[ editar artigo]

Sobre IECA, ARB e AINES no Covid-19 - Um telefone sem fio em meio a pandemia

Sobre IECA, ARB e AINES no Covid-19 - Um telefone sem fio em meio a pandemia

Muito se tem falado sobre o uso de algumas medicaçãoes (ibuprofeno, aines, IECA e ARBs) nos pacientes com Covid-19 como um fator de piora de prognóstico para os doentes. Isso não é verdade, mas também não chega a ser uma fakenews. 

A afirmação se dá a partir de uma leitura desatenta do seguinte artigo "Os pacientes com hipertensão e diabetes mellitus estão em maior risco de infecção por COVID-19?" (Are patients with hypertension and diabetes mellitus at increased risk for COVID-19 infection?) recém publicado no Lancet.

O Coronavírus patogênico humano (COVID-19 ou SARSCoV-2) se liga às células-alvo através da conversão da angiotensina enzima 2 (ACE2), que é expressa pelas células epiteliais do pulmão, intestino, vasos renais e sanguíneos.

A expressão de ACE2 substancialmente está mais exacerbada em pacientes com tipo 1 ou diabetes tipo 2, que são tratados com Inibidores da ECA e angiotensina II bloqueadores do receptor tipo I (BRA) e/ou Tiazolidinedionas (ex: glitazonas).

A hipertensão também pode ser tratada com inibidores da ECA, inibidores e BRA, resultando em uma regulação positiva da ACE2. Esta regulação pode estar aumentada também por Tiazolidinedionas e AINES, incluindo o Ibuprofeno.

Esses dados sugerem que a expressão ACE2 aumentada em pacientes com diabetes e/ou em pacientes em tratamento com os inibidores da ECA e os BRA e/ou com tiazolidinedionas e/ou aines (ibuprofeno) facilitaria a infecção com COVID-19.  

Portanto, a hipótese é de que o diabetes e o tratamento com
medicamentos estimulantes (IECA, ARBs, Tiazolidonas e AINES) da ECA2 aumentam risco de desenvolvimento grave e fatal COVID-19. 

Caso essa hipótese seja confirmada, pode levar a  possíveis conflitos em relação ao tratamento uma vez que a ECA2 reduz a inflamação e tem sido sugerido como uma nova terapia potencial para doenças pulmonares inflamatórias, câncer, diabetes e hipertensão.

Mais um aspecto a ser investigado é a predisposição genética para um risco aumentado de infecção do COVID-19. Essa predisposição pode estar relacionada ao polimorfismos da ECA2 que por sua vez, pode também estar relacionado ao diabetes mellitus, acidente vascular cerebral e hipertensão, especificamente em populações asiáticas.

Resumindo esta informação, a sensibilidade de um indivíduo a infecção pode resultar de uma combinação de terapia e polimorfismo da ECA2.

No estudo, os autores sugerem que pacientes com doença cardíaca, hipertensão ou diabetes, tratados com IECA estão em maior risco para infecção grave por COVID-19 e, portanto, devem ser monitorados.

Cabe destacar, que de acordo com os princípios básicos da epidemiologia, associação não necessariamente leva a causalidade. 

Logo, utilizando o método científico clássico, temos uma hipótese que deverá ser testada e uma possível associação poderá ser demonstrada. Para se demonstrar causalidade, uma série de critérios necessitam ser preenchidos.

No estudo em questão, há um fator de confundimento e viés de seleção: os pacientes já possuíam fator de risco de gravidade por serem portadores de cardiopatia e diabetes, bem como poderiam ser portadores de polimorfismo da ECA (mais comum em asiáticos).

Em conclusão, o artigo levanta a hipótese mas não prova associação nem causalidade. Estudos epidemiológicos, de segurança e de vida real  (RWE) devem ser realizados para provar essa possível associação e causalidade.

Considerando este "telefone sem fio", o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, se posicionou que os tratamento com IECA e ARBs devem ser iniciados ou continuado de acordo com as diretrizes existentes, em pacientes com hipertensão arterial, insuficiência cardíaca ou infarto agudo do miocárdio, independentemente se positivos para o Covid19. Ainda reitera que não há, até o momento, justificativa para mudança de terapia.

Vamos ajudar a transmitir essa mensagem adiante? 

 

Bruno Scarpellini, Médico Infectologista e Epidemiologista, MD MPH PhD

 

 


Leia também!

 


Quer escrever?

Publique seu artigo na Academia Médica e faça parte de uma comunidade crescente de mais de 145 mil médicos, acadêmicos, pesquisadores e profissionais da saúde. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!

Global Health League

Academia Médica
Bruno Scarpellini
Bruno Scarpellini Seguir

MD MPH PhD FACP, Infectologista & Epidemiologista

Ler conteúdo completo
Indicados para você