ideia é que, mesmo em casa durante a quarentena, as pessoas possam conversar com a família e os amigos por meio de videochamadas. As máquinas respondem a comandos de voz e podem acompanhar fisicamente o usuário pela casa, ajudando a melhorar a sensação de companhia.

 

5G, consultas remotas e drones

A conectividade 5G vem sendo chave na China e na Coreia do Sul para permitir o contato à distância. Em robôs, a rede de quinta geração é essencial para permitir o funcionamento de sistemas de inteligência artificial. Além disso, a baixa latência da tecnologia ajuda a operar equipamentos médicos via internet com alto grau de precisão. A Huawei chegou a instalar novas antenas 5G em território chinês para, entre outras coisas, aumentar a cobertura de sistemas avançados de teleconferência: um paciente pode, por exemplo realizar uma consulta online com imagens em alta qualidade mesmo sem acesso à fibra ótica.

Além disso, drones com capacidade de levar carga também começaram a ser usados durante a crise provocada pela COVID-19.

 

Impressão 3D para peças em hospital

Em Brescia, na Itália, um hospital não podia atender a demanda de 250 pacientes na UTI precisando de respiração artificial. Além da falta de respiradores, o problema estava no estoque limitado para a reposição de uma válvula que só dura oito horas contínuas de operação. Sem substituição frequente desse componente, os aparelhos não podiam ficar ligados por muito tempo. Foi quando o hospital teve auxílio da comunidade de entusiastas da impressão 3D. Em três horas, já havia um modelo da peça e um protótipo pronto que os técnicos podiam testar nos respiradores. Em pouco tempo, o hospital tinha à disposição mais de 100 válvulas para usar, por um custo final de menos de 1 euro por unidade, provando que a tecnologia pode ajudar em meio à superlotação de leitos hospitalares e o desgaste acelerado de equipamentos.

 

Pagamentos por aproximação e terminais biométricos para detecção de sintomas

Empresas especializadas em identificação biométrica já começam a oferecer mecanismos de detecção sintomas de coronavírus. Terminais inteligentes da chinesa ZKTeco, por exemplo, são capazes de rastrear sintomas da Covid-19 por meio de reconhecimento facial. A aferição de temperatura também pode ser realizada por detecção de palma da mão à distância, ou seja, sem precisar tocar no aparelho. Além de rastrear sintomas, o reconhecimento avançado pode identificar os funcionários e descobrir se a pessoa está usando máscara de proteção, por exemplo.

Os pagamentos por aproximação podem ajudar a evitar o contato na hora de fazer compras. Por meio de um chip NFC no cartão, o usuário pode comprar no débito ou crédito sem precisar tocar no terminal de pagamento e, principalmente, sem manusear dinheiro vivo. A tecnologia começou a se popularizar recentemente no Brasil e está disponível em alguns bancos.

 

Portanto, na medida em que o tempo passa, a tecnologia incorporada de forma harmônica à saúde será cada vez mais presente, e paralelamente, a medicina tende a se tornar mais acessível, permitindo que as novas tecnologias estejam ao alcance de todos.


Quer escrever?
Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 175 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


 

Referências:

1- Atendimento humanizado: como a tecnologia pode ajudar? Portal Telemedicina: https://portaltelemedicina.com.br/blog/atendimento-humanizado-como-tecnologia-pode-ajudar

2- Tecnologia e humanização em ambientes intensivos – (Revista Brasileira de Enfermagem): https://www.scielo.br/pdf/reben/v63n1/v63n1a24

3- Especialistas acreditam na humanização do cuidado com o uso da tecnologia na Saúde – Instituto Vencer o Câncer: https://www.vencerocancer.org.br/cancer/noticias/especialistas-acreditam-na-humanizacao-do-cuidado-com-o-uso-da-tecnologia-na-saude/

4- O poder da tecnologia aplicada à saúde – iClinic: https://blog.iclinic.com.br/o-poder-da-tecnologia-aplicada-a-saude/

5- Coronavírus: conheça oito tecnologias que ajudam no combate à Covid-19 – TechTudo https://www.techtudo.com.br/noticias/2020/03/coronavirus-conheca-oito-tecnologias-que-ajudam-no-combate-a-covid-19.ghtml

 

 

 

Academia Médica
Bárbara Figueiredo
Bárbara Figueiredo Seguir

19 anos. Acadêmica de Medicina na Fundação Educacional de Patos de Minas. Curto nerdices, Sócrates e tripartição de poderes (rs). Instagram: @figueiredobabi

Ler conteúdo completo
Indicados para você