[ editar artigo]

Relação entre o aumento de temperatura e doença renal

Relação entre o aumento de temperatura e doença renal

No último dia 31 de outubro foi publicado na revista The Lancet Regional Health – Americas o maior estudo (até então) que relaciona o aumento das temperaturas e o seu impactos no aumento no número de hospitalizações por doença renal. O estudo foi realizado aqui no Brasil numa parceria de pesquisadores da USP (Dr Paulo Hilario Nascimento Saldiva) e da Universidade de Monash na Austrália.

Como foi realizada a pesquisa?

Os pesquisadores utilizaram dados do SUS e analisaram os diários de internação hospitalar de 1.816 cidades no Brasil durante o período de 2000 e 2015. Um desenho de caso-cruzado estratificado no tempo foi aplicado para avaliar a associação entre temperatura e doenças renais.  Riscos relativos (RRs), frações atribuíveis (AFs) e seus intervalos de confiança (ICs) foram calculados para estimar as associações e a carga atribuível. No período do estudo, foram registradas 2.726.886 internações por doenças renais.

Para cada aumento de 1ºC na temperatura média diária, o risco estimado de hospitalização por doenças renais durante o intervalo de 0 a 7 dias aumentou em 0,9% a nível nacional.

As associações entre temperatura e doenças renais foram maiores no intervalo de 0 dias (ou seja, no mesmo dia com aumento de temperatura), mas permaneceram no intervalo de 1 a 2 dias.

Os pesquisadores revelaram que 7,4% das hospitalizações por doenças renais podem ser atribuídas ao aumento da temperatura no período estudado o que equivale a 202.093 (IC 95%: 141.554−260.594) casos. O risco foi maior em mulheres, crianças de 0 a 4 anos e idosos ≥ 80 anos.

Como o aumento da temperatura afeta os pacientes?

Atualmente um dos mecanismos mais aceitos para justificar o impacto da temperatura na função renal tem relação com o aumento da produção de suor induzido pelo calor, que em alguns casos pode causar desidratação e descompensação da homeostasia renal. Em um ambiente quente, ocorre aumento da perda insensível de água corporal e sais, com a exposição prolongada ao calor, isso leva a um déficit substancial de fluidos que, se não for substituído, pode resultar em vasoconstrição e lesão renal associada. Além disso, com o corpo em um estado de desidratação crônica pode ocorrer uma rabdomiólise subclínica devido a lesão muscular crônica de baixo grau, que por sua vez também pode contribuir para a hiperuricemia. Postula-se que esses fatores podem levar à hipertensão glomerular e lesão tubular renal.

Quais os impactos e perspectivas que temos com esse estudo?

Segundo os próprios pesquisadores que realizaram a pesquisa este é o primeiro estudo no Brasil e o maior do mundo avaliando a associação entre temperatura ambiente e internações por doenças renais. Os resultados demonstraram que há um risco de hospitalizações por doenças renais e foi positivamente associado a um aumento na temperatura média diária. Também foi descrito que 7,4% do total de hospitalizações podem ser atribuídos ao aumento da temperatura ambiente e crianças de 0 a 4 anos são as mais vulneráveis.

Ainda segundo o estudo a sociedade e os gestores públicos devem levar em consideração o contexto do aquecimento global, para desenvolver mais estratégias e políticas públicas para prevenir hospitalizações relacionadas ao calor. As intervenções devem ser promovidas visando indivíduos específicos, incluindo mulheres, crianças, adolescentes e idosos, por serem mais vulneráveis ao calor no que diz respeito às doenças renais.

Os autores concluem o paper salientando que Este estudo nacional fornece evidências robustas de que mais políticas devem ser desenvolvidas para prevenir hospitalizações relacionadas ao calor e mitigar as mudanças climáticas.

Leia mais


Quer escrever? Publique seu artigo na Academia Médica. Clique no botão "NOVO POST" no alto da página!


Referências

Wen B, Xu R, Wu Y, Coêlho M de SZS, Saldiva PHN, Guo Y, et al. Association between Ambient Temperature and Hospitalization for Renal Diseases in Brazil during 2000–2015: A Nationwide Case-Crossover Study. The Lancet Regional Health - Americas [Internet]. 2021 Oct [cited 2021 Nov 2];100101. Available from: https://www.thelancet.com/journals/lanam/article/PIIS2667-193X(21)00097-1/fulltext#seccesectitle0028 ‌

Flatharta, T. Ó., Flynn, A., & Mulkerrin, E. C. (2019). Heat-related chronic kidney disease mortality in the young and old: differing mechanisms, potentially similar solutions?. BMJ evidence-based medicine, 24(2), 45-47.

Increased temperatures contributed to more than 200,000 cases of kidney disease in 15 years in Brazil alone, world’s largest study finds [Internet]. EurekAlert! 2021 [cited 2021 Nov 2]. Available from: https://www.eurekalert.org/news-releases/932680 ‌

Conteúdo traduzido e adaptado por Diego Arthur Castro Cabral

Academia Médica
O que a faculdade esquece de falar!
O que a faculdade esquece de falar! Seguir

Página da redação da Academia Médica para divulgar atualizações pertinentes aos médicos, acadêmicos de medicina e profissionais de saúde.

Ler conteúdo completo
Indicados para você