[ editar artigo]

Antibiótico para pneumonia de trato inferior nem sempre é necessário

Antibiótico para pneumonia de trato inferior nem sempre é necessário

A era moderna dos antibióticos começou com a descoberta da penicilina por Sir Alexander Fleming em 1928. A penicilina foi bem-sucedida no controle de infecções bacterianas entre os soldados da Segunda Guerra Mundial. No entanto, logo depois disso, a resistência à penicilina tornou-se um problema clínico substancial, de modo que, na década de 1950, muitos dos avanços da década anterior foram ameaçados.¹

A resistência antimicrobiana em patógenos bacterianos é um desafio que está associado à alta morbimortalidade. Os padrões de multirresistência em bactérias Gram-positivas e-negativas são difíceis de tratar e podem até ser intratáveis com antibióticos convencionais. Atualmente, há uma escassez de terapias eficazes, falta de medidas de prevenção bem-sucedidas e apenas alguns novos antibióticos, que exigem o desenvolvimento de novas opções de tratamento e terapias antimicrobianas alternativas.²

Leia mais: A banalização dos antibióticos e a origem das superbactérias

Tendo em vista que os antibióticos são muito comumente prescritos para crianças que apresentam infecções não complicadas do trato respiratório inferior (LRTIs), se faz  necessário que o uso de antibióticos seja realizado com cada vez mais cautela. 

Estudo testa uso de antibioticoterapia em crianças na Ingraterra

Como pode ser exemplificado em um estudo realizado em 56 clínicas gerais na Inglaterra onde participaram crianças com idade entre 6 meses e 12 anos que se apresentavam na atenção primária com LRTI agudo não complicado considerado de origem infecciosa, com sintomas por menos de 21 dias. Os pacientes foram designados aleatoriamente em uma proporção de 1: 1 para receber amoxicilina 50 mg / kg por dia ou suspensão oral de placebo, em três doses divididas por via oral por 7 dias. O desfecho primário foi a duração dos sintomas classificados como moderadamente ruins ou piores por até 28 dias ou até a resolução dos sintomas. ³

Entre 9 de novembro de 2016 e 17 de março de 2020, 432 crianças foram aleatoriamente designadas para o grupo de antibióticos (n = 221) ou o grupo de placebo (n = 211) . As durações medianas dos sintomas moderadamente ruins ou piores foram semelhantes entre os grupos (5 dias no grupo de antibióticos vs 6 dias no grupo de placebo).

Resultados

Não foram observadas diferenças para o resultado primário entre os grupos de tratamento nos cinco subgrupos clínicos pré-especificados (pacientes com sinais torácicos, febre, avaliação médica de indisposição, expectoração ou chocalho no peito e falta de ar). As estimativas da análise de caso completo e uma análise por protocolo foram semelhantes à análise de dados imputada.³

É improvável que a amoxicilina para infecções torácicas não complicadas em crianças seja clinicamente eficaz, tanto em geral quanto para subgrupos-chave para os quais os antibióticos são comumente prescritos. A menos que haja suspeita de pneumonia, os médicos devem fornecer conselhos de rede de segurança, mas não prescrever antibióticos para a maioria das crianças com tórax³

Artigos relacionados 


Quer‌ ‌escrever?‌ ‌Publique‌ ‌seu‌ ‌artigo‌ ‌na‌ ‌Academia‌ ‌Médica‌ ‌e‌ ‌faça‌ ‌parte‌ ‌de‌ ‌uma‌ ‌comunidade‌. Clique‌ ‌no‌ ‌botão‌ ‌"NOVO‌ ‌POST"‌ ‌no‌ ‌alto‌ ‌da‌ ‌página!‌ ‌


Referências‌ ‌

VENTOLA, C. Lee. The antibiotic resistance crisis: part 1: causes and threats. Pharmacy and therapeutics, v. 40, n. 4, p. 277, 2015.

FRIERI, Marianne; KUMAR, Krishan; BOUTIN, Anthony. Antibiotic resistance. Journal of infection and public health, v. 10, n. 4, p. 369-378, 2017.

LITTLE, Paul et al. Antibiotics for lower respiratory tract infection in children presenting in primary care in England (ARTIC PC): a double-blind, randomised, placebo-controlled trial. The Lancet, 2021.

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você